Os publieditoriais que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá. Ou gorjeiam?

Adiantando o resultado, gorjeiam.

O causo em questão é do blog This Heart of Stone, voltado para editores, fotógrafos, designers, coisa chique. Pois bem; eles publicaram um Advertorial (post pago, em inglês) sobre uma ação da Stella mcCartney.

Post publicado, dinheiro no bolso, todos felizes, certo?

Nem tanto. O cliente (na pessoa da agência) resolveu olhar o blog, e descobriu que eles são fashion, são trend, são chiques e por isso publicam conteúdo nem sempre “família”. Como uma chamada para a exposição “Talk Dirty to me”, que ocorrerá na galeria Larissa Goldston, de 26/2 a 28/3, em NY.

“Focando em peças que apresentam linguagem ou imagens sexuais, Talk Dirty to Me explora não somente a semiótica do desejo, mas também interpretações extremamente diversas e altamente pessoais de tais trabalhos. Na exibição, insinuações sexuiais variam do sugestivo ao explícito”

É, putaria da boa, abalizada como arte, como fica claro pela obra absolutamente explícita usada como ilustração do link dois parágrafos atrás.

Como, você clicou? Bem-feito, quem mandou abandonar meu texto? Mas tudo bem, se seu chefe reclamar diga que o close-up daquela BOCETA é… arte.

OK, ficou claro que pra mim um close-up de uma boceta NÃO é arte, e para os anunciantes também não é. Tanto que a agência do publieditorial escreveu para o blog pedindo que removessem… o post com a boceta.

[sonoplastia de freiada brusca]

Isso mesmo. Neste post aqui (cuidado, contém boceta) o blogueiro avisa do email recebido:

“Você poderia por favor tirar a campanha da Stella McCartney do ar o mais rápido possível? A agência está descontente por ela estar próxima a uma vagina e a quer fora do ar”

Mais adiante, a agência tenta um acordo:

Ou nós mudamos a imagem que acompanha o artigo por uma menos NSFW – ou desistimos de tudo

O post com a boceta em questão foi ar ao DUAS semanas depois do publieditorial.

Há toda uma cornucópia de piadas com blogueiros de agência que não gostam de boceta, mas eu vou passar. Estou mais assustado com a falta de tato. Imaginava que esse tipo de comportamento amador fosse restrito a mercados emergentes mas pelo visto nos EUA é a mesma coisa.

Esse bocetaGate serve um pouco de consolo, e até como refresco para o mercado publiciário nacional. Entender blogs ainda é MUITO complicado, assim como explicar blogs para os clientes.

É complicado associar sua marca a um blog que você não sabe de onde veio, não sabe quais os compromissos do autor, quais os limites. Não é televisão, onde há razoável certeza de que o sujeito não vai surtar e começar a vender camisetas I Love Hitler (tenho medo do que o Google vai trazer com essa frase). Blog não é rádio, onde há regras de conduta explícitas. Blog não tem nem censura. Na TV americana aberta, se você falar qualquer uma das 7 Palavras Proibidas, “Shit, Piss, Fuck, Cunt, CockSucker, MotherFucker e Tits” o mundo cai em sua cabeça. Em blog? Nada aconteC_#*&*$&#$ NO CARRIER+++

Um blogueiro pode ter graves problemas um dia, como eu tive com a bosta da telefônica, e no outro estar super-feliz pela mesma bosta da telefônica ter habilitado o Speedy de 4MB no meio do Carnaval.

De uma certa forma os blogueiros sérios protegemos a integridade de nosso conteúdo com muito mais vigor que a maioria dos veículos. Uma solicitação de remoção de um post é tratada como ofensa pessoal.

Pode parecer estranho, mas isso para nós É profissionalismo, pois no momento em que o blog deixar de ser pessoal, se torna mais um na multidão, apenas informando, o que agrada o anunciante mas não agrada o leitor. É uma solução de curto prazo que no final matará o blog. De fome ou de desgosto.

A solução (e não é sempre que chego a alguma conclusão em meus posts) é simples: Os anunciantes devem confiar mais em seu público. A Stella McCartney não tem que anunciar para os idiotas que vão ver uma boceta e entrar em pânico:

 “Que horror uma boceta no mesmo blog que duas semanas atrás falou da Stella McCartney, nunca mais compro nada da grife dela, estou cho-ca-da!”

Esse tipo de público é imbecil. Não replica, não influencia, não forma opinião. Esse tipo de público idiota só serve para replicar comentários ruins, mas essa replicação fica restrita a idiotas como eles.

Os anunciantes precisam apostar na INTELIGÊNCIA do público, que sabe diferenciar opinião de informação, que entende que anunciar em um blog não significa assinar embaixo de tudo que o blogueiro diz, disse e dirá até o Fim dos Tempos.

Esqueçam os idiotas, esqueçam o pessoal do #mimimi, esqueçam os pseudo-terroristas de liveblogging. Não é para eles que o blogueiro escreve nem é para eles que você anuncia.

Todo sistema de feedback sempre tem um componente de ruído. O erro é dar ouvidos a esse ruído. O erro aliás é montar toda a estrutura PRIORIZANDO o ruído.

PS: Apesar da sapaiada este post não foi patrocinado pela Frog, mas ganham link porque são legais.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Jay_Santos

    Você podia pelo menos dar o crédito pro coitado do George Carlin (que nem ta mais vivo pra se defender) pelas sete palavras proibidas da TV

  • Muito bom Cardoso. As agência reamente deveriam confiar mais na inteligência do público. Associar uma imagem de uma boceta a uma marca, somente por estar no mesmo local, é sinal de imbecilidade…

    Muito bom o post

    Ah, cliquei no link, obrigado por avisar ANTES. rsrsrs

    • Monthiel,

      Você é capaz de começar uma sentença sem Muito bom cardoso ?

      A mãe do cara pergunta as horas ele responde: Muito bom Cardoso, são cinco da tarde.

      Vá se f***** !

      <abbr>Damnati – último post do blog… Onde as Mulheres não têm vez Pt.II</abbr>

      • aUHahUuhauhahuaUHa é o sonho de um link no Contraditorium… ou é bixisse mesmo. =P

  • Godoy

    "This Heart's On Fire". Não "This Heart of Stone".

  • sebastiao neto

    (…)pois no momento em que o blog deixar de ser pessoal, se torna mais um na multidão, apenas informando, o que agrada o anunciante mas não agrada o leitor.(…)

    Cardoso, pensei em você quando li isso. tá certo que o blog não é seu, mas seus tópicos no Meio-bit ficaram muito chatos com essa sua fase "paz & amor". seu sarcasmo e suas tiradas ferinas era o que mais me atraia no blog.

  • Tá cheio de revisor de texto por aqui hoje :p

    Belo texto, só não sei muito bem sobre a inteligência do público, só se for um público bem restrito…

  • Bruno

    Concordo que os os anunciantes têm que entender melhor de Blog, etc, etc, etc.
    Mas, confiar na inteligência do público?? Esse público de salsinhas que você conhece bem?

    Acho que faltou uma ponte nessa pequena contradição (acho que é possível fazer a ponte e você pode fazê-la melhor do que eu).

  • gus

    Parabéns pelo texto… muito bem colocado. Só tem uma coisa, quando tu fala do "público imbecil", são exatamente eles que são imbecis o bastante para gastar milhares de dólares num vestido que não lhes cai bem e são eles que mantém o mercado do luxo girando. No mais, estou 100% de acordo com você.

    Quem errou foi a agência da Stella em achar que um blog de tendências iria atingir o seu público final.

  • eu vi o Mentor dizer na palestra na CampusParty e assino embaixo: blogueiros não precisam entender de negócios, publicitários sim!
    Posts-pagos são bem-sucedidos se bem planejados, prevendo inclusive o "ruído".

  • Cardoso, o ruído antes não existia não é mesmo…. imagina um leitor perder tempo mandando carta ou ligando para a redação para reclamar. Ou o assunto pegava muito no fígado ou nada.
    Hoje em dia ficou tudo mais raso [inclusive a inteligência], os comentários e também as reclamações…. a tecnologia facilitou demais a expressão dos gostos e imbecilidades.
    E no nosso mercado de comunicação este ruído [por mais insignificante que seja a amostragem] causa terríveis miopias.

  • Muitas vezes o que os anunciantes querem mesmo é anunciar para os idiotas.

    • Claro, idiotas são pessoas que tem mais chance de comprar tudo que vem pela frente. Você nunca foi na casa de alguém e viu todos os produtos da Polishop e da Tecnomania lá?

  • Publicitários idiotas existem em qualquer lugar do mundo, talvez os deles sejam até mais idiotas que os nossos. (claro, há também os inteligentes e sensatos)

    O público não é idiota, não o público realmente formador de opinião, para os quais realmente são feitos os tipos de publicidade mais inteligente. O público que vai ligar a boceta a propaganda da marca é um tipo de público que não formará opinião, que não formará outros clientes, um público inútil para a publicidade deste nível (um tipo de público para o qual é feita boa parte dos comerciais da TV)

  • Particularmente, eu me sentiria muito mais ofendido em ter meu produto anunciado num jornal onde José Sarney escreve um artigo sobre as Maravilhas do Carnaval brasileiro, do que ter o logo do meu escritório do lado de uma bu**** ! Eu achei o quadro bacana, vou propor a patroa fazer um desses enquanto estrias, banhas e a gravidade não a atacou. Ficará para a posteridade !

    De volta a vaca congelada, que vergonha Folha de São Paulo ! Aliás, alguém aqui ofereceria um guest post ao Sarney ?

  • Medo do que o Google possa (ou não) trazer com tanta boceta.

    Viva as tags <!– google_ad_section_start(weight=ignore) –> !

    <abbr>Fábio Buchecha – último post do blog… Vermelho, preto e dourado</abbr>

  • Ai, ai. Esses "artistas contemporâneos" e "artistas de universidade". Para eles qualquer coisa vira "obra de arte".

    Assim como uma xana virou obra de arte, daqui a pouco um pinto vira obra de arte.

  • Ma

    Poxa vida, que post incrivel! Como designer, distante dos fahions vickins, mas muito fã do trabalho da Stella McCartney… (e sua familia) fiquei emocionada em ver a boceta no blog! Também porque tenho uma, já que sou do sexo feminino ( de nascença) achei a atitude um tanto sem graça, pois retirar o post…já que estava la mesmo.. enfim…

    Como bloguista paranoica, sei o tamanho do amor que aplicamos em cada post,sejam pagos por alguma empresa, sejam mágoas sofridas de uma rotina comum. Visões poeticas e supervalorização do simplismo, eis a grande obra de nós..pseudo escritores da web. hahha… tenho um post sobre isso: " A arte é lesada" e ponto.

    i liked!

    beijos.

    <abbr>Ma – último post do blog… Forget it</abbr>

  • Bom, por aqui parece que o pessoal das agências já resolveu o problema. Em vez de patrocinar um blog eles convidam o blogueiro para escrever no blog especialmente criado por eles. É, aquele que ninguém lê e que vai sair do ar 1 mês depois de terminada a campanha. Aquele que vai ser considerado um fracasso "e nunca mais invisto em blog".

    Tudo em nome do controle.

    <abbr>Cristiano Dias – último post do blog… O foco da mídia e dos seus leitores na cobertura dos crimes</abbr>

  • Eu teria dado um close maior da primeira Boceta. Além de um enquadramento diferente. Mas, gostei do tema. Vou pensar em fazer algo parecido :)

  • Sabe que eu vi um baita arranca rabo por causa de um assunto que não tem nada a ver com esse aqui, era sobre plágio e copiar conteúdo, o pior é que os dois eram amigos meus.
    A internet tem características que só quem navega
    consegue entender, coisas como compartilhamento de vídeo, conteúdo sexual, racista, nazista etc.
    A divulgação do faturamento de publicidade, pelo IDG now, deixa bem claro que os empresários brasileiros não entendem nada de internert, daí um resultado ridículo de pouco mais de 550 milhões no faturamento em publicidade online, deixando bem claro que a publicidade na internet tem muito o que crescer, os empresários muito o que aprender.
    ABÇS.

  • Alfredo

    Confiar na inteligencia do público não é muito inteligente.

  • Esse exemplo, a meu ver, nada mais é do que a boa e velha máxima: "Se te pago, sou seu dono".

    O que deve acontecer direto em outros meios de comunicação mais "regulamentados".

  • bom nao era bem o que eu procurava mais ta bom…