Sobre Viagens e Descobertas – Uma História Pessoal

Como diz meu baiano favorito, senta que lá vem história.

Muito tempo atrás, muito mesmo eu namorava uma guria chata. Muito chata. A ponto de não me deixar beber em um passeio de saveiro na Bahia, a criatura morria de medo e queria que eu estivesse sóbrio se o barco afundasse. Sim, passei a viagem inteira pensando em meios adoráveis de afogá-la e fazer parecer um acidente, em caso de acidente. 

Mesmo assim foi com essa criatura que eu passei um dos melhores feriados de minha vida.

Tudo começou quando eu trabalhava em um sindicato da CUT (Ei, o dinheiro vermelho é verde como qualquer outro) e eles tinham que fechar uma revista de qualquer jeito. Eu era o corno que mexia com Pagemaker, e depois de me subornarem e ameaçarem (não necessariamente nessa ordem) eu topei. Passei o Carnaval inteiro sentado do lado de uma programadora visual/diagramadora/governanta nazista que é uma das profissionais mais fodásticas com que já trabalhei. Foram 5 ou 6 dias de jornadas de mais de 12h, com hora-extra de feriado mais bônus. Ganhei uns 2 salários extras na brincadeira.

A revista ficou pronta mas os comunistas mudaram os textos e no final não adiantou nada, mas fizemos nossa parte, nos pagaram e logo depois veio o feriado de Semana Santa. Eu estava com o rabo cheio de dinheiro, com uma namorada contrariada.

Quinta de noite decidimos fazer “alguma coisa”, e sem planejamento nenhum pegamos um táxi pra Rodoviária Novo Rio. Lá começamos a olhar os guichês de passagens e consultar o Guia Abril. Sim, crianças, isso foi antes da Internet.

Nós víamos as cidades que tinham saídas próximas, os hotéis e íamos escolhendo. Embarcamos rumo a Minas sem ter NENHUMA confirmação de hotel ou reserva, mas valia a aventura. Sim, éramos jovens e burros. Bons tempos, hoje não sou mais jovem.

Chegávamos nas cidades, olhávamos em volta, consultávamos sem pânico o Guia e escolhíamos outros destinos. Nessa brincadeira chegamos alta madrugada em Patos de Minas,  que eu nem sabia que existia. Na rodoviária um solitário táxi com um velhinho dormindo nos levou para o hotel. Trancado e apagado mas após batermos na porta um atendente sonolento acendeu as luzes e nos alugou/arrendou/vendeu conseguiu uma suíte.

No dia seguinte tive o melhor café da manhã de hotel de minha vida, até aquela ostentação do Porto Cai na Rede. Sem-querer fomos parar no melhor hotel da cidade, com piscina na cobertura, vazio. De Patos fomos para Ouro Preto, e no Museu Ferroviário descobrimos um trem para Tiradentes.

De novo sem reservas chegamos em Tiradentes e cavamos uma pousada. De noite vagando pela cidade comi a melhor comida mineira de minha vida em um restaurante que era basicamente a casa de alguém, com uma coroa que fazia a comida e um preto velho (pode falar preto velho? Foda-se, mineiros entenderão) que fazia as vezes de garçom. O “restaurante” tinha duas mesas. a terceira cerveja o garçom saiu pra comprar em uma birosca próxima.

Eu sinto falta desse tipo de aventura. Tenho um passeio planejado para atravessar o Amazonas de barco, mas me falta propósito. Me vi planejando pegar as cabines de primeira classe, o trem Minas-Nordeste com cabine exclusiva e poxa, isso não é aventura.

Você pode jogar dinheiro fora em um monte de coisas, mas não em viagens. Explorar está em nosso DNA, nós nascemos para conhecer novos mundos, novas civilizações. Não é preciso montar uma expedição transatlântica pra isso. É só não se acomodar e uma simples viagem pro outro lado do seu Estado já abre seus horizontes.

Eu pretendo voltar a fazer isso, e se já foi legal com a Ex Chata de Satã, imagine sozinho!


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Minhas férias no final do ano passado foram quase nesse estilo: reservamos uma pousada em um local isolado de Campos do Jordão e durante cinco maravilhosos dias ficamos viajando de carro e só voltando para a base (a pousada) para dormir e descansar para o próximo dia.

    No último dia de viagem resolvemos visitar cidades mais próximas até que eu soltei: “ei! Vamos comprar queijo em Minas Gerais???” – e rumamos sem destino certo por rodovias e estradas vicinais.

    Parávamos de vez em quando para jogar alguma palavra no GPS para encontrar cachoeiras e coisas do tipo.

    Passamos 5 dias rodando a esmo – quase 1000km rodados – e tenho certeza de que essa foi uma das melhores viagens que fiz até hoje!

    E que venham mais destinos incertos!!

  • Sim, crianças, isso foi antes da Internet.

    Incrível!
    E você não tinha medo dos dinossauros?

    • Não, porque as bactérias ainda não tinham evoluído até isso

    • Anayran Pinheiro

      Como faz pra colocar essa barra cinza ao lado da frase?

      • texto aqui

        Sem espaços.

        • Anayran Pinheiro

          Valeu!!!

  • Othermind

    Em tiradentes deve ter deixado a carteira hein… Fui pra la esses tempos atras mas fiquei na cidade vizinha de São João del Rei.. pq os preços de tiradentes eram impraticaveis…

  • Eric

    É que isso que (não?) busco quando pego a moto e saio por alguma estrada sem planos. Já me meti em viagens de milhares de km planejadas e tudo, mas que no fim sempre fica melhor por conta do imponderável. Mas acordar num sábado de manhã e decidir pegar a estrada sem um destino definido pode proporcionar as melhores experiências da vida de alguém. Ainda mais se não houver uma mulher chata para lhe perturbar, como eu também tinha.

  • Cardoso, primeira vez que comento em um texto seu porque é um assunto que domino (explorar o mundo sem qualquer tipo de suporte e/ou planejamento, seja a pé, de bike ou de carro). Pra você voltar a se aventurar, basta querer. Não tem nada que te impeça. Simplesmente, não planeje, não olhe no Google, só vá. :-)

  • Júnior Rodrigues

    “Não é preciso montar uma expedição transatlântica pra isso. É só não se acomodar e uma simples viagem pro outro lado do seu Estado já abre seus horizontes.”
    Isso me lembrou uma aventura que tive com minha esposa, filha (1 ano e meio, agora ela tem quase 3), sobrinha e cunhada. E nem foi fora do estado, foi em SP capital mesmo. Um dia antes estava voltando da casa do meu tio, que mora no extremo sul da Z/S quase divisa com a serra do Mar (Marsilac) é minha cunhada disse que conhecia um atalho, sabia que ia dar merda mas fui só pela diversão. Nos perdemos, acabamos no meio do mato próximo a barro e divisa com lama, encontramos uma placa que dizia ser reserva protegida do exército, então encontramos um capiau que ensinou o caminho de volta e caipiramente convidou para visitar a casa dele. No outro dia botei a galera no carro e voltamos lá. Tudo muito simples, com pessoas mais simples e simpáticas ainda e de quebra depois de uma trilha, atravessar um riacho, andar com uma bebê na beira de uma ribanceira curti a tarde numa das cachoeiras mais lindas que já vi. E de novo, dentro da cidade de São Paulo a 60 Km da Sé.

  • Rafael Rodrigues

    Eu já fui em diversos lugares por aí pelo mundo e posso afirmar: O melhor lugar do PLANETA para se alimentar é o interior de Minas Gerais.
    Nada é light, tudo é deliciosamente engordativo e fornecido em quantidades industriais. Comida raiz mesmo.

    E sim, o interior de MG é gastronomicamente melhor que a Itália.

    • Humberto Jorge

      Agreed. Uma vez eu parei em Montes Claros e comi o melhor feijão da minha vida ever. Até o quiabo era gostoso, bicho.

    • Tem de tomar um café da manhã com pão de queijo qualquer dia desses.

  • Carlos Ferreira

    Bem que queria viajar na louca’ assim. Mas meu orçamento só da pra uns 20km de raio de alcance e 1 dia de estadia.

  • Don Scopel

    Minha lua de mel foi uma viagem de 3 semanas de Sampa até Fortaleza passando por RJ, MG, BA e PE, foi a melhor viagem da minha vida (até agora)

  • Allan.’.

    Cara que história bacana, parabéns! Minha mãe mora no sul de Minas, sempre vou pra lá, mas nunca subi mais do que isso.

  • bwoooruuuummmm™

    Cara, um texto tão simples, mas de alguma forma me “emocionou” bastante, conseguiu despertar na hora a vontade de jogar umas roupas na bolsa e sair.

  • Comida mineira ==> melhor comida

  • Fracasso Lucas

    Esse post está uma bosta! E ainda vc quer doação pra manter isso?
    Porra cara… Eu sei que vc pode fazer melhor

  • Isso (sair a esmo por aí) é algo que eu gostaria de fazer pelo menos uma vez na vida, mas sempre bate o cagaço de que vai dar tudo errado.

  • Martin Juan

    Cardoso; como sem dúvida você já sabe, por anteriores papos em lista de discussão; eu dei a volta ao mundo duas vezes, com apenas uma sacolinha de mão.
    Em janeiro deste ano, liguei para minha mãe em Uruguai e disse:
    “Me aguarde, vou em ônibus até a fronteira e dai pego outro até a capital. Vou demorar um dia.”
    Ela disse:
    “Venha em avião, é apenas uma hora. Em ônibus você vai se cansar”.
    Eu respondi:
    “Só o fato de SABER que vou viajar, já é um descanso.”
    Resultado: Fiquei 47 dias por lá.
    Gostei muito deste post. Me identifico.
    Viaje, Cardoso. Viaje bastante.
    Viajar é preciso.
    V.L. & P.

  • Craudin

    Se ouder, leia esse blog: divademochila.com.br
    São amigos meus e fizeram o Amazonas de barco.

  • Manoel Guimaraes

    Patos antes de Tiradentes!? V. gosta de ônibus, ou não tinha espaço para desdobrar o mapa do Guia4Rodas? (não chamava “Guia Abril”; será que a minha memória está pior do que a sua?)

  • Arthur Santos

    “Sim, éramos jovens e burros. Bons tempos, hoje não sou mais jovem.”

    Apenas deixar de ser jovem é o que há de melhor nessa vida.