Palco HSBC: Feliz Natal pra Todos (Yes, vindo de mim!)

A campanha Palco HSBC foi baseada no conceito de dar voz a pessoas nas ruas, para que elas mostrassem suas opiniões sobre temas atuais (detesto o termo "polêmico"). A idéia me inspirou, pois estimula conversações, a base dos blogs. Por isso aproveitei e preparei o Texto Especial de Festas abaixo. É minha visão de Natal. Surpreendente até para mim, que não havia pensado nela a fundo.

Como sempre, comentários são bem-vindos.

 

o vídeo de Natal do HSBC é bem cuti-cuti, mas não necessariamente reflete a minha visão

Natal é uma época do ano em que as pessoas boas ficam chatas e as pessoas chatas ficam mais chatas ainda. Natal é uma época do ano em que todos os cruzados anti-hipocrisia saem da toca e vão atacar gente que foi hipócrita como eles durante todo o ano. Natal é uma época do ano em que todo mundo que leu Dan Brown repete de forma papagaienta que Jesus não nasceu 25/12, que as festas cristãs são chupadas de festas romanas, simbologia, bla bla bla.

Mesmo assim eu gosto de Natal. Talvez por não ser cristão eu goste mais ainda, e explico:

Natal é Star Trek da Humanidade.

Toda a mitologia natalina pop é muito pouco religiosa. Ela se concentra em pessoas imperfeitas tentando fazer a coisa certa. Eu nunca li o Natal como um monte de pessoas dizendo que são boas, minha visão é que no Natal as pessoas agem como gostariam de agir o resto do ano.

É a visão idealizada de futuro de Star Trek. Qualquer um que assiste a série sabe que o futuro não será daquele jeito. Não nos tornaremos magicamente irmãos de todos os povos, não acabaremos com guerra, fome, inveja ou com o dinheiro (pode sossegar, patrocinador ☺). Não acabaremos com a ambição. Ainda bem, não saímos das cavernas por causa de nosso espírito solidário e desprendido.

Mesmo assim eu adoro Star Trek. É bom para a alma ver um futuro repleto de humanos nobres a tal ponto. Seria maravilhoso se chegássemos a tal ponto.
Nos filmes sempre há um milagre de Natal. Eu só conheço um: A inspiração da época que torna as pessoas propensas a gestos e desprendimento fora de seu normal.

 

Como o clássico caso do Coronel Harry Shoup. Em 1955, auge da Guerra Fria, ele era comandante do NORAD, aquele centro de defesa aeroespacial da América do Norte (Canadá também faz parte) que todo mundo viu em Wargames.

sears Era época de Natal, todo mundo mais relaxado. Toca o telefone. “O” telefone, a linha direta que somente o Presidente e o Secretário de Defesa tinham. O Coronel Shoup atende. Do outro lado uma garotinha querendo falar com… Papai Noel. Depois de alguma pesquisa, descobriram que um anúncio da Sears saiu com número errado, e ao invés de apontar para a central criada para promover a loja, o “número do Papai Noel” apontava para a linha secreta do NORAD.

Tocado pelo espírito natalino, o Coronel Shoup colocou gente para ficar atendendo o telefone e falar com as crianças, que começaram a espalhar para os amigos. No ano seguinte as crianças voltaram a ligar, e já virou tradição. Hoje mais de 300 voluntários se revezam atendendo.

Daí surgiu outra tradição: Todo ano, na madrugada de 24 de Dezembro um alerta soa no NORAD, indicando um objeto em trajetória balística vindo em direção a América do Norte. O Comandante é avisado. Ele informa que é Papai Noel, e ordena darem livre passagem. A ocorrência é marcada nos livros de registro. Também são enviados caças para escoltar o trenó.

NORAD_Tracks_Santa_ops_center_large

O NORAD tem um site feito por militares voluntários, o http://www.noradsanta.org, que acompanha Papai Noel, além do telefone, o 1-877-HI-NORAD.

Se uma estrutura criada com o único propósito de garantir a MAD – sigla em inglês de Destruição Mútua Assegurada consegue parar por alguns minutos e se mobilizar para tornar a noite de algumas crianças mais mágica, tudo pode acontecer. E sim, É um milagre de Natal.

Por isso vejo o Natal como muito mais do que uma festa religiosa. Aliás o componente religioso do Natal vem se tornando cada vez mais irrelevante. A figura do Papai Noel tem ocupado o espaço como ícone da festa, e muito bem. Sua mensagem é simples: “seja um bom menino”. Sua punição é com ausência. “não ganha presente”. Pronto. Nada de ameaças, castigos eternos, etc.

Às crianças ruins, a pior de todas as punições: Pararem de acreditar em Papai Noel. Perderem a magia. Descobrirem que há um homem atrás da cortina. Crescerem como adultos chatos que denunciam o comercialismo do Natal mas não vão para a igreja porque afinal de contas “não são burros”.

Adultos que denunciam o comercialismo mas esquecem que presentar quem se gosta É uma coisa legal. Quem não reconhece o brilho no olho de uma criança quando ganha um brinquedo já é velho e inútil demais para se lembrar da sensação de ganhar um brinquedo.

Por isso fico com a alegria das crianças e o Espírito de Natal. Acredito que a maioria das pessoas NÃO se auto-iluda, e que mudem seu comportamento durante as Festas de Natal como uma forma de demonstrar não o que são (o que seria hipocrisia) mas em um legítimo esforço de mostrar como GOSTARIAM de ser.

A essas eu desejo Feliz Natal.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Todo valor é válido, o que vale é a intenção e o seu cartão de crédito passar. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Eu não costumo vir aqui comentar, mas de longe esse foi seu melhor post. Te humanizou, pra quem achava que o cardoso era um poço de maldade crueldades e blocks no twitter, há algo mais.

    Feliz natal

    • Concordo em teor, gênero e grau com seu comentário.

      Cardoso tem outro Cardoso por dentro.

    • O Cardoso escreveu um pouco sobre sentimentos. Gostei desta postagem e também achei uma das melhores!

  • Cardoso, que sacrilégio! Comparar o Natal com Star Trek! Aposto que ao escrever isto você já devia estar tomando todas. :)

    E não precisa ler Dan Brown para saber a farsa que representa o Natal. Toda e qualquer tipo de religião é uma farsa.

    É por isso que eu não desejo Feliz Natal para ninguém!

    • O mesmo para você.

    • Eu não acho que Cristo nasceu em 25 de dezembro, mas essa data parece mágica para os povos brancos ocidentais. Talvez por ser o solstício de inverno no norte, e de verão no sul.

      Na noite de 24 de dezembro de 1914, na Primeira Guerra Mundial, na terrível guerra de trincheiras em território francês, um batalhão alemão e dois batalhões, um francês e outro escocês, confraternizaram por 24 horas.

      Também ocorreu em outras frentes, entre alemães e italianos.

      Quando isso foi sabido pelos altos comandos dos respectivos países, todos foram punidos.

      Fascinante, não?

  • Cinthya

    Otimo texto. Feliz Natal!!!

  • DP

    Retweet, share no reader, mandar por e-mail, quero que todos leião. Simplesmente perfeito. Parabéns Cardoso e um Feliz Natal!

  • 1209

    Não acredito no Papai Noel, religião e muito menos no Natal e ainda sou feliz. :D

    Feliz "um dia como qualquer outro pra você também", sujeito!

  • Marcelo Iha

    Olhos brilhando, sorriso amarelo …

    Pronto, alta probabilidade de virar spam natalino!

    Imortalidade assegurada!

    Feliz Natal, Cardoso!

  • JotaP

    Parabéns pelo texto. E para quem diz que vc não tem coração. Podemos dizer é um tapinha com luva de pelica. Criticar é facil. O dificil é ter personalidade e escrever o que sente. Todos nos temos nossos personagens. Existe o personagem CARDOSO. No entanto, também existe o ser humano Cardoso o que hj assina este post. Bom Dia. Amanha é mais um dia no Livro da Vida. O importante é viver… Shalom!!

  • Realmente, um milagre de Natal. Gostei muito desse post, Cardoso! Não conhecia essa história do NORAD e digo: ela valeu meu Natal!

  • Acho que nunca acreditei em Papai Noel. Meus pais em nenhum momento fizeram questão de incentivar isso (se tivesse terminado o ano com boas notas, meu pai me levava pra escolher meu presente, e eu já fiquei sem presente, maldita matemática…). Nem reclamo, não sou traumatizado ou revoltado por isso e nem deixei de gostar do Natal por isso. Gosto da família reunída (sim, brigamos muito durante o ano, e também temos bons momentos, celebramos esses bons momentos, as brigas ficam pra trás), gosto da comida, gosto dos presentes. Também fico irritado demais com os reclamões da hipocrisia e do capitalismo. Somos capitalistas o ano inteiro! E, quem não gosta de dar e receber presentes? São momentos únicos. Vejo meus sobrinhos abrirem seus presentes, a alegria que eles tem com isso, nada é melhor que esse espírito.

    Nada mais, bom texto Cardoso. Mas temo que, como alguém disse ai em cima, ano que vem o seu post esteja caindo nos e-mails de todos como sendo de autoria de Bill Gates ou qualquer outro nerd famoso por aí, ou quem sabe até do Jabor.

  • Perfeito! Eu sempre soube que havia um coração por trás desses textos! A unica coisa que eu acho é que as pessoas deveriam procurar ser aquilo que elas gostariam de ser todos os dias. Eu, pelo menos, gostaria de tentar ser mais aquilo que eu gostaria de ser todos os dias.

  • Cara, eu gosto bastante do Natal!

    Acho mais hipócrita esse tipo de reclamação… Há algo no ar inexplicável nessa época. Não sou daqueles que abraça todo mundo por onde passa só pq é natal, mas sinto uma energia boa e diferente e aproveito cada momento…

    Ah, eu mesmo não dou valou a minha família, mais pelo trabalho e pelo dia-a-dia, o Natal é quase uma agenda que nos faz lembrar de algumas pessoas distantes, sejam amigos ou familia.

  • um post do Cardoso com a expressão "cuti-cuti"? Tive que ler de cabo a rabo, craro. Não sou cristã e adoro Natal, e afinal muitas festas têm suas origens ligadas a alguma tipo de crença ou religião, então acho uma bobagem limitar essas coisas. Natal é aquela coisinha A Kind Of Magic, que faz a gente dar bom-dia às pessoas na calçada, pagando de maluco-filiz. eu gostcho muitcho e pronto-cabou-se. Feliz Natal! Hohoho!

  • Aloha Chefe!

    Gandhi falou algo parecido entre ricos e pobres,

    e aqui é bom lembrar, que valha pena aos bons serem felizes.

    Aos outros… oblívio.

    Vale lembrar que muitos não lêem (pré-reforma gramatical) Star trek da mesma forma.

    Esquecem que um mundo melhor dependede pessoas melhores.

    Há umacampanha "por um mundo melhor" e é um dos slogans da campanha:

    "Se não puder fazer tudo, faça tudo o que puder."

    Lembrar que somos imperfeitos, que "everybody lies", e, ainda assim, podemos, e devemos, almejar um mundo melhor, é bom.

    Grande abraço e

    Aloha!

    p.s. Once and again, aguardando contato. ETA?

  • Sorry… Santa Claus does not exists!

  • Cardoso, vc é uma caixinha de surpresa. Esse foi com absoluta certeza o melhor texto do contraditorium.

    Um Feliz Ano Novo!

    Elaine

  • Alfredo

    Ok, cadê a câmera?

  • Wallacy

    Realmente quem perde tempo criticando o Natal é porque já é ranzinza demais para perceber que independente da origem da data ela não prejudica ninguém.

    Eu já ganhei carvão no Natal por brigar com meu pai, foi interessante… Por um tempo morri de medo de cometer o mesmo erro, não era do tipo de medo de ir para o Inferno ou qualquer coisa maluca do gênero, eu só queria que o Papai Noel me desse aquele carrinho especial para eu brincar com meus amigos.

    Medo de não ganhar algo por não fazer por merecer é uma lição interessante para se levar para o resto da vida, nada que você não aprenda mais tarde. Fora receber um pedaço de carvão de velhinho gordinho simpático nunca vira um trauma de vida de alguem, e dependendo do caso vira até motivo de orgulho como foi meu caso.

    Isso é bem difícil de se conseguir com qualquer um desses métodos modernos de ensino anti-fantasia.

  • Recebi um e-mail de uma pessoa que nunca fala comigo, mas que nos conhecemos a anos. Escreveu o mesmo com se tivesse muita intimidade, ali eu descobri a falsidade que estas datas trazem as pessoas. O espírito de natal é muito bom, para quem continua sendo a mesma pessoa de sempre, e para as crianças, que adoram estas datas. É uma data que muitos são tocados a ajudar os nescessitados.

    Por isso, também gosto do Natal.

  • Estou classificada em: …"e as pessoas chatas ficam mais chatas ainda"…

    Não digo, feliz aniversário, feliz natal ou feliz qualquer negócio em se tratando de datas comemorativas pré-determinadas.

    Odeio seguir ondas, procuro nadar contra a corrente.

    Só para constar. Sou muito chata e as vezes venho por aqui, apenas porque o Contraditorium é contraditório.

  • Eu sei que é chato todo esse bla´-blá-blá…mas, preciso dizer que é a primeira vez que vejo o seu blog (sim… vc caiu numa lista de pesquisa no google e por probabilidade ou pelo nome chamativo cliquei) e eu gostei…

    Se puder, me explica o STAR TREK.. é uma serie?? se puderes fazer uma sintese fico agradecida…

    quanto ao natal… acostume-se (acho que ja fez isso)… é tudo uma questão de mascaras, parece até irremediável… mas ficou um texto muitoo Bom…

    ate

    • Sete anos depois, certamente você já deve saber que Stra Trek é o infame “Jornada nas Estrelas”, aonda, RESUMINDO PRA CARALHO, uma nave espacial em um futuro utópico explora o espaço.

  • Grampo

    Não acredito em nada relativo a natal e outras festas, mas respeito todos os que acreditam e dispensam seu melhor nesses eventos.

    Não acredito em nenhuma verdade que eu não tenha testado, em nada pelo qual eu não tenha pasasado, mas respeito quem acredita e se torna mais leve c om essas coisas.

    Não acredito na própria história do mundo, porque ela é um cruzamento de visões, muitas antagônicas, no entanto respeito quem deseja acreditar que os americanos, por exemplo, apenas exemplo, desejam o melhor para o Afeganistão.

    Não sou cético. Apenas lutei contra a ditadura, lutei na Bósnia e concluí que o ser humano, pela sua natureza, é inviável. Aí talvez você deva respeitar aquilo no qual eu acredito, afinal perdi um irmã e um irmão para os caras que hoje morrem de medo de serem investigados. Omundo é como é. E a bondade e a solidariedade , tudo isso divide espaço com o imprestávelVivemos em uma 25 de março internal e boa, tudo ao mesmo tempo. Desejo pra você e todos que 2010 seja o ano bom. De coisas boas. de Revelações.

  • Parabéns à todos.

  • Sério, melhor texto de natal de todos os tempos.

    Concordo em gênero, número e grau. E fiquei emocionadíssima com a história do Coronel, especialmente a parte do 'objeto em trajetória balística' que era permitido passar.

  • Adorei essa postagem