O Telefone sem fio do NãoSalvo e o Supernatural da Globo

Os haters adoram dizer que Supernatural deveria ter terminado na 5a temporada, que já era fraca, mas quem liga pra eles? A série já está na 576ª temporada, com mais 375 renovadas. Os Irmãos Winchester continuam salvando o mundo e fazendo merda, necessariamente nessa ordem. Os fãs conhecem todos os truques, todos os clichês e nem ligam que Deus se chama Chuck. Supernatural é tão popular que consegue manter um ecossistema de livros sobre a série, em português!

Agora surgiu uma notícia bizarra, de que a Globo vai lançar uma última temporada de Carga Pesada, “aos moldes de Supernatural“. Os sites de séries ficaram doidos, eu fiquei apavorado imaginando uma versão sertaneja de Carry On My Wayward Son, mas não é assim que a banda da Globo toca. Emissoras de TV odeiam adaptar trabalho alheio, fora coisas da Endemol. E quando o fazem, o resultado é muito ruim e a origem é oculta.

Na mídia onde nada se perde nada se cria tudo se copia, acusações de falta de originalidade são temidas. Que o diga a Band e sua famigerada versão do Married With Children. Então, como a Globo está fazendo seu Supernatural?

Simples, não está. A notícia original, publicada por Flávio Ricco no UOL tem a chamada “Globo estuda volta da série “Carga Pesada” com pegada sobrenatural“. Em seguida o corno do Cid, que não é exatamente o Washington Post, fez um post “Globo quer adaptar Supernatural com Pedro e Bino em nova temporada do Carga Pesada” De onde ele tirou isso?

Ou seja: A Globo NÃO quer adaptar Supernatural, e sim fazer uma temporada de Carga Pesada com temas sobrenaturais, the end. Só que… ela deveria.

Quando saí do cinema depois de assistir a imensa e deliciosa farofa que foi Independence Day, comentei que deveria ter aparecido uma cena no Brasil. No bar com os amigos imaginamos como seria a versão brasileira, e em nossa defesa ficou melhor do que os Mutantes da Record.

Nós temos carência de séries de ação, não temos cultura desse tipo de roteiro, a melhor forma de fazer esse segmento pegar no tranco é pegar franquias pré-existentes. e adestrar púbico e profissionais. Supernatural, com sua mitologia de Caçadores espalhados pelo mundo é perfeita pra isso. Nosso folclore é rico e vasto, temos toneladas de histórias regionais e cenários fantásticos. Supernatural mostrou que é perfeitamente possível trabalhar casos pequenos, sem salvar o mundo toda semana. Lobisomens, fantasmas, temos tudo isso aqui, e bem feito até um saci é assustador.

Uma vez muito tempo atrás eu escrevi um tratamento para uma série brasileira passada no Universo de Jornada nas Estrelas, está perdida em alguma tabuleta de argila que eu usava pra armazenar dados, mas podemos ser modestos.

Na deliciosa farsa que foi a fase de Keith Geffen, a Liga da Justiça Internacional tinha embaixadas em vários países do mundo, inclusive uma no Brasil. Que era controlada por um picareta cheio de esquemas. Pegue alguns heróis de 5º escalão, crie ou adapte alguns locais e pronto, você tem uma seriado de comédia ótimo.

Não precisa ir muito longe: Uma versão local de Once Upon a Time. Claro, a militância não ia deixar, Monteiro Lobato agora é um monstro racista, eu esqueci. Mas se fossem ignoradas, teríamos um imenso conjunto de histórias para contar. Imagine uma turma da Mônica, no ambiente de Storybrooke.

Não é uma imagem gratuita, é a bundinha da Cameron, isso vale ouro.

The Americans é excelente, mas você sabia que durante a 2a Guerra o Brasil foi um celeiro de espiões alemães, com constantes ações de contra-espionagem, perseguições e tudo mais que se vê nos filmes? Imagine um seriado mostrando isso a fundo, ao invés dos patéticos filmes do Silvio Bach ridicularizando os Pracinhas.

Falling Skies foi uma série muito boa (no começo, depois ficou uma merda) sobre um grupo de sobreviventes em meio a uma invasão alienígena em escala mundial. Pense na quantidade de histórias paralelas que poderíamos contar sobre o grupo brasileiro.

E tem…

Imagine uma franquia nacional de Walking Dead, aproveitando a mitologia da série. E como é Walking Dead nem dinheiro com maquiagem de zumbi precisariam gastar.

Nós fomos criados com séries, mas quase não as produzimos. No Brasil a gente se restringe a sitcom de teatro e seriado de denúncia social. Temos que quebrar esse ciclo, uma forma ótima é fazer o que já fazemos com outros programas: Importar os modelos, adaptá-los e aprender com eles.

E sim, tal qual em Battlestar Galactica, já aconteceu antes e pode acontecer de novo. A mais brasileira das mídias, a telenovela foi toda importada. A Moça Que Veio de Longe, adaptado de original Argentino. O Direito de Nascer? Cubano. Até 1967 a maga da telenovela brasileira era a cubana Glória Magadan, ela escrevia sucesso atrás de sucesso, aí em 1968 ela ganhou uma assistente… Janete Clair. O resto é História.

O futuro da TV brasileira não está nem no protecionismo da ANCINE (que os demônios do inferno te carreguem, órgão maldito) nem no modelo preguiçoso de putinha da ENDEMOL, onde escolhemos em catálogo qual programa copiar e ficamos nisso.

Como em todas as coisas na vida, o segredo está no equilíbrio. E convenhamos, uma série passada no Brasil no universo ficcional de Buffy com a Mariana Ximenes seria massa. Eu escreveria.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Ah sim, se você tiver Bitcoins sobrando, também estou aceitando!

 

Leia Também:

  • E eu assistiria… ;)

  • Deathgasm

    Imagina adaptar a Grande Família para os moldes de How I Met Your Mother, ia ser do caralho o Lineu contando pro Tuco, Agostinho e Bebel sentados no sofá, como conheceu a Nene. HUAUHAUHAHUAUH ele saindo pras festas com seus melhores amigos Beiçola (adaptando Barney) e Mendonça (adaptando o Marshal)

    • Wendell Oliveira

      SENSACIONAL! hahaha

    • NestorBendo

      Então o Beiçola teria se casado com a Nenê? E o Mendonça não deveria ter uma Lily para chamar de sua?

      • Se reeditarem o Sai de Baixo, vai dar processo em cima de processo.

  • A Patrulha Salvadora que passou no SBT é nosso Power Rangers.

    O seriado Rei Davi da Record é o nosso Game of Thrones.

    • Juh

      Sendo assim, Cidade Alerta é o nosso CSI (ou não)

      • Aí ja é forçar a barra.

        • Juh

          Tem razão

    • Emílio B. Pedrollo

      Coma diferença que a mitologia de Game of Thrones é muito melhor, consistente e rica que a mitologia de Rei Davi

  • Julio Cesar Ferranti

    Me lembrou da excelente recepção de 3%.
    Nós merecemos novelas e Reality Shows!

    • Humberto Jorge

      Mas 3% é um lixo cara. Aquilo é indefensável, assim como SuperMax. Falta expertise nas séries que tentam ser americanizada.

      • Doomed

        Mas aí que tá: a proposta do Cardoso é… criar expertise.

      • 3% também conhecido como Entrevista de Emprego From Hell

      • Julio Cesar Ferranti

        Vi tantos comentários positivos quanto negativos. Sendo que os negativos tomaram os primeiros momentos e os positivos veiram dias após a série estreiar.
        Muito semelhante a filmes que “são ruins” antes de estreias.
        Pessoalmente não assisti a série, Apenas me lembrei dela durante a leitura do texto!

        • A série tem atuações bem ruins, péssimas eu diria. O roteiro fica minimamente decente a partir do 4º episódio somente. Talvez a segunda temporada melhore.

          Realmente, as produções nacionais da TV Globo são bem melhores. Bem melhores mesmo.

          • Vila Jr

            As atuações são lastimáveis. Não há um que se salve. Além disso as falas são ruins e a direção não ajuda. É uma série que, infelizmente, não faz jus ao roteiro interessante

      • Emílio B. Pedrollo

        Assisti tanto 3% (via Netflix) quanto SuperMax (via locadora do Paulo Coelho) e não me arrependo (muito), mesmo com o final bosta de ambos. São com certeza inferiores a quase qualquer produção americana, mas ainda assim é a melhor coisa que o Brasil tem a oferecer.

        • Roberto

          o pessoal quer construir ferrari sem saber construir fiat uno..

      • Daniel

        Eu estava esperando muito 3%, depois os comentários negativos jogaram um balde de água “gelada” tão grande que até desisti de assitir.

  • rodmalkav

    As series da Globo tem ido numa direção bem diferente (e boas em geral) ultimamente. Mas realmente sinto falta de conteúdo nacional mais fantástico…

    Podia rolar um revival de Vamp, Beijo do Vampiro e afins, que acho que foram as temáticas sobrenaturais que mais pegaram por aqui…

    E vamos trabalhar nesse casting ai da Buffy versão brasileira (álamo) pra poder escolher uma Willow de respeito!

  • Carcarah

    Não posso falar sobre o que não vi, então falar sobre séries brasileiras em tese é uma tarefa árdua, pois exige bastante benevolência. As séries que foram sucesso por aqui foram raras e boa parte delas teve uma estética de novela da globo.
    Infelizmente a maior parte da teledramaturgia brasileira ainda tem aquele chavão de Uma idéia na cabeça é um câmera na mão​. Muitos ainda pensam que muita tecnologia torna a arte artificial, desumana e outras tolices medievais.
    Sua idéia é boa, e até economicamente viável, mas a vibe do meio artístico é outra.

  • Reinaldo Matos

    Confesso que estou lutando para acabar com alguns preconceitos em relação a produções brasileiras, mas confesso que é está sendo um pouco difícil… Afinal, depois de anos e anos de pornochanchadas, e novelas que dizem querer “Prestar um Serviço pra Sociedade”, sem o menor conhecimento de causa, fica complicado…

    Condições para produzir coisa boa, nós temos…

    A Grande Familia, e aquele Entre Tapas e Beijos, eu gostava bastante de assistir. Tá certo que não é necessariamente um seriado, mas daría para fazer muito bem…

    Quando o Cardoso mencionou Monteiro Lobato, imediatamente imaginei algum tipo de seriado no estilos destes últimos filmes Fairy Tales com pegada mais Dark, tipo “Hansel and Gretel: Witch Hunters”, “Alice in Wonderland de Tim Burton”… Acho que ficaria muito bom…

  • Humberto Jorge

    Melhor série será Parks and Recreation cuja a série americana mostra funcionários públicos fazendo nada. A versão daqui se chamará TV Câmara.

    Não, pera…

    • O que você quer se chama Os Aspones e é genial, coisa do Alexandre Machado.

      • Mario Neis

        Os Aspones era deliciosamente genial!

  • Alex

    Quero uma Community br pra já ambientada numa uniesquina qualquer

  • Já pensou numa série de ficção cientifica baseada na Operação Prato? Quando eu era moleque eu morria de medo dessa história. Daria pra fazer algo muito legal.

    • Islan Oliveira

      Putz, tá com 3 anos que eu não via ninguém mencionar a Operação Prato, confesso que nem me lembrava mais.

      • Willphill

        O Philipe do Mundo Gump vive martelando nisso.

  • Rodrigo Campos

    @ccardoso:disqus no PicPay tu paga taxa pra receber que nem no PayPal?

    • Não, nada.

      • Qual é o seu username lá? Pra deixar uma breja paga

        • Gaius Baltar

          Está no rodapé do texto: “Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso”

  • Coffinator

    Da Globo me lembro muito de Incidente em Antares. Mesmo no tempo do barro lascado e da pedra fofa saiu um resultado ótimo.

    • Rafael Rodrigues

      O livro é foda. A série ficou boa também.

      Podiam também fazer uma da primeira metade do livro, com a guerra entre as famílias Campolargo e Vacariano…

  • André K

    “Imagine uma franquia nacional de Walking Dead… E como é Walking Dead nem dinheiro com maquiagem de zumbi
    precisariam gastar.”
    Já temos quase isso (falta a mitologia) e, todos nós pagamos. Em 3 canais diferentes, à escolher: TV Câmara, TV Senado e TV Justiça.

  • RSPeres

    Mariana Ximenes…até esqueci o que ia comentar ;-)

  • Brasil só sabe fazer novela da Glória Perez e seu vasto “conhecimento” sobre várias culturas (coloca umas expressões e sotaque nordestino. Tá tudo certo) e comédia estilo Zorra Total

  • caio.

    Meu problema (na epoca) com supernatural na 5a temporada não foi a série estar fraca, foi perderem a chance de fazer um final muito foda… a 6a (ou 7a, sei lá, que foi dificil engolir…colocaram dragoes, que apareceram como vilões mas sumiram da série logo em seguida…pelo que me lembre, era isso). Não sei em que pé que tá a história, assisto esporadicamente, mas tem muito episódio legal do quebra-pau entre anjos e demônios, isso bem depois da 5a temporada. Olhando pra trás, acho que se tivessem terminado na 5a, a serie teria muito mas haters hahaha

    Não sei quanto a versões de supernatural, ou walking dead, mas vejo espaço pra séries de humor brasileiras. Os Normais começou bem, Sai de Baixo todo mundo lembra. A grande família durou 173 temporadas. O problema eh como inserir isso na grade horária, mesmo pq, por mais que consigam boa audiência, eh dificil competir contra jogo, novela e reality shows. Arrisco dizer que brasileiro se daria melhor criando algo original do que “portando” alguma série gringa.

  • Cleverson Biora

    Imagina uma serie de Invasão Alienígena, que se passa no Brasil colonia, em alguma cidade aleatória, poderia ser talvez Tarituba, e ainda com um final. Hahahahahha.
    Ia ser muito legal.

  • Uma série ambientada no Brasil com um investigador meio estranho com uma sala no porão, que busca por alienigenas e atividades paranormais, que é uma piada dentro do seu orgão, mas que não pode ser demitido por ser concursado e recebe a companhia de uma investigadora nova e cética que com o passar do tempo se torna tão louca quanto ele.
    Acho que seria bem original e boa.

  • ElGloriosoRangerRojo™

    Um Walking Dead tupiniquim seria inclusive uma série de baixo orçamento, visto que, se gravada em São Paulo, nem precisariam contratar gente e maquiar pra ser zumbi. O governo e a prefeitura fizeram um bom trabalho em espalhar os zumbis pela cidade… =P

  • Rogério Rizzato

    Até que a versão brasileira de Lucifer ficou interessante, mas é uma comédia e não ação. Vade retro acertou muito bem em usar a figura do diabo com todas as nossas mitologias de santos e capetas. Mas, pela falta de reclamação com o tema e com as piadas religiosas, acredito que a série nem tá dando aquela audiência.

  • Fernando Tauscheck

    Salvo a diferença do meio, alguns anos atrás o pessoal do Jovem Nerd lançou uma HQ com Dom Pedro como caçador de zumbis e, na minha opinião, ficou foda.
    Material nossa história/cultura tem aos montes.

  • Alvaro Carneiro

    – “E como é Walking Dead nem dinheiro com maquiagem de zumbi precisariam gastar.”

    kkkk penso logo na cracolandia, aquilo é walking dead puro.

    • Carlos Ferreira

      Foi o que me veio à mente. Usar os zumbis do crack que há em todas as esquinas.

  • Júnior Rodrigues

    Eu não sei porque cargas d’Água, a produção nacional gira em torno do ambiente nordestino (é bom, ok mas não tem só ele), então acho que ficaria legal um crossover de supernatural com o auto da compadecida, sei lá.

    • Lucas Mello

      Não se esqueça da India, Japão, Turquia, Grécia e tudo que o Tony Ramos possa imitar o sotaque

      • Júnior Rodrigues

        Hahahahahahaha. Tá esquecendo da Suzana Vieira, cara! Atuação digna de Oscar! Hahahahahaha.

  • Marcus Olimpio

    Mas o Monteiro Lobato ERA um racista FDP! Ah,estou sendo “anacrônico”…É coisa da minha cabeça de SJW, ele era um santo. Desculpa aí.

    • Gaius Baltar

      Nem santo nem demônio, era um homem do seu tempo. É difícil para a turma acostumada à bipolaridade entender que ninguém é 100% bom ou ruim.

      • Marcus Olimpio

        “Membro da Sociedade Eugênica de São Paulo e amigo pessoal de expoentes da eugenia no Brasil”. Qual seria a porcentagem que o representava na “escala de maldade”?

        • Gaius Baltar

          Lobato é de uma época em que a eugenia era encarnada de forma científica, algo que posteriormente foi refutado. É cool demonizar Lobato por esse aspecto da sua vida, desmerecendo toda boa obra que ele criou. O que importa é o saldo de coisas boas ou ruins que fazemos. Como disse Neil Gaiman em “Belas Maldições”: “Átila era bom com sua mãe, ou que Vlad Drakul não dispensava suas orações diárias.” O todo é o que nos define.

          • Marcus Olimpio

            Se não houvessem vozes dissonantes no período em que a eugenia era vista como uma ciência, até concordaria. O fato de a maioria fazer algo errado não legitima esse erro, só significa que..simplesmente a maioria está errada. É um pensamento que pode soar como análogo aos “eleitores” que votam em um corrupto porque ele “rouba, mas faz”. Não se trata de exigir uma reputação ilibada até porque não conheço nenhum ser humano que a tenha em 100%, só critico essa condescendência com figuras históricas e/ou autoridades. Só trazendo-o ao nosso nível.

          • Gaius Baltar

            É errado visto na perspectiva de hoje, após um processo de evolução científica que demonstrou que a teoria não tem base. Há poucos valores humanos que permanecem incólumes à passagem do tempo, então é complicado julgar pelo nosso prisma atitudes de pessoas que viveram em outra época, em outro contexto. Diferentemente dos que votam num político corrupto, tendo noção disso, naquela época não era evidente a falta de base científica para a eugenia. Lembrando que a abolição da escravatura era algo recente e não se muda 300 anos de mentalidade em pouco tempo.

  • Como a ANCINE é meio que obrigada a existir, que ao menos direcionasse seus recursos para as produções nacionais com roteiros baseados nas ideias do texto. E sem reserva de mercado!

  • Rodrigo Budrush

    Cardoso, adaptações gringas já foram feitas algumas vezes em séries. Ninguém lembra, mas a RedeTV! fez uma versão brasileira de Desperate Housewives em 2007 (que era gravada na Argentina, mas beleza): https://pt.wikipedia.org/wiki/Donas_de_Casa_Desesperadas_(s%C3%A9rie_brasileira)

  • Marcelo Eiras

    A Globo fez aquele Big Brother de terror com o Pedro Bial (SuperMAX) e fracassou miseravelmente.

  • Marcelo Eiras

    Se forem fazer podem usar as mascaras da immortalmasks.
    http://www.immortalmasks.com

  • José Afonso

    Sempre imaginei Metro 2033/Fallout no RJ…

  • Gesonel o Mestre dos Disfarces

    o cara chora horrores por X. quando sai, reclama. Ô vida.
    Mas os textos são bons, isso tenho que dizer.

  • Garrete Alves Reis

    “e bem feito até um saci é assustador”. Lembrei de um episódio do Arquivo X (preguiça de googar qual…) com um ser da floresta muito semelhante ao curupira. Ficou muito bom! O ser chegou aqui (nos EUA, quer dizer) nos navios negreiros, e fez um link bacana com História!