Talvez não sejamos tão débeis mentais assim

A declaração do Ziraldo, de que a Internet é o antro do débil mental deixou muita gente irada. As carapuças caíram do céu direto na cabeça de um batalhão de Internautas, que em uma prova de que ele estava absolutamente errado, e o usuário médio de Internet é um sujeito educado, razoável, inteligente e maduro faz comentários (valeu, Luiz) como:

Esse ziraldo é um fdp, pq ele nao vai no meio da negada e fala que só tem babaca na inernet, que só tem isso e aquilo? Vai ser linchado esse cretino..

Quase toda opinião não-polyanna postada na Internet é recebida à bala. Todo, TODO blogueiro já recebeu sua cota de xingamentos. Quase sempre por motivos bestas.

Em um de meus textos mais singelos, onde falo sobre a moda de meninas beijando meninas, da forma mais positiva possível, foi deixado um comentário de uma criatura que classifico como “burra”, na melhor das hipóteses. Ela conseguiu ver preconceito onde mais ninguém viu e ainda me ameaçou, depois de xingar. E meu texto não é um texto irônico, onde pode haver dupla interpretação, como o Morte Aos Gays. (e mesmo assim só se você for muito tacanho) É um texto direto. O comentário da leitora me ofendeu, e olha que isso é algo difícil de conseguir. Não pelo xingamento, mas pela incapacidade dela de interpretar o texto mais simples. E ainda me culpar por isso.

Temos o caso já clássico da “Psicografia“, onde o sujeito posta um conto ficcional e é assolado por gente querendo psicografar cartas de parentes.

Será que o Ziraldo estava certo? Será que o usuário típico de Internet é um débil mental? Se for, o que a Internet fez para atrair tanta gente incapaz?

A Internet não fez nada.

A única coisa que a Internet oferece é uma VOZ para uma maioria antes silenciosa. A culpa na verdade é nossa. Mantemos nossas expectativas artificialmente altas, achamos que todo mundo lê pelo menos 5 livros por ano, faz três refeições ao dia e sabe ler de carreirinha. Achamos que inclusão digital é uma panacéia universal e usar computador torna alguém magicamente inteligente.

Vou contar um segredo: É muito fácil usar um computador. Você compra no Ponto Frio um computador “com Internet dentro”, liga pro Velox, o “ténico” (sic) vem na sua casa, instala tudo, te mostra onde clicar para ligar a Internet, e voilá, estamos online. Usar a Internet é bem mais simples que jogar xadrez e como o Deep Blue provou não é preciso ser inteligente de verdade para jogar xadrez.

O que a inclusão digital está fazendo é colocando mais pessoas comuns online. Pessoas que não são mais inteligentes ou mais burras que outras pessoas sem computador em casa.

Vamos a outro exemplo:

No início da Internet em um de meus livros ensinava a configurar o Netscape para envio de emails. Dava meu endereço e pedia para que o leitor me mandasse uma mensagem de teste.

Eu costumava receber ums 3 emails por dia com a mensagem:

_Oi, tudo bem? Que legal, funciona mesmo, responde aí.

Depois vinha outro:

_Poxa, não vai me responder? Quebra o galho

O final geralmente era:

_Você é um babaca, mascarado, metido, coloca email mas não responde. Morra!

Eu não respondia, pois o email desses usuários vinha de <seu nome> seuemail@seuprovedor.com.br

Era explicado, de forma explícita que os campos deveriam ser substituídos pelos valores fornecidos pelo provedor. Eu colocava esse aviso em um box, no texto E na legenda da imagem do formulário de configuração do Netscape.

Não adiantava. Só uma minoria iluminada lia as instruções e as entendia.

Inclusão digital é uma piada. Hoje temos aprovação automática nas escolas, faculdades onde você compra um diploma à prestação em 24 meses e basta uma redação mal-ajambrada para ser admitido como aluno e gente que se orgulha da própria incapacidade de escrever corretamente. “Se precisar eu escrevo direito, aqui na Internet eu tenho pressa, escrevo vc, tb, naum pq é mais rápido”. Ou então: “O que importa é a mensagem, se vc entendeu, entaum tá bom”

Conheci gente que ao pegar um livro emprestado ia direto para a última página. “é pra saber como termina assim não rola ansiedade, e se for chato já sei como acaba”. Também conheci gente que aos 24 anos de idade só havia lido um livro na vida, e achava natural. Mesmo assim tinha sido “violetas na janela”, e “literatura espírita” é uma contradição em termos.

Somos treinados o tempo todo desde criancinhas para achar as tais elites malvadas e nos identificar com o coitadinho. O brasileiro é o único povo do mundo onde o sujeito fala “sou pobre” com orgulho ou no máximo indiferença. Mas é preciso aceitar, é preciso entender: Você tem um blog, ou freqüenta e lê blogs com assiduidade? Escreve comentários mais consistentes do que os deixados no YouTube no vídeo do Ziraldo?

ele tem é inveja da galera que tem internet e esse merda não tem!

Que babaca ! duvido que ele nunca utilizou a internet!

ta na hora de vc morrer neh velho retardado?

Então, meu caro, tenho uma má notícia: Você é Elite. Isso mesmo. Você é o 1% do 1%.
O consolo (se é que é consolo) é que a Internet não tem nada a ver com isso. Ela é só uma forma conveniente de expressão, mesmo que ela acabasse amanhã essa gente toda continuaria existindo, como sempre existiu. Só estamos hoje tirando a peneira da frente do Sol, vendo com um pouquinho mais de clareza a plebe ignara que cerca algumas ilhas de QI de dois dígitos.

Claro, o pessoal mais polyanna já deve estar indignado, afinal estou ofendendo o internauta, o não-internauta, a população em geral, e só porque 95% se enquadram nas definições apresentadas não é motivo para desqualificar a raça toda. Generalização só vale se 100% dos envolvidos se enquandram na generalização, se quisermos ser politicamente corretos.

Também não é mais um plano corporativista para colocar a panelinha da blogosfera em um pedestal, mostrando o blogueiro como uma criatura super-inteligente, culta e viajada. Convenhamos, não há vantagem de se sentir superior a alguém que escreve sobre o Ziraldo:

Coitado, tá Gagá já, mija no pé e nunca deve ter conseguido ligar um PC, por isso fala essa besteira.

A parte chata é que acaba cansando. Se o blogueiro não tem uma massa crítica de leitores, estatisticamente está fadado a ter muitos desqualificados caindo em seus comentários, pois a quantidade de paraquedistas miguxos vindos do Google é muito maior do que a de leitores legítimos, que costumam vir através de links e referências de outros blogs. Com isso o blog pode morrer ainda na infância, dada a falta de qualidade do feedback.

Se você está começando, tenha paciência, pequeno gafanhoto. Dependendo do que você escrever, pode sofrer uma invasão de miguxos, o que pode ser traumático. Também pode fazer ótimos textos mas só receber comentários inconvenientes. Relaxe, no começo é assim mesmo. O Leo por exemplo está chegando nessa fase. Com alguns meses de vida, logo seu blog se tornará visado pelo Google. Com isso passará pela pior fase de um blog, aquela onde você escreve, ninguém comenta e se comenta é uma ostra. Relaxe, Leo, isso passa.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • É complicada essa situação. Enquanto a sociedade não evoluir culturalmente, o nível das pessoas na Internet também não vai subir, até porque é muito mais fácil alguém deixar um comentário no orkut do tipo "migu me add lah", por exemplo, do que comentar um post que exija um senso crítico mais elevado e até um pouco de conhecimento do tema. O nível de raciocínio para as duas coisas é muito diferente. A população em geral tem preguiça de pensar.

  • Eu nem acho escrever abreviado tão problemático, porque pelo menos da pra se entender, complica quando começam a escrever em emo e miguxês(isso quando não fazem os dois juntos, aí ferra de vez). Pra terminar o suicídio o cidadão só precisa ter a falta de intelectualidade(99% da internet? Que nada, 99,9% mesmo).
    Sem contar o fato das crianças na rede, não existe pior receita do que isso pra completar a merda. Vai criar um exército de emo-miguxos insuportável e destruidor.
    Mas o que dizer de um país em que a Rede Globo domina com esse monte de lixo da programação? É lamentável.

  • Samuel

    Como você disse, a internet é apenas a voz para as mentes antes silenciosas.

    O Brasil é assim ou sempre foi só que "ninguém sabia", talvez até nos tempos em que os livros do Ziraldo faziam sucesso, só que essa classe até pouco tempo não era notada, hoje é extremamente famigerada.

    É triste, é fácil captar o que ele quis dizer, mas ele generalizou, ou seja, ele falou uma coisa certa mas se expressou mal.

  • Que inspiração é essa?! rs
    Detesto admitir quando acho que você está certo! kkkkkkkk
    Mas espera aí… você não era do time dos maus? Ih… tá ficando difícil entender a blogosfera! Deixa pra lá.
    O fato é que tem sido muito bom – e cada vez mais instrutivo frequentar o Contraditorium.
    Agora eu vou, porque você colocou muita coisa pros meus débeis neurônios blogueiros pensarem em pleno domingo!
    Esse seu ótimo texto dá um livro (um não – vários).
    Grande abraço!

  • Humberto

    Logo, os "débis mentais" não pertencem propriamente a internet, mas ao Brasil

  • Qual o problema em ser do Lado Negro e escrever bem? Eu acho que é até mais fácil achar alguém que não tenha rabo preso em dizer o que pensa, sem se preocupar em ganhar concurso de popularidade.

    Ninguém manda mais cartão de Natal mesmo…. :):)

  • Fabrício

    Já dizia Mario Quintana "O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler, mas não lê.".
    Isso é o que mais temos aqui no Brasil.

  • Felipe

    Já faz tempo que a Internet se tornou um antro de besteira, meu amigo.
    E a inclusão digital, do jeito que vai, está aí pra "melhorar" isso ainda mais.

    Faz um tempo que eu vi um vídeo que orgulhosamente mostrava vários alunos de uma escola pública com o XO em mãos. O que eles estavam fazendo? Acessando o Orkut, MSN. Isso numa escola!

    O vídeo está no Contos da Escola .

    Agora, francamente. Não entender miguxês é coisa do passado.
    Com o Miguxeitor esse problema não existe mais.

  • Concordo com o Fabrício, a verdade é que a internet está composta por milhões de usuários estúpidos, ignorantes e inconsequentes, que estão ali só para falar no msn, ficar olhando o perfil dos outros no orkut, um povo que não tem hábito de leitura, e muito menos um poder de interpretação, apenas de críticas e xingamentos, não respeitando o trabablho de ninguem. Espero que um dia isso mude, porque hoje é triste a situação!

  • Confesso que fiquei emocionado com o seu desabafo. Não lí seu blog todo, mas dos posts que lí, elegeria este como o melhor.

    Respeitando o comunicador e artista que é o Ziraldo, e seu importante papel na divulgação do cartoon e charges através do Salão de Humor de Piracicaba, e ainda contribuindo para a educação dessa criançada ignara, ele simplesmente cometeu um equívoco, muito mais motivado por diferença de geração do que por qualquer coisa: provavelmente ele não sabe ligar o computador.

    O fato é que, enquanto este país, ou melhor, este planeta, não deixar de lado superstições que levam a dar algum crédito a uma autoaridade mediavel que não tem nada melhor para fazer do que criar os 10 mandamentos do trânsito, enquanto não encararmos de frente que quando o "Hómi" disse "crescei e multiplicai-vos" ele estava pensando em números com 3 casas decimais, estaremos continuado a caminhar para a extinção. Curto e grosso: só quem pode manter e educar poderia de até deveria ter filhos.

    Como diz o Morróida, carteira de motorista para ter filho já!

  • Alfredo Cavalcanti S

    Ok, não gosto muito de comentar.
    Mas ja tem um tempo que você insiste que um feedback inteligente é fundamental e blá blá blá.
    Se serve de consolo, eu estou aqui lendo e gosto muito do seu blog.

  • Eu concordo com o Ziraldo! A internet está repleta de débeis mentais, mas isso é uma questão cultural. O Brasil é um país de débeis mentais. As pessoas não sabem pensar, e não aceitam opiniões diferentes das suas, e já senti isso na pele nos comentários do meu blog. Mesmo com um assunto tão mundano quanto séries de televisão, os visitantes não se dão o trabalho de ENTENDER o que está escrito e se sentem no direito de me ofender quando não concordam com a minha opinião. Tudo tem que ser preto ou branco. Mal sabem eles que diferentes pontos de vista só enriquecem a nossa capacidade mental.

  • Não condeno o Ziraldo…ele é um escritor/desenhista pro público infanto-juvenil. Experimenta entrar nos profiles de Orkut e flogões desse povinho…é emo, miguxo, praiboi…Ziraldo pode ter generalizado, mas creio eu, no meu amor incondicional ao Velho Maluquinho, de que ele certamente falava sobre esse público, apenas.

    Do mais, é isso. Você, Cardoso, seu digníssimo FDP, consegue mostrar sua opinião certeira e concisa. Se o Ziraldo tivesse visitado o Contraditorium uns dias antes de dar aquela entrevista, certamente falaria "Na internet quase todos são débeis-mentais.", rsrs. Ou não, ele poderia complementar também com um "Mas alguns se superam" :-p
    http://tradutorium.wordpress.com

  • Luiz

    De nada :-)

  • Pingback: O erro de Ziraldo - leoboratorio()

  • Thiago Santana

    Nunca quis aceitar que seja 99% da população, talvez 90, sei lá. Porque aí até tenho uma chance, agora, se for 99%, eu devo tá fora! =oP

  • Weverthon Machado

    Estupidez sempre existiu e sempre existirá. A Internet simplesmente é o espaço mais democrático de todos os tempos (algo digno de comemoração), mas infelizmente isso acaba revelando o nível intelectual (miguxo tem intelecto?) da maioria da população. Quanto à dificuldade (ou impossibilidade) de alguns seres em entender sutilezas, ironias, sarcasmo, etc, só consigo dizer uma coisa: animais! Não é exagero, já que nós (=humanos pensantes=minoria) só nos diferenciamos de um cavalo ou ornitorrinco por podermos enxergar o simbólico, as entrelinhas, o que "parece mas não é". A essas criaturas fofas que não sabem o que é interpretação (não, elas não estão lendo isto, texto figurativo demais) : vão pastar!
    Abraços. Sou leitor assíduo há alugum tempo, mas iniciante em comentários.

  • Sensacional, Cardoso. Eu vivo dizendo que Internet é só um meio de comunicação bidirecional, e que agora temos finalmente como enxergar a cara da nossa população. Não só daqui, mas de todo mundo, da humanidade como um todo.

    Diferente da "realidade" maquiada mostrada pelos canais de televisão ou mesmo pela bem humorada rádio FM, a Internet vai possibilitar que se tenha uma visão clara do que é um pedaço do Brasil. E ainda é o pedaço elitizado, pois sabemos que uns 80% da população não vai ter contato com esta mídia, dada as reais condições de miséria deste país.

    Torço muito pra que branquinho comece a se tocar que São Paulo é apenas uma Manhattan inserida no meio de uma Bangladesh. Nasci e vivi minha vida toda no Rio de Janeiro, "de frente pro mar mas de costas pra favela", e sempre fiquei admirado como as pessoas fazem pouco caso do que realmente acontece nas ruas.

    Na Internet o mesmo acontece. Circulamos entre nossos blogs arrumados e cheirosos, e ignoramos comunidades toscas de Orkut e fotologs.

    Em 2002, vimos a Globo.com se matar pra lançar o Blogger no Brasil. Veio o Fotolog.net e com um serviço 100 vezes mais rudimentar e problemático e engolir audiência como se nunca viu.

    Nós, no iBest, sabíamos bem o motivo e ao contrário dos outros portais, não entramos na febre de lançar uma plataforma de blogs. Brasileiro não lê, não escreve. É muito mais fácil postar uma foto tirada em frente ao espelho e colar uma letra de música do Exaltasamba do que escrever algo, ainda que seja um descritivo do seu dia no colégio.

    Infelizmente, quem tem interesse por isto aqui a nível acadêmico já "entrou" na Rede. A tendência é que agora cada vez mais entrem os que fazem a massa da nossa população.

    A percepção de burrice na Internet será cada vez maior. É só observar as leis da natureza que você consegue traçar o paralelo direitinho.

    Parabéns pelo post, estou encaminhando este links pra várias pessoas.

  • Concordo. A inclusão digital inclui em sua maioria tapados que não vão produzir nada de útil com os pc's, a não ser lotar o Orkut e usar emoticons piscantes no MSN. Deveria haver primeiramente uma "inclusão literária". Seria muito mais eficiente.

  • Augusto Hack

    Sou obrigado a comentar,

    é simplismente aterrorizante ver a situação cultural da maior parte da população(ok, não sou um cara muito culto, mas eu paro e penso, não me acho culto mas olha como está a população), não me refiro aqui simplismente a reações na internet mas também no dia-a-dia, a população não consegue enxergar como pequenos atos no cotidiano interferem realmente na vida(furar fila, não respeitar sinais de transito …) as vezes tornando o dia implacavelmente insurportavel(eu sei, se estressar com isso é tolice, mas eu não aguento). O pior é sermos obrigado a conviver dia ápos dia com essas pessoas e ficar a espera que do meio daquela multidão tenha ao menos uma cabeça pensante e que valha a pena conhecer.

  • Cardoso, mataste a pau. Mas se me permite a crítica, você perdeu uma oportunidade (pensando bem, será que é uma "oportunidade) de falar sobre sobre algo que me preocupa cada vez mais (e aparentemente a outros também): a burrice coletiva, proporcionada pela Internet.

    Sim, nessa onda de Web 2.0, de "conhecimento comunitário" e de toda esse "Maoísmo digital", tenho medo de ser influenciado cada vez mais pela massa de miguxos.

    Assunto correlato (com Paulo Amorim): http://www.cfgigolo.com/archives/2007/05/conversa

  • Faltou dizer sobre o assunto correlato (e link): eu discordo que o Paulo Amorim falou besteira, pelo contrário! Escrevi nos comentários do post o que penso. []'s Alex

  • Cardoso, acho que vou começar a "bater" nesse povo igual você. Às vezes posto poesia no meu café, mas longe de ser Polianna. As crônicas são levemente ácidas, bem menos que as suas, pois muitas vezes eu, em vez de as escrever indignado, as escrevo sorrindo da burrice, incompetência e "jeitinho brasileiro" (que tanto me irrita) alheios.

    Esses dias escrevi uma crônica intitulada "Chiquíssimo é saber falar, Glória kalil" com o intuito de cutucá-la, claro, mas também de ensinar um pouquinho de português e olha o que uma leitora me disse:

    "EU disse…

    Não qual o pior: errar ou sair catando os equívocos dos outros.

    Domingo, Junho 24, 2007 11:25:00 AM "

    E eu respondi no próprio comentário, já que ela não se identificou:

    "Ismael Alexandrino disse…

    Esconder uma opinião sem justificativa atrás do anonimato…isto, com certeza, é o pior. Abraço.

    Segunda-feira, Junho 25, 2007 12:08:00 PM "

    Ler CARAS e Contigo pra comentar as fofocas do Fábio Assunção com a empregada de casa é aceitável. Usar erros e mais erros na fala de alguém de destaque para ensinar um pouquinho da nossa língua portuguesa é algo abominável.

    Vá se lascar os 95% que você citou! Burrice cansa. Cansei deles, mas disfarçava. Agora não vou disfarçar mais.

    Abração, meu caro. Tenha uma excelente semana.

  • Concordo plenamente com sua opinião. Após receber dezenas de mensagens de colegas informando sobre o vírus destrutivo do “ursinho”, a corrente milagrosa que nunca falha e fará você perder os dentes se não repassar para todos os seus contatos e as mensagens ilegíveis no Orkut de desconhecidos que se enfurecem se você não responder em 2 horas aquele texto que ele copiou do amigo e mandou para mil pessoas diferentes, já desconfiava que a Internet é dominada por pessoas, digamos assim, desprovidas de grande capacidade intelectual. A certeza veio há alguns meses quando publiquei no Letra de Médico um artigo sobre dois sites americanos que estavam distribuindo convites para o Joost. Na pressa para ser um dos primeiros a dar a notícia, escrevi um texto pequeno, simples e direto, afinal, o procedimento também era pequeno, simples e direto. Falha minha. Choveram comentários de gente pedindo ajuda, dizendo que aquilo era mentira, golpe, que não funcionava. “Corrigi” a matéria, incluindo um tutorial super detalhado, passo a passo, sem possibilidade de erros (achava eu). Não resolveu. Os comentários continuaram. Gente que não achava os links, gente que pedia convites (nem leram o texto), gente que se inscrevia com um endereço de e-mail e tentava acessar o Joost com outro, gente sem paciência de esperar alguns minutos pela mensagem de confirmação, etc… Fiquei vários dias tentando responder a todos, mas cada resposta geralmente gerava mais perguntas… Os convites acabaram mas eventualmente ainda aparecem retardatários a procura de um. Detalhe: A maior parte informa endereços de e-mail inválidos. Como esperam receber o convite? Deve ser medo de SPAM!

  • Tarcisio

    Simplesmente brilhante!

    Visito o Contraditorium e o Carlos Cardoso há alguns meses, mas nunca comentei nenhum texto. Depois de ler um post, não me lembro o título, mas onde você falava que era melhor comentar bem ou mal do que a indiferença do leitor, passei a prestar mais atenção nos comentários, e esse texto foi sensacional.

    Quanto ao Ziraldo, concordo com o comentário do Samuel; "ele generalizou, ou seja, ele falou uma coisa certa mas se expressou mal", e com a edição do vídeo que foi parar no YouTube, a interpretação é completamente deturpada.

    Mais uma vez, parabéns, e que a Internet brasileira tenha mais Cardosos, para que em algum tempo, os textos dos bons blogs possam ser adequadamente apreciados pelos brasileiros em geral.

  • O Ziraldo tem razão, sim, e o Cardoso ainda mais.
    A internet só reflete o que é a humanidade. Se a rede deixar de existir, a humanidade continua igual. A mesma ignorância, os mesmos preconceitos, os mesmos crimes, as mesmas traições, as mesmas fraudes… Apenas, talvez, com um alcance menor. Mas as mesmas atitudes. Porque isto é reflexo do ser humano, e não da tecnologia.

  • Vanessa

    O tipo de pessoa que se dói com esse comentário do Ziraldo é o mesmo tipo das mulheres que se horrorizaram com aquelas declarações do Clodovil de que as mulheres "se tornaram vulgares e siliconadas". Eu não me senti ofendida, pois sei que a maioria delas se tornaram isso mesmo. Assim como concordo que a internet está cheia de lixo. Se fizer uma consulta aleatória em blogs, pouco mais 20 por cento das páginas tem algo que preste para dizer. Sem falar que muitas vezes os comentários dos posts não merecem ser lidos. E erros de português são comuns, mas acho que antes de colocar uma informação no ar para milhares de pessoas ler, você tem que ter um cuidado especial, até em respeito pelas pessoas que estão te lendo. É legal ter esse capricho.

  • Saulo

    "Você é o 1% do 1%"

    Considerando que existem <a>33.1 milhões de brasileiros conectados na internet, bom, vejamos… Divide, multiplica, noves fora dá: 3310.
    Não sei o que é pior, o resultado da conta ou o tempo que perdi calculando. :)

  • Po Cardoso, cada dia eu fico mais orgulhoso de voce, se eu fosse milionario, pagava pro seu post sair na pagina 3 do O GLOBO de domingo!!!

    Será que essa merda toda um dia tem jeito?

  • Luiz

    Desculpe-me a ignorância, mas o que seria uma "opinião polyanna"?

    • Hibernon Junior

      Polyana é uma personagem que sempre via o lado bom das coisas. Extrapolando, seria a opinião de quem acha q o mundo é perfeito e maravilhoso. Vive em um mundo “cor-de-rosa”, irreal, fantasioso.

  • porque todo texto "inteligente" tem que usar o termo panacéia!

    afinal o que é panacéia?!

  • Comentário curto, suscinto e servindo, na realidade, de veículo para a frase entre parênteses mais abaixo. Inclusão digital é, certamente, como a nova reforma da escola pública em Minas: não vai dar garantias de qualidade, só uma casca de boa ação em larga escala. Enquanto isso, os "orcuteiros" e pessoas com apelidos de Messenger maiores que 128 caracteres se multiplicam.

    (E agora, o que sempre quis dizer em público: Israel, você experimentou procurar no Google? Ou, sei lá, no *dicionário*?)

  • Pingback: 3 « My Weblog()

  • Pingback: Blog do Lucho()

  • Maia

    Adorei o texto menos a parte que vc fala do ténico. Não sei se foi sua intenção, mas fica um implícito que a culpa é dos pobres. ("Aquele bordão: maldita inclusão digital.") Eu discordo, para mim, os idiotas são bem distribuídos em todas as classes sociais.