Ciência comprova: Salsinhas são evolucionariamente inferiores

Ou no mínimo sofrem de alguma lesão cerebral.

Por outro lado, SALSINHAS TÊM CÉREBRO!

Só é danificado, pois uma lesão no giro parahipocampal, no hemisfério direito do cérebro costuma resultar em perda de capacidade de entender sarcasmo.

A descoberta é de Katherine Rankin, neurofisiologista da Universidade da Califórnia. E ela assume que se há uma patologia que afete o sarcasmo, ele é mais do que algo "aprendido", e sim parte de nossa natureza.

sarcasm_detector

Biólogos Evolucionistas explicam que a criatura humana depende de interações sociais o tempo todo, e essas interações são positivas ou negativas. Não só mulheres vivem pela máxima "perdoe mas não esqueça". Nós guardamos um registro interno de todo mundo com quem interagimos, e buscamos nos cercar de semelhantes. É como quem não gosta de gato quando chega na casa de alguém com um ou mais felinos. O gato pula no visitante, para checar se é amistoso. Quando o sujeito faz escândalo "detesto gatos!", pode apostar: dificilmente será convidado de volta.

O sarcasmo, evolucionariamente falando é usado como um "nivelador de capacidades". Se você entende minhas piadas, está no meu nível e tem o privilégio de conviver comigo. Talvez até carregar minha prole. (calma meninas, não é uma ameaça, só uma alegoria) É uma evolução tardia, uma das poucas vezes onde a inteligência é privilegiada. Ainda assim não é prevalente como por exemplo a fascinação pela beleza (notaram que 100% das pessoas que usam o termo "beleza física" são recalcados?). Gente inteligente e racional fica abobada diante de uma Angelina Jolie ou da Mariana Ximenes em um bom dia.

Mesmo assim é fascinante ver como algo tão "evoluído" (isso é ironia, não sarcasmo) quanto senso de humor cáustico é apenas uma adaptação natural para melhor nos integrar ao bando. Ou camarilha. Ou matilha. Ou seja lá qual o coletivo de gente maldosa especializada em comentários sarcásticos. Ah sim: Blogosfera.

Meredith Small, antropóloga da Universidade Cornell dá um bom exemplo de como o sarcasmo funcionaria como vantagem evolucionária mesmo em condições primitivas:

 

Dois sujeitos correndo na savana africana, fugindo de um leão. O primeiro vira pro amigo e pergunta: "Já estamos nos divertindo?" O amigo, NeanderSalsa, pára de correr, coça a cabeça. "gronk não entendeu…"

Quem sobrevive para gerar prole?

O sarcasmo é um filtro importante pois exige que a informação seja interpretada, não apenas assimilada de forma linear. Dá ao ouvinte-salsinha um senso de falso conforto, ele realmente ACHA que entendeu, e cai de pau em cima de você, como neste clássico artigo "Morte aos Gays", onde os comentários estão cheios de xingamentos de gente incapaz de interpretar um texto simples.

Um dos prazeres culpados do sarcasmo é justamente esse. Alienar o interlocutor, deixando-o com cara de bobo (sem perceber) enquanto você (e os outros que pegaram a piada) ri internamente. Isso acontece sempre que solto uma das minhas frases preferidas: "Um homem sem religião é um peixe fora do aquário". As Salsinhas de Cristo em geral balançam a cabeça de forma condescendente e dizem "é verdade…"

House-M.D.-Gregory-House

Nem tudo são flores, entretanto. Como um grande percentual não "pega" o sarcasmo, isso gera uma grande antipatia por parte desse grupo, que se sente (com justiça) excluído de um clube fechado, sendo tratados como cidadãos de segunda classe. Acreditem, é ruim para todo mundo. Desperdiçar piadas é chato, chato, chato. EXPLICAR piadas é a morte. Quem faz comentários sarcásticos, antes de se sentir superior gostaria mesmo é que 100% dos leitores os entendessem.

Afinal o mundo seria muito melhor se todo mundo fosse igual a gente ;)

Senso de humor em geral é importante também. Está presente em humanos, macacos, cachorros, ratos. Estranhamente, está ausente em comentaristas do YouTube. Relacionamentos só funcionam com senso se humor. Quando um lado não entende as piadas do outro, não acha graça, está fadado ao fracasso. Humor é essencial para seu bem-estar, diz esta outra pesquisa. Eu já vi muitos casais em crise por levar o relacionamento a sério demais. Tudo são problemas, tudo é crise, tudo é dramático. Assim tem-se tensão no trabalho, tensão na rua E tensão em casa. Onde esses dois vão relaxar? Onde fica sua zona de conforto? (no caso do Morróida, na Zona)

O humor sarcástico em geral vem acompanhado do humor autodepreciativo, tão impopular no Brasil, mas que é uma das melhores formas de autocrítica que já vi. Os idiotas que lêem frases como "um blogueiro absolutamente perfeito: EU" e não percebem o sarcasmo estão sendo duplamente idiotas, pois não só esse tipo de frase é uma crítica aos outros que agem assim, como a mim mesmo, um auto-alerta para não cair nessa armadilha. "eu sei", estou dizendo. Mas se uma salsinha com dano cerebral não entende isso, só lamento.

Fonte: LiveScience


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Aêêê. Muito bem Cardosão! Demorou um pouco, mas esse texto foi muito bom. Cara, você se empenha mais pra escrever no Contraditorium? Tenho a sensação de que aqui os textos são melhores, mais bem elaborados.

    Ou sou só eu que prefiro os assuntos daqui…

    • Concordo, eu também tenho sempre essa sensação. O Cardoso sempre se supera escrevendo aqui.

      Aliás, uma coisa não ficou clara:

      Onde esses dois vão relaxar? Onde fica sua zona de conforto? (no caso do Morróida, na Zona)

      Você não deixou bem claro se no caso ele estaria comprando ou oferecendo o…hmmmmm, serviço.

  • A ironia e o sarcasmo são dois talentos adminiráveis. Tê-los e sabê-los usar de forma coerente torna a pessoa (olhar da sociedade) antipática, mas são os ossos do ofício. Pelo menos da pra se divertir muito mais que os demais.

  • Vou começar a mandar umas de sarcasmo para nas ninfetinhas…heheh
    ;)

    >> http://www.topzet.com
    (série,cinema,jogos,livros…)

  • A foto do Doutor House ficou perfeita para o post. 8-)

  • Cardoso, TIVE que comentar – mesmo nesse maldito teclado virtual, o post merece meu trabalho.

    A forma em que você abordou o tema foi simplesmente notável! Há uma grande verdade nisso tudo, humanos não tem a capacidade de ler/interpretar/reconhecer o sarcásmo a não ser que esteja 'explicado em pedacinhos'. Isso me revolta, e aí entra o meu egocentrismo. Seres que não compreendem o que é dito não passam de simples mortais sem significado!

    SO SAY WE ALL

  • Texto sensacional, leio todos seus textos em todos os seus blogs xP Mas este texto pra mim é o melhor! o/

  • Como sugeri aos cientistas em meu blog, deveriam dar ênfase à plástica cerebral e oferecer upgrades de softwares como "Fast-Sarcasmo", "Tiradas para amigos e inimigos".

  • primeiro, o sarcasmo; depois, o ostr@cismo.

    mil coisas

  • Pingback: 10 posts que você deveria ler essa semana: O retorno()

  • Tu está se superando, Cardoso. Ótimo texto, muito interessante. Meu namoro anterior acabou (entre outros motivos) por causa disso: a guria simplesmente odiava sarcasmo, e eu não consigo deixar de ser sarcástico, o que causou alguma discussões.

  • Eu acompanho os seus posts pelo meu leitor de feeds, mas esse eu tive que entrar pra comentar (e copiar o link para mandar paras os meus amigos!)

    Simplesmente EXCELENTE!

    E entrando na onda: eu também gosto mais dos seus textos daqui.

  • Ronaud Pereira

    É cara… Não posso deixar de comentar esse teu post. O maior prazer de uma pessoa inteligente, é bancar a idiota para o idiota que está bancando o inteligente. E realmente, entre altos e baixos (pois as vezes também caímos na sagacidade alheia), exercitar a arte de ser superior é inenarrável… :) Cardoso o Contraditórium tá cada vez melhor… Parabéns!!!