Como fazer um criativo chorar

Há empresas que cobram e caro por estratégias onde prometem 10 mil visualizações em um vídeo no YouTube. Já vi campanhas com investimento alto, clientes satisfeitos e resultados efetivos que não chegaram nem perto disso. Veja por exemplo o 7Splashs, da Trident. O vídeo mais visualizado que achei no YouTube, no perfil oficial é este aqui com 3168 visualizações. E é uma campanha que eu assinaria.

Essa é a realidade. Uma ação criativa, falando para um público específico que tem o perfil exato do internauta. Funciona, mas não necessariamente viraliza. Ai vem essa menina e posta o vídeo abaixo:

Isso mesmo, 1,768,105 visualizações em um vídeo onde ela ensina a fazer cachos no cabelo, usando chapinha (acho).

Recapitulando: Mandam um cara pra viajar pelo mundo, e conseguem 3 mil. A menina penteia o cabelo, ganha 2 milhões.

Culpa da agência? De forma nenhuma. Agência que garante viralização é picareta. A curva de 3 mil visualizações do sungaboy é correta dentro da realidade não-viralizada. Peguemos um exemplo “de gente grande”, a sensacional campanha da BlendTec, Will it Blend? Onde o sujeito coloca coisas inusitadas num mega-hyper liquidificador. É a mais bem-sucedida campanha viral do YouTube, hoje os vídeos são feitos em auditórios enormes e fazem turnês.

O vídeo onde destroem um iPhone tem 7 milhões de visualizações. Em dois anos. O da garotinha acima, quase 2 milhões em um ano. Agora vejam a área de distribuição de acessos:

Will it Blend:
Japinha do Cabelo:

A distribuição do Will It Blend é muito mais global, dada a mensagem universal e independência do idioma. A japinha teve uma dificuldade muito maior, já que fala o tempo todo e suas instruções não são legendadas.

O que acontece no caso é bem simples, cai nos dois principais motivos para um vídeo fazer sucesso na Internet:

1 – Ser algo curioso, inusitado, RÁPIDO, que cause deslumbramento, um pouco de ultraje OU

2 – Ser algo que as pessoas procuram

U-AU!

É isso mesmo. Uma vez a Liliana me mostrou uma série de vídeos de uma inglesa que ensinava a… aplicar maquiagem. Eram milhões de visualizações, a mulher estava lançando até linha própria de produtos. Virais criativos são ótimos, eu adoro, mas algumas vezes temos que deixar de lado TODA a “criatividade” e apostar no genialmente óbvio.

Um fabricante de chapinhas de cabelo pode criar um vídeo viral cheio de efeitos especiais custaria uma fortuna e não conseguiria o público cativo que essa menina tem, e garanto que o orçamento de mídias sociais seria muito melhor aplicado se simplesmente contratasse a japinha para usar os produtos durante os vídeos, e fizesse uma menção ao nome.

É triste para alguém que vive de criatividade como eu admitir isso, mas ao mesmo tempo reconheço que tudo que li no único livro que todo publicitário precisa ler, A Ciência da Propaganda, de Claude Hopkins escrito em 1923 continua atual. E vale mais do que aquele seminário caríssimo que você foi onde um especialista descreveu o que você faz todo dia na agência.

Até porque as aventuras do SungaBoy são ótimas, mas milhares de adolescentes ficariam muito mais felizes se encontrassem um vídeo ensinando a tirar chiclete do cabelo.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Obrigada pela menção, querido!

    Beijos!

  • As pessoas querem se divertir e resolver seus problemas e um vídeo de sucesso assim tem esses dois fatores, não juntos é óbvio.

    O negócio do Trident era meio chato né? :)

  • Na verdade, o perfil do jovem de hoje é o de querer respostas prontas para coisas fúteis na vida. Um vídeo de um cara viajando pelo mundo não é interessante porque não faz parte da vida dele. Ele não se importa com o que ocorre lá fora,e sim com o que está próximo à ele, e geralmente o que está próximo tem que ser algo idiota, dado ao nível cultural à qual ele está inserido.

    Infelizmente essa é a realidade.

    • Forçou a barra um pouco.. acontece isso sim, porem justificar visualizações altas apenas com isso não deixa de ser um pouco de ignorância…

  • Realmente, as vezes as idéias mirabolantes contaminam nosso pensamento e acabamos por deixar o óbvio de lado.

    Como você é um cara letrado, creio que já tenha lido, mas para que não conhece vale a pena ler a história de "Adams Óbvio". Essencial para quem lida com propraganda ou depende de sua criatividade.

  • Cardoso,

    e a idéia da mocinha é ótima, usar um aparelho que aparentemente alisaria o cabelo (chapinha) para fazer justo o contrário! Sempre queremos o que não temos… principalmente quando adolescentes… é o que move o mundo!

    • Note que eu não entendo puerra nenhuma disso, nem sabia que o negócio era pra alisar.

      • Na verdade é um Curling Iron, próprio para fazer cachos.

        Porém, é possível fazer cachos com chapinha, que é um aparelho completamente diferente.

  • Verdade total e absoluta! O viral mais criativo que já vi é de uma rede de hotéis, a Extended Stay Hotels, vc já viu o vídeo? Acha fácil no You Tube com o título "A girl, her tongue and a hotel room" (não tem nada a ver com o que possa parecer e pode ser visualizado por menores). Trata-se de um divertido e esquisito jeito de comprovar que o hotel se preocupa com a limpeza das instalações. Mas daí olha o numerinho de acessos… Parecido com esse da Trident.

  • Leticia

    Não entendo chororongas de marquetíngue, mas creio que nesse caso (o sucesso) foi a simplicidade do vídeo da menina. É a necessidade imediata das pessoas comuns, e só.

  • É de se pensar sobre o assunto, geralmente os vídeos da Nike tem uma quantidade elevada de acessos e isso se deve à qualidade da equipe de publicidade, mas em contrapartida, o programa Orkut para todos não existe só no Brasil, logo tem salsas através do mundo todo que acham que a internet é ficar vendo vídeo de gente que você não conhece no Youtube. Embora seja promocional o vídeo do Trident tem um pouco de conteúdo intelectual e isso já basta para afastar/não atrair os ignorantes

  • Um video que também ganhou visualizações com uma idéia inusitada é aquele do cara dançando em diversas partes do mundo. Achei muito legal, mas nem ví se fazia parte de alguma campanha.

  • Não é à toa que os posts que têm como título "Como fazer…" ou algo do tipo tem uma audiência permanente vinda do Google. Muita gente está sempre buscando ajuda para algo. Ótimo exemplo para lembrarmos que o óbvio vende.

  • Thiago

    Realmente, gasta-se muito com cursos, palestras e livros que lhe ensinam a "tirar da cartola" a criatividade e, de repente, uma anônima cai nas graças do publico por fazer o óbvio…

    Isso também acontece no jornalismo e, por isso, o que vemos é o mais do mesmo, apenas. Porque o que antes era "especial" tornou-se comum, e o "comum" hoje é raridade… Falta buscar a inspiração no óbvio, porque é disso que as pessoas precisam e isso é o que buscam. Viva o simples e criativo!

  • Thiago

    Esqueci-me de fazer uma observação… Não sou publicitário, embora seja aluno de comunicação (jornalismo), mas tenho lido algumas coisas e indico o "Fazer acontecer.com.br" (é livro mesmo, não site!). O autor chama-se Julio Ribeiro.

    Um abraço e parabéns pelo blog. Conheci hoje e já estou "encantado".

  • Concordo com a Liliana e com a Leticia;só achei um pouco demorado demais,ou estou caduca;parece que minhas sobrinhas fazem esse negócio mais rápido.

  • Leticia

    Anunciação, suas sobrinhas são meninas espertíssimas. Vídeos assim (e posts "Como fazer") têm de ser didáááááticos…

  • A menina faz um bom trabalho, mas pra certos vídeos chega a dar tristeza a relação conteúdo vs. resultado.

    O "genial" (LOLOLOL) "Charlie bit my finger" é o que, o vídeo mais visto ou um dos mais, da história do site? 130,193,495 exibições. Vai entender, só sei que sinto desgosto ao assistir aquilo.

    E sim, concordo com seu ponto. Vale muito mais pagar para ter seu produto utilizado por gente como ela do que tentar inventar uma campanha cheia de animações, lasers e fumaça, que custará 30mi e retornará 10k.

  • Pingback: Entrelinks 16 | Entremundos()

  • Douglas

    Até pq tirar chicletes do cabelo é fácil usando refrigerante :)

    é só molhar o local com coca cola que o chicletes sai inteirinho.

  • Quando um vídeo é de alguma marca é óbvio que só irei assistir se já tiver algum interesse no produto. Do contrário não vou perder tempo para ver comercial. Embora tenha desperdiçado tempo neste comentário dispensável!

  • Clara de ovo!

    Clara de ovo tira chiclete do cabelo.

    :)

    • Prefiro ficar com o chiclete!

  • Pingback: pligg.com()