Ofensivos amadores ofendem ofendidos profissionais com Batman Gay

Em 1954 a indústria de quadrinhos quase morreu. Até hoje ela ainda não é tão bem-vista entre os pais, e na segunda metade dos Anos 70 gibis eram comprados a contragosto. Não eram “boa influência”. Mais de uma vez vizinhas criticaram minha mãe por me deixar ler Tio Patinhas, Mônica e o eventual super-herói que aparecia.

A origem disso tudo foi o livro A Sedução do Inocente, de um psiquiatra e filho da puta americano chamado  Fredric Wertham. Ele criou toda uma ficção apontando os quadrinhos como causa de todos os problemas da juventude. Super-Homem promoveria valores antiamericanos, Mulher-Maravilha promoveria sadomasoquismo (ok, essa eu admito) e lesbianismo (por ser uma mulher forte e independente) e Batman e Robin seriam arautos do homossexualismo.

Como resultado as editoras se reuniram e criaram o famigerado Comic Code Authority, um comitê de censura que criou regras rígidas proibindo qualquer tipo de referência a drogas, sexo, violência e sobrenatural. Nem mesmo zumbis poderiam ser usados. Em um caso célebre implicaram com o nome do autor Marv Wolfman, por acharem que estavam se referindo a um lobisomem.

Sim, grupos de adultos organizavam eventos onde queimavam os gibis que recolhiam de seus filhos. Imagine o efeito dessa histeria nas editoras.

Com o tempo as editoras foram abandonando o Comic Code e não temiam mais publicar revista sem sem o selinho de aprovação, coisa que nos Anos 50 garantia que NINGUÉM iria vender o seu gibi. Mesmo assim a DC Comics só abandonou formalmente o CCA em 2011.

O livro de Wertham se vende como uma pesquisa científica, mas é repleto de falhas, praticamente no nível da pesquisa que “provou” que vacinas causam autismo. Todos os exemplos de adolescentes problemáticos que ele entrevistou foram encontrados em… áreas de adolescentes problemáticos e instituições tipo FUNABEM. Isso mesmo. Para provar que gibis traumatizam crianças ele foi entrevistar um grupo onde 100% das crianças já eram problemáticas.

Ele também inventou relatos, mentiu com relatos terciários dizendo que os havia ouvido em primeira-mão, e quando quis provar que Batman e Robin estavam transformando as crianças em gays, esqueceu de mencionar que dois dos garotos que entrevistou já apresentavam comportamento homossexual antes de começarem a ler gibi. Pior ainda; um dos garotos que segundo ele tinha problemas de ordem sexual por causa dos gibis havia sido estuprado recentemente, mas isso não ajudava na Narrativa então foi omitido. A culpa é do gibi.

Incontáveis carreiras foram arruinadas, infâncias ficaram mais tristes e inúmeras histórias se perderam para sempre, deixando de ser contadas. Do legado de Wertham, temos entre outras coisas, a Tia Harriet:

Criada para a série de TV de 1966, a personagem tinha uma única função: evitar que as pessoas começassem a desconfiar de um sujeito solteirão que pegou um garoto pra criar, e mora só com ele e o mordomo numa mansão.

Óbvio que isso não impediu o povo de falar, e com o empurrãozinho de Wertham, Batman e Robin foram alvos de piadas e gracinhas desde sempre. Algumas na inocência, a grande maioria intencional, e nem falo de Feira da Fruta e semelhantes. Digo nos próprios quadrinhos.

Vender o Batman como gay não é algo que afete os fãs, a gente brinca com isso desde quando isso era falado a sério. Os fãs, ao menos os corretamente medicados sabem que seus personagens favoritos não existem, são apenas desenhos no papel, idéias na cabeça de roteiristas. Eles podem ser qualquer coisa, podem existir em qualquer tempo, em qualquer lugar.

Por isso mesmo é extremamente BESTA uma obra como a ilustração que abre este texto. Batman e Super-Homem se beijando, nossa que chocante que ousado que zzzzz….. Usar personagens conhecidos para dar tapa na cara da sociedade não é chocante ou ousado hoje, não era nem em 1967 quando a revista The Realist publicou o famoso poster The Disneyland Memorial Orgy.

Por isso saber que em 2017 ainda tem gente usando esse artifício para chocar em prol de uma causa me causa um tédio imenso. Quase tanto quanto a inevitável reação:

Isso mesmo. Segundo esta matéria do G1, uma exposição no Instituto Federal do Sul de Minas, em Poços de Caldas virou algo de chororô, depois que alguém postou no Facebook a foto de um dos trabalhos criados por um aluno. Os comentários dos leitores refletem o espírito do que foi dito no Facebook:

  • Nada contra pessoas, e sim contra atitudes. E o homossexualismo é maldito!!! Desculpem- me as “pessoas”, mas sua “atitude” é maldita e abominável…
  • Vou mandar essa foto aos criadores dos heróis. Quero que eles entre com ação contra a prefeitura e esses g.a y s.
  • A dona rede g.l.o.b.o ama isso.
  • Isso aí não é arte. É só um desenho mal feito, com clara intenção de causar polêmica. Obviamente sem a autorização do uso de imagens da DC comics.
  • AINDA BEM QUE ESSA SUB RAÇA NÃO SE REPRODUZ
  • Tenho um filho de 7 anos se ele ver uma imagem dessas e me questionar sobre a mesma vou falar pra ele que é uma falta de vergonha que homem tem que beijar mulher,aí vão falar que sou preconceituoso…mas será que um pai que gosta do seu filho vai falar que isso é normal?prefiro que me intitulem de preconceituoso…
  • Ag0ra col0quem um desenho da Mulher Maravilha no fogão com um filho no colo e o Super Homem chegando do trabalho pra ver se a censura não corre s0lta, isso aí é pura hip0crisia e afr0nta a sociedade !!!

E por aí vai. Como sempre a teoria da ferradura está certa. De um extremo a turma da lacração que acha que gênero é construção social, do outro extremo quase se encontrando, a turma histérica que acha que vai virar viado se assistir mais de 3 minutos do programa da RuPaul.

O pior, pior MESMO e que ninguém está comentando, o crime real nisso tudo é que o tal desenho premiado do aluno é… plágio.

Uma simples busca no Google retorna esta imagem:

É basicamente a mesma, mas o kibador não teve tempo/talento de terminar o braço do morcegoso, e saiu essa cópia mal-feita e inferior.

Não fui mais além, mas cheguei a achar o desenho original em post de blog de Outubro de 2014. Estou surpreso com o fato de ninguém ter feito essa pesquisa que me custou uns 2 minutos de Google? Nem um pouco, uma das vantagens da lacração é que ela nunca é questionada, como ninguém questionou a lógica do Batman estar fazendo um sinal com a mão que é o equivalente britânico a mostrar o dedo do meio, e que no Brasil não tem NENHUM SIGNIFICADO.

Portanto, crianças, em conclusão:

Usar Batman pra lacração é velho e sem efeito;

Chilicar por causa de personagens gays fictícios é retardado e

Plagiar trabalho dos outros e vender como seu é coisa de gente sem caráter, independente da orientação sexual.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Com o tanto de gente reclamando atualmente que o Batman é violento, fascista, sociopata, representa o privilégio branco, representa o privilégio rico, fico surpreso de voltarem a reclamar de que o morcegão seria gay.

    E o tal do Fredric Wertham reencarnou aqui no Brasil na figura do jornaleiro Dioclécio Luz, aquele jornaleiro que disse que a Turma da Mônica promove violência.

    • Curiosamente ele odiava o Super-Homem, dizia que era um ideal fascista.

      • cloverfield

        Imagina se visse o Coração de aço.

    • Minha diretora mandou tirar todos os gibis (mesmo os da Turma da Mônica) da Biblioteca porque ela considera isso anti-cultura. Meus pais descobriram que eu era míope quando era pequeno porque eu estava com dificuldade de ler gibi do Pimentinha. Enquanto o óculos não ficava pronto, meu pai lia pra mim.

  • Vinicius Walker

    Convenhamos, pernalonga já fazia esse tipo de coisa muito antes de todos que se ofendem ou aplaudem terem nascido. https://uploads.disquscdn.com/images/8a3090113d8f3becc46a831d7288c9fb15a54d5dadbb09d691efacda0dfd6ef4.jpg

    • ochateador

      Pica-pau também não ?

      • Vinicius Walker

        Pica-pau roubava comida do Leoncio, escondia no vestido e ficava com os peitos enormes. Era uma sacanagem.

  • gfg2

    Há um tempo atrás eu também achava que reclamar disso era histeria, mas quando começam enfiar gays em TUDO, e quando tem gays(insira qualquer minoria aqui) ainda reclamam que não são gays o suficiente eu começo a entender o porque da indignação.

    • Ivan

      Isso é verdade, herois saindo do armario,melhor criar personagens gays do que ficar mudando a historia dos personagens.

    • Ainda bem que nesse caso é uma representação artística feita por terceiros sem uma intenção comercial de empurrar uma sexualidade a um personagem pré estabelecido.

      Acho normal ter essa liberdade artística para isto, o problema é usar isto de forma militante e querer que aquela sexualidade represente a do personagem dentro do universo criativo comercial dele. Se quer estabelecer um personagem gay, que a macacada crie um pra chamar de seu.

    • Nilton Pedrett Neto

      basicamente de 10 a 20 % da população tem desejos homossexuais. Ou seja, tem gay em tudo mesmo.

  • Klaus Von Burgo

    Caraca eu desde pequeno sempre achei que a tia Harriet fosse um dos maiores sinais de que o Morcego e o Menino-prodígio mordiam a fronha kkkk

  • André Luiz

    Rapaz, deixa a família tradicional brasileira descobrir South Park, vão andar com tochas, forcados e ancinhos pelas ruas.

    Tempos sombrios

    • cloverfield

      Drawn Together sera o juízo final.

    • NestorBendo

      Happy Tree Friends vai fazer esse pessoal enlouquecer, e American Dad e Family Guy vai fazer eles quererem o couro do MacFarlane.

      • cloverfield

        Não esqueça de Brickleberry.
        Daniel Tosh se chegasse no Brasil seria queimado vivo, ressucitado e queimado vivo de novo.

  • Ivan

    Como todos aqui sabem lacração não vende….

  • Reinaldo Matos

    “evitar que as pessoas começassem a desconfiar de um sujeito solteirão
    que pegou um garoto pra criar, e mora só com ele e o mordomo numa
    mansão.”

    Batman ou Michael Jackson??? hehehehe

  • Marcos Yokota

    Queimar coisas que você não gosta ainda bem que isso não ocorre mais… ops
    https://uploads.disquscdn.com/images/c12f5d135f8d1551e751ffd5b0461c6f84a7f0f7dd15af865371da6cbcbd266d.jpg

  • O que mais me deixa puto é o plágio que ninguém diz nada, e quem está reclamando tanto é justamente aquele tiozão que adora falar “Na minha época não era tão fácil assim, a gente tinha que ir em biblioteca, hoje em dia todo mundo é preguiçoso”, e ele sequer pesquisa as coisas no Google antes de falar as merda que fala.

  • Só lembrei do “””escândalo””” do Wolverine beijando o Hércules…

    Sério… o mundo já está cansativamente repetitivo. Repetitivo nas partes ruins e chatas.

  • Marcelo Santos

    Mas sabe que um desenho da mulher maravilha no fogão seria realmente tentador…