Alunos inteligentes ganhando notebooks como incentivo? Falha na Matrix!

Lembram do post que escrevi onde conto sobre uma ONG de São Paulo que tenta identificar alunos super-dotados e incentivá-los com bolsas de estudo, computadores e acompanhamento pedagógico, e o Secretário de Educação de SP, o incrível Gabriel Chalita proibiu a entidade de aplicar testes junto aos alunos, alegando que privilegiar alunos superdotados seria errado, atitude corroborada pela Secretária de Educação do Município de São Paulo, que soltou a pérola máxima?

“Se havia uma preocupação com os alunos fora de série, por que não focar naqueles com síndrome de Down?”

Pois bem. Fico feliz que uma vez, ao menos uma vez a praga do politicamente correto, o nivelamento por baixo, a forrestgumpificação do estudante brasileiro não ocorreu. Por um milagre da natureza politicamente incorreta, darwinista e competititva, estudantes com notas boas serão privilegiados. Vejam esta notícia d’O Globo:

RIO – O governador do Rio, Sergio Cabral, anunciou que vai distribuir 2
mil notebooks para os alunos do 9º do ensino fundamental e do 3º ano do
médio – mil para cada série – que tirarem as melhores notas no Programa
de Avaliação Externa do Desempenho Escolar, desenvolvido pela
Secretaria de Estado de Educação (Seeduc).

CLARO que nos comentários já tem gente reclamando. E a dengue, e os salários dos professores, e os salários da polícia?

Sinceramente nesse caso estou pouco me lixando. Compre Off e não encha meu saco. E não, não me interessa que a molecada vai usar o computador para acessar MSN e Orkut. Uma minoria, pequena mas existente vai usar para estudar, como estudou para as provas que os capacitaram a receber o prêmio.

É essa mentalidade que precisam aprender: Bom Trabalho traz recompensa. Chega de salas de aula cheias de estudantes burros arrastando os mais inteligentes para a vala comum. Quero ver agora, quando algum chato chamar esses estudantes de CDF, eles podem responder “FODA-SE, com isso ganhei um notebook, e você?”

Eu tive um professor que dava fitinhas e medalhinhas para alunos com notas altas. Um belo dia ele parou. Fui perguntar, as pedagogas (como eu odeio essa raça) tinham dito que essa atitude dele “estimulava competição” entre os alunos e não era bom. Mais uma vez o comunismo se metendo na sala de aula, nivelando todos por baixo.

Eu teria me esforçado extra, para ganhar um notebook, se no meu tempo de colégio tivesse um programa desses? Tenho a decência de dizer que sim, com certeza. Como o pessoal do Degustibus cansa de repetir, incentivos funcionam. E se o moleque vai aprender por causa de um notebook e não por alguma aspiração nobre de um futuro distante e ideais etéreos, sinceramente pouco me importa.

O que não dá é ter uma geração falando miguxês e incapaz de concatenar duas frases, que dirá duas idéias, e dizer que isso é natural pois é fruto de uma educação mais relaxada, mais humana, mais socialista e menos voltada à competição e à exploração.

Eu quero uma educação que forme Steve Jobs e Steve Wozniak, não Chavez e Morales. E se para isso meus impostos vão comprar notebooks para a molecada, que bom!

Só não comprem Toshibas, são uma droga.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Acho que incentivo ajuda e muito, o cara irá se esforçar para conseguir aquilo.
    É completamente errado afirmar que estimular competição é errado.
    Essa moda de politicamente correto está em todo lugar e deixar alunos burros não cabe a esta regra…

    • Não seria melhor oferecer bolsas de estudo ou livros?

      • João Paulo Fr

        Notebook x Bolsa de Estudo : um notebook custa R$ 2 mil, quanto custa 1 ano de bolsa de estudo?

        Notebook x Livros : ebook

        Abraços, JP

  • zeichner

    Falha na Matrix Grande. Chamem o Agente Smith e acabem com esta bagunça de valorizar quem merece!
    Existe futuro no mundo e este futuro se chama internet. O pensamento esquerdista tomou conta das universidades,dos jornais, das revistas, da televisão… Estava tudo dominado pela ideologia marxista de que tud que se dá dinheiro é ruim ( menos ganhar uma grana preta do governo para escrever que dinheiro era ruim ), até que surgiu a internet, e hoje existe pensamento discordante podendo florescer, pessoas que concordam sim que os melhores deve ser valorizados, que quem se esforça mais merece ser reconhecido por isso e que ser o melhor não é rebaixar os demais, é convidar pra competição, é chamar pra tentar também, porque então todos ganham… mas numa educação infestada pelo 'pensamento crítico", que só critica o sistema, o capitalismo, o neoliberalismo, o imperialismo, etc. em vez de dar aula e ensinar a língua, as ciências e as artes, o verdadeiro pensamento questionador estava morrendo de inanição.
    Sou professor de escola pública e foi só graças à internet que percebi que outros pensavam como eu, e que existia alternativas para o mundo, onde cada pessoa vale pelo que produz, pelo que se esforça, pelo que é.

  • Um amigo que é professor da rede estadual mandou uma pedagoga tomar naquele lugar, depois que ela o repreendeu por estar corrigindo provas com caneta vermelha.
    Segundo a pedagoga, "colocar nota com tinta vermelha constrange o aluno".

    • AI MEU CARALHO!!!!!

      • Complementando: "Acaba com a sua auto estima e o faz se sentir inferior"
        Ouvi isso de uma supervisora de ensino daqui de São Paulo, a mesma que um dia disse que "não pode haver reprovação, deve-se achar toda e qualquer maneira de aprovar o aluno".
        É a progressão continuada formando imbecis e marginais.

        • Sinceramente cara, pedadogas, psicólogas, e outras sub-raças como essas deveriam fazer um estágio não remunerado nas escolas das grandes favelas e perifierias do Rio de Janeiro para aprenderem as "regras do bom viver"…
          Esse pessoal é realmente muito hipócrita…
          Cara, eu fiz meu primário na década de 90 e lembro que não tinha essa palhaçada de "constrangimento" do aluno não… Vacilou, se fudeu!!!
          Tirou nota baixa? Repete de ano… Sem "caô" e sem conversinha fiada.
          Os alunos precisam entender que são premiados pelo seu esforço e talento e são punidos pelo seu relaxamento e falta de disciplina acadêmica. Senão, a gente acaba tendo que lidar com toda uma geração de "pofriçionaus" que não sabem a diferença entre uma grande obra do mestre Picasso e a grande pica de aço do mestre de obras!!!
          Sinceramente, eu odeio teorias de conspiração, mas será que os filhos dos políticos, das pedagogas e das psicólogas passam de ano sem saber a matéria? Ou são aprovados "altomaticamente"??? EU acho que não…
          Quem tem que passar de ano sem saber a matéria é o filho do pobre, porque aí fica fácil pro filho do rico, do político, da pedagoga e da psicóloga (que tiveram com certeza ensino de qualidade) concorrer com eles nas futuras vagas do mercado de trabalho…
          Brasileiro tem mesmo é que se fuder enrolado na bandeira do Brasil!!!

    • Tendo isso como parâmetro, acham SINCERAMENTE que dar notebooks fará diferença?

      • E se dermos um notebook para cada professor da rede estadual para ele usar como ferramenta de ensino? Será que a coisa muda?
        Pois é isso que o governo de Pernambuco vai fazer a partir de janeiro. Cada professor do Estado vai receber um bônus de R$ 2.300,00 prá comprar um notebook (para isso, só precisa o professor acessar o site da empresa vencedora, digitar sua matrícula, escolher a máquina e ela chega pelo correio.) O professor não vai pagar nada.
        O governo falou em configuração mínima de 1GB ram e 80GB de HD. Vai ter empresa começando o ano com um sorriso de canto a canto do rosto – são quase trinta mil professores!
        O amigo que mandou a pedagoga tomar naquele lugar já avisou ao diretor da escola que vai deixar o note em casa: ele ensina em áreas onde andar com um notebook é a maior roubada (literalmente).

        • O Governo do Rio também deu um notebook – com acesso a internet embutido no "pacote" por mei ode um dos dispositivos de conexão via celular – para os professores de quinta série em diante.

          E em São Paulo, o governo do estado já financiou computadores para os professores no passado – e agora abriu cadastro para financiar notebooks.

          Sim, os professores também usam pra orkut e MSN. Mas todos conseguiram complementar com qualidade seus planos de aula.

          • Minha namorada é professora estadual. O note que ela ganhou parece mais um metrônomno. Se um professor precisa de um notebook para melhorar suas aulas, então, tem algo de muito, muito errado com sua formação.

      • Para o aluno que ganhar, vai.

        • O todo não é a soma de partes. Um aluno feliz e contente com um notebook não vai alterar a realidade educacional. Por causa das malditas aprovações automáticas, alunos chegam no ensino médio semi-analfabetos. Um notebook fará magicamente com que eles passem a escrever corretamente? Um ou dois alunos não será parcela expressiva em termos estatísticos.

      • Me desculpe discordar de você mas, há muitos adolescentes que já nascem prontos pra informática. É a tal da vocação. Eu moro em uma área esquecida pelo poder público (quando se trata de infraestrutura; pra cobrar imposto, eles estão sempre aqui…). Eu não teria como pagar pro meu filho um ensino de qualidade então eu comprei um pc (de segunda) e ensinei pra ele somente como funciona o sistema, como instalar-desinstalar, normas avançadas de segurança e "como pesquisar com qualidade e estudar sozinho". E olha que até banda larga aqui é horrível, uma droga.
        Ele agora tem 16 anos e conhece mais de info que qualquer outro garoto da escola dele. Ele ensina aos outros e inclusive é ele que 'liga os parcos' (e péssimos pcs da escola) aos quais os alunos têm pouquíssimo acesso pois os professores responsáveis são "analfabetos digitais" (estão lá pra ensinar o que? eles não sabem…). Ele está aprendendo SOZINHO inglês (fraquíssimo na escola), japonês (paixão dele), Ansi C, C++, Html, CSS, e tudo o mais que passa na frente. Está fazendo seu site sozinho e tem projetos pra um server ragnarok. Já estamos pensando num modo de comprar um pc + potente pra dar conta daquele cérebro faminto de vida. Apesar disto tudo ele tem notas fracas.
        O que prejudica muitíssimo ele é a vergonhosa falta de "qualificação profissional" de alguns professores. Eles não ensinam direito (eu sempre tenho que reforçar as aulas) e o pior é que alguns perseguem os alunos 'espertinhos demais'. Parece crime querer aprender. Agora mesmo estamos com sérios problemas com uma professora de português que é uma bruxa. Um pc na mão daquela megera vai acabar no lixo; ela não tem capacitação pra usar internet (aliás, nem pra conviver com adolescentes!)…
        Tudo bem. Me desculpem a acidez, eu sei que não são todos! Também conheço bons professores mas, não aqui neste lugar onde eu vivo…
        Informática é como medicina, jornalismo, arquitetura. Ou seja quem tem o talento pra coisa sempre vai conseguir ficar acima, se desenvolver mais, mesmo não tendo recursos. É claro que se forem dadas oportunidades aos jovens que têm potencial eles agarram e se desenvolvem. Eles conseguem crescer sim!
        Eu creio que mesmo aqueles que não são particularmente bem dotados, se receberem treinamento adequado (não apenas o pc) conseguirão fazer um excelente uso de um notebook. É como o Cardoso disse: "vão usa-lo para estudar".
        Acho mais importante dar notebook às crianças e adolescentes do que aos professores porque muitos professores são completamente analfabetos digitais. Não sabem o básico pra sobreviver na internet. E muitos se recusam a aprender. Eu conheço vários assim!
        Além de tudo, que graça tem se esforçar e nunca receber o reconhecimento merecido? Se tanto faz se esfolar de trabalhar/estudar ou empurrar com a barriga, os adolescentes ficam desmotivados. Eles precisam de um incentivo saudável. Precisam de motivação externa porque ainda não têm uma estrutura moral e psicológica plenamente formada pra se automotivar.

        • Eloyn

          Ecletica faz um estágio em escola pública, quero ver você "ensinar" depois que eles (os adolescentes) que sabem tuuuudo mandarem voce tomar no… se f… e zoar você e outros adolescentes "bulling" meu conselho: vai ler um livro e empresta pro seu filho (ler)

          Manusear um compotudador é demasiaamente simples, ele foi fabricado para ser simples, lembre-se é um bem de consumo.

          ADORO computador, mais aprendo nos livros.

    • Céus, como eu odeio esses pedagogos (ou como diz o Eduardo, do "OPeriscópio", pedabobos) e psicólogos.

      Pedabobos e psicólogos são iguais a videntes, padres, ou pastores. Tanto um, como outro, diz o que você tem que fazer na sua vida, e sempre erram.

      Muito boa a atitude desse professor. Eu, no lugar dele, faria a mesma coisa.

  • Belo texto!

    Realmente incentivo é o que há!
    Se dessem 1Kg de maconha(ou qualquer droga) pra cada aluno que tirasse 10 nas escolas das 'periferias', capaz de não existir mais crime :)

  • Já tive um Toshiba, mas consegui empurrar para um otário, não lembro quem foi, mas consegui…

    • Pior eu, que depois de ter um toshiba sebento não lembro de onde, comprei um SEGUNDO, pra descobrir que a memória dele deu pau, e era soldada.

      • Pior é que acham que inclusão digital é dar um computador e ensinar a usar windows.

      • putz.. só o meu toshiba que não da pau.. ? rss
        uso ele para tocar nas festas com serato.. e até hoje.. o bicho nunca me deixou na mão..rs

  • Concordo plenamente com o texto, acho que falta incentivo à competição (claro que, competição amigável, que fique claro onde começa e termina), e que esta bosta de mania de "politicamente correto" tá transformando um monte de coisa que eu gosto em uma pilha de fezes fumegante.

    pensa nos trapalhões, na época que era bom. Dúvido que um programa como aquele sobrevivesse nesses tempos do politicamente correto.

    E esse negócio de "esforço traz recomenpensa" é uma lei natural do universo, e pode ter certeza que vou criar meu filho levando isso em conta.

    "ah, quer um Playstation XI? OK, eu quero um boletim todo azul, e nenhuma nota abaixo de 8."

    Acredito que isso forme cárater sabe? Pelo menos vou ter certeza que não vou colocar um preguiçoso no mundo, que quando se formar vai se encostar em um emprego público e se conformar em não fazer nada o dia todo.

  • Chalita? Ah, é aquele candidato a vereador do PSDB que espalhou cartazes pela cidade em plena Lei Cidade Limpa, não foi punido e ainda foi um dos mais votados? É Secretário da Educação? Faz sentido…

    O pior é que a ONG nem vai usar dinheiro público nesta história (ou vai, como tantas outras) e eles querem interferir!

    Mais pior (sou o produto da educação atual) é o povo sempre achar que investir $$$ é, necessariamente tirar de outro! Pois um governo que se preze dá notebooks para alunos bons, combate a dengue, paga salários decentes e ainda planta flores nos parques!!! Dinheiro tem!

    Por fim, é engraçado achar que isso é coisa de esquerdista… a URSS da Guerra Fria era um dos lugares que mais caçava gênios nas escolas para dar melhores condições para eles se desenvolverem. É claro que pode-se argumentar que a URSS não era de esquerda…

  • Eu fui aluno de escola pública em São Paulo na época da Ditadura militar. Na escola lembro que o aluno que não tinha faltas recebia barras de chocolate como premio, alunos com melhores notas recebia algum incêntivo, alunos com mau comportamento eram punidos, atos criminosos eram premiados com a espulsão da escola e alunos que não estudavam eram reprovados.

    A Grande maioria se esforsava, passava com notas rasoáveis e hoje a grande maioria forma o que chamam de cidadãos de bem.

    Hoje aqui em São Paulo os professores são proibidos de reprovar alunos e o nivelamento por baixo é o maior do país. Resultado: Os alunos vandalizam as escolas, agridem professores, tem aluno indo para o ensino médio(antigo segundo grau), semi-analfabetos.

    O conselho tutelar ensina que os alunos tem que ser tratados com carinho e paciência e não com punições e repreenção, pois estas atitudes "constrange o aluno"

    Três vivas ao conselho tutelar e mais três aos orientadores pedagógicos.

    • Concordo que o sistema educacional hoje é lamentável, mas querermos colocar novamente uma ditadura militar com os alunos sendo robôs e os professores ensinando o que os militares querem é absurdo. Acho que tem outras maneiras de melhorar a educação em nosso país.

      • Não foi isto que quis dizer. o que quero dizer é que nesta época os professores eram autoridade dentro das escolas e eram assim respeitados.

        Hoje os alunos não tem mais respeito pelos professores.

        • E por que teriam? Alunos detêm poder. Se vc segurar um aluno pelo braço, para impedir dele te agredir, VOCÊ será processado. Isso é fato real. Só não sabe quem nunca trabalhou em colégio.

        • Eram autoridades porque pregavam os ideais ditatoriais dentro das salas de aula. Ou seja, eram defendidos por quem manda, independente da atitude que tomassem, podendo ser violenta e selvagem.

          • Murilo, eu acredito que você não estudou nesta época, pois eu nunca vi nenhum professor agredir um aluno nas turmas que estudei. os professores eram tão competentes quanto hoje, porém eles podiam corrigir as falhas dos alunos e os pais, que também eram educadores naquela época apoiavam. Hoje virou uma baderna geral, nem o pai pode ser rigoroso com seu filho.
            É a política do "deixa virar bandido mesmo".
            Quando você junta comite dos direitos humanos, coordenação pedagógica e igreja católica, você está iniciando uma escola de pais débeis e filhos libertinos.
            Veja as estatísticas de criminalidade de hoje e compare com a de anos atrás.
            A grande maioria dos professores eram de esquerda e não apoiavam a ditadura militar, o que você disse é uma enorme besteira. Violenta e selvagem foi sua afirmação, sem conhecimento dos fatos, aliás você nem viveu àquela época.

          • Gilberto, concordo plenamente com você e minha mensagem aqui é para os pais:
            Meus dois filhos (ele 9 anos, ela 5 anos) recebem a mesma educação e disciplina que recebi de meus pais. Minha mãe: professora. Meu pai: militar linha-dura. Nossos filhos nos chamam de papai e mamãe, e não pelo primeiro nome. São doces e nos beijam de forma carinhosa, sem que eu precise pedir carinho ou beijos.
            Tentamos manter um equilíbrio na educação deles. Um linha-dura (eu) e um mais flexível (minha esposa). Eu tento ensinar a eles conceitos como disciplina, responsabilidade e respeito. Ela (como passa mais tempo com eles) faz mais carinho, passa a mão delicadamente no rosto deles e pergunta se está tudo bem, se precisam de ajuda com a lição, etc…
            Isso não faz de mim um insensível, e nem de minha esposa uma toupeira. Isso também não quer dizer que nunca precisei repreender meus filhos de forma dura, algumas vezes com palmadas e castigos… Alguns devem estar dizendo: "ÓÓÓÓ!! Ele bate nos filhos. Crucifiquem-no!!". Em verdade eu vos digo que a maior parte dos problemas que seus filhos enfrentam hoje (mesmo aqueles da escola) têm origem no leito familiar, seja por falta de diálogo, seja por violência, seja por falta de amor, seja por excesso de cuidados (isso torna seu filho muito dependente de você, tornando-se o popular "marica", "filho de mamãe").
            Portanto, observem, conversem, eduquem, disciplinem, orientem, amem seus filhos e os resultados virão, inclusive na escola. Para aprender, o aluno (seja criança, jovem ou adulto) precisa estar pré-disposto ao aprendizado. Eu disse: PRÉ-disposto, o "pré" refere-se a algo que vem antes e não depois, como o prêmio, brindes, notebooks, etc.
            Estava de passagem por este site, li este post, e não resisti, precisava dizer algo. Provavelmente não voltarei tão cedo por aqui. Portanto, se quiserem diálogo mais profundo sobre este assunto (e outros como o sistema de cotas para negros, que, particularmente, acho um absurdo) podem me contatar pelo e-mail . Até.

    • Pelo texto, você não ganhou barrinhas de chocolate, né?

  • No meu primeiro grau, um professor de matemática veio convidar os alunos a participarem de uma Olimpíada de matemática. Toda a turma riu. Na mesma hora imaginaram pessoas correndo, nadando e resolvendo contas ao mesmo tempo. Até que perguntei o que ganharíamos em troca. Ele respondeu: ao primeiro lugar, 400 reais, ao segundo 200, ao terceiro 100. Isso há 13 anos era uma fortuna, principalmente para adolescentes. E de repente uns 20 alunos só da minha turma se inscreveram. Ao todo, mais de 2 mil estudantes de todo o RN participaram da competição. E dois alunos deste professor ficaram entre os 3 primeiros. Eu peguei meus cem reais, somei algumas mesadas e comprei uma guitarra. O primeiro lugar, Marcelinho, a última vez que tive notícias foi em 2000. Havia passado para estudar no ITA.

  • Sim, as orientadoras educacionais são um saco. Também sou professor da rede estadual, e semana sim, semana não ela vem falar comigo que os alunos tem medo (na verdade raiva) de mim. Simplesmente porque sou o único professor que não admite conversas paralelas em sala de aula no momento da minha explicação. A maior parte enche o quadro de conteúdo e deixa os alunos copiando enquanto conversam, eu passo a maior parte do meu conteúdo oralmente, no quadro apenas alguns esquemas, aliado ao fato de eu não ser muito simpático com abusados…

    Embora não use argumentos tão radicais quanto os seus Cardoso, concordo que o nivelamento não pode ser por baixo. Fiz meu ensino fundamental em escola municipal, e, na minha época, as turmas eram divididas quanto ao desempenho. Tipo, era 501, 502, 503 e 504, as turmas com final "01" era dos alunos com melhores desempenhos, e assim sucessivamente. Acho que era um sistema não-oficial, de qualquer forma isso caiu. Hoje se tem a idéia de que todos os alunos devem ser tratados igualmente, e essa divisão de turmas é discriminatória (do que eu discordo, visto que assim é mais fácil alterar os planejamentos e melhorar o desempenho de todos, alunos "fracos" e alunos "fortes"), e o fato é que o nivelamento acaba sendo por baixo. Esse ano entrou um aluno deficiente em uma de minhas turmas. Eu disse à direção que não tinha treinamento ou capacidade de lidar com esse tipo de aluno, no entanto disseram que era a orientação da Secretaria que a escola fosse inclusiva. Resultado, apesar de tentar incluir o garoto, não tive resultado, o desempenho dele é muito baixo, mesmo comparado com os piores da turma. Do que adiantou ser "inclusivo"?

    PS1: Se o Estado seguir o que já fez (os professores de ensino médio já dispõem de notebooks e modems GPRS), os computadores serão CCE ou Positivo. Configurações defasadas claro (o meu é um Celeron M com 512mb).

    PS2: Turmas inclusivas podem funcionar. Porém nunca no sistema usado na rede pública brasileira. Em Portugal e outros países da Europa existem experiências onde esse tipo de abordagem gera resultados extremamente produtivos.

  • Quando criança tinha uma professora de matemática chamada Cleide Maluf; para incentivar os alunos ela dava uma caixa de bombons (dos bons) para todo aquele que tirasse nota 10 na prova. A promessa de recompensa elevou o nível da sala, a maioria começou a se esforçar bastante e ela (a professora), a cada prova, aumentava o nível de dificuldade.

    Isso permaneceu até que os alunos vagabundos e suas mães idiotas começaram a reclamar que seus filhos nunca eram agraciados com o prêmio (a bronca dos vagas era qe o grupo de excluídos socialmente – CDFs – eram aqueles que mais recebiam os prêmios).

    Acabou que a recompensa acabou e eu, que já estava aumentando o número de minhas espinhas por conta das guloseimas, deixei de ganhá-las.Tudo bem que minha pele agradeceu, mas foi uma bela de uma merda perder o estímulo.

    • Comigo aconteceu algo parecido(pena que não ganhava bombons :P).Na escola que eu estudava, tinha uma classificação do aluno por bimestre, que vinha impressa no boletim. Mas daí, mães começaram a ligar para o colegio reclamando que seus filhos(vagabundos) se sentiam humilhados com a divulgação das suas respectivas classificações. RESULTADO: a escola teve que tirar o ranking de notas dos alunos.
      Acho que esse incentivo está mais que certo, pois um incentivo seja com chocolate, ou outro prêmio já vale muito.

    • neves

      onde vcv estudava?

  • Eu acho muito engraçadas estas falácias que são empurradas na goela da burra e despreparada população brasileira…
    "Não devemos estimular a competição"
    – Ah, é? Então são as suas mães que vão procurar emprego pro meu filho, Sras. Pedagogas e Psicologas, quando ele chegar despreparado e burro ao mercado de trabalho, já que ele foi nivelado por baixo porque tinha que acompanhar os marginais, os preguiçosos ou os retardados (ops… "mentalmente desafiados")???

    "Não se deve premiar os bons alunos, para que os demais não se sintam ofendidos/magoados/desistimulados"
    – Tadinhos!!! Eu acho que o experimento de Pavlov (Reflexo Condicionado) não fez parte das matérias das senhoras PP (Pedagogas e Psicólogas). Então aqui vai uma boa fonte de informações: http://fotolog.terra.com.br/neuroscience:53
    Se o aluno sabe que será recompensado pelo seu bom desempenho e/ou comportamento, ele ou ela fará por onde conseguir a recompensa. É assim que os humanos funcionam, viu senhoras!!! Se vocês não aprenderam isso na faculdade, fiquem em casa cuidando de vossos maridos e de vossa cozinha!

    "Não podemos repetir o aluno, pois isso o deixaria constrangido/desestimulado/puto…"
    – FODA-SE!!! Quem reprova o aluno é ele mesmo! E os professores tem que deixar isso bem claro pro aluno. O problema é que no Brasil, pelo menos nas escolas públicas, não existe a preocupação em formar o cidadão, o profissional, o líder… O prefessor tenta, muitas vezes em vão, transmitir valores e experiências para os alunos. Aí vem o MEC, as porras das Pedagogas, psicólogas, o diabo a quatro e fodem com o trabalho dos professores, que ficam putos e desistem de tentar melhorar os alunos enquanto indivíduos… E o ciclo recomeça!!!

    "Não se pode corrigir a prova de caneta vermelha para não constrangir o aluno"…
    – Ah, faça-me o favor!!! Na minha época, as piores provas iam pro "Mural do esquisito"!!! E ficavam lá até ter uma prova pior pra substituir… Qualquer prova abaixo da metade da nota mínima ia pro mural. E ninguém morreu ou virou psicosociopata por causa disso… Vão à merda, antes que eu esqueça…

    Por isso que as coisas estão como estão… O aluno não teme (ou respeita) o professor, não aprende nada, sai da escola inapto como profissional e cidadão, vai virar bandido e também não vai respeitar a polícia (pois não aprendeu a respeitar/temer a autoridade) e aí será mais uma leva de marginais pra comer nosso imposto nos presídios em forma de quentinhas super-faturadas e ficar o dia todo pensando em fugir ou se vingar (ou os dois)…

    Meu resumo para tudo isso é: FODA-SE!!! O Brasil se fudeu!!! Fuja enquanto ainda pode, se puder!!!

  • Só um detalhe: OS NERDS que hoje a turma da sala vive fazendo brincadeiras idiotas SERÃO OS CEO´s de amanhã e claro, os "populares da sala", na maioria da vezes, vão trabalhar pra eles hehehehehe

    Isso é muito bem abordado em um livro de Charles J. Sykes "Dumbing Down Our Kids" que possui algumas frase que foram erroneamente atribuídas a Bill Gates, como essa:

    Your school may have done away with winners and losers but life has not. In some schools they have abolished failing grades, they'll give you as many times as you want to get the right answer. This, of course, bears not the slightest resemblance to anything in real life.

    E essa:
    Be nice to nerds. Chances are you'll end up working for one.

    • Meu filho, uma criança dessas tem condições de bancar os custos de estudar numa Universidade, mesmo que pública? Vc tem a noção de QUANTO custa um livro?

      • @ Andre
        Primeiro que não sou seu filho, então esse tipo de tratamento é gratuitamente provocativo
        Segundo: você leu meu comentário?
        E tentando entender o que você quis dizer: crianças carentes não podem comprar livros, óbvio, o Estado tem que providenciar livros e Universidades

        • Sim, o tratamento foi provocativo. Demorou muito pra perceber?
          .
          Segundo, li sim. E daí? O Estado não pode fornecer tudo. E nem é a função dele. O que as pessoas precisam é capacidade de viverem por si sós, andar com as próprias pernas, e não ter um Estado paternalista que dá tudo de graça. Eu pago impostos, exijo igualdade de condições! Não é porque eu tenho condições de almoçar e jantar, pagos às minhas custas, com o dinheiro ganho com o meu trabalho que meu filho perderá a chance de ir pra uma universidade pq alguém entrou lá de maneira inconstitucional, só pq é negro. Isso é hipocrisia. Dê-lhe um colégio decente, então e façam-no estudar.
          .
          Nada que venha de graça, sem ser conquistado por mérito, tem valor.Os livros devem ter seus preços reduzidos, as Universidades não devem alocar alunos por causa de sua cor de pele ou renda familiar e sim competência. Para tanto deve-se melhorar o ensino fundamental ou médio.
          .
          Entendeu, filhote?

          • Rafa

            "Nada que venha de graça, sem ser conquistado por mérito, tem valor."
            .
            Talvez a frase não tenha sido muito bem formulada… mas ela não soou bem… O ensino publico no Brasil precisa ser melhor valorizado, bem como alguns outros serviços…

            :)

          • Mas creio que os alunos ganharão os laptops por mérito, não?

  • E assim nossa sociedade vai para o buraco.

    Quando fazia a 5ª serie ganhei um caixa de 36 lápis de cores da Faber Castel da minha professora, fiquei muito animado com isso. Competiçao é sim necessário, estimula. É necessário uma recompensa, senão para que adianta estudar, não é para sermos recompensados com conhecimento que no futoro nos dê qualificação e um emprego melhor.

    Essas pedagogas e o resto, não todos, enchem o saco, na verdade não sabem de nada.

    É como o presidente, está la na sua poltrona e diz que tá tudo bem enquanto gente no Rio de Janeiro morre com bala na cabeça.

    Não tem a minima noção da realidade.

  • Uma atitude louvável, devo dizer.
    Sempre fui um nerd/CDF, mas nunca precisei de incentivo externo pra nada. Hoje em dia, os moleques só fazem alguma coisa se você usar a velha tática de balançar um prêmio na frente deles, lamentável.
    Quanto ao laptop, provavelmente vai ser algo para ajudar em estudos etc., provavelmente um Asus EEE PC ou algo parecido.

  • Só não entendo porque o cara que tem o notebok pode ser mais inteligente que aquele que nao tem. Estudar com computador nao da meritos a ninguem.

    Eu estudei na base de pegar livros emprestados e fui ver um computador em 2000.

    E só vim ter um agora em 2008.

    • Você não entendeu nada do que leu, né? No notebook for you!

    • isso que da ler uma linha a cada paragrafo e na sede de querer comentar algo que provavelmente.. vai ser estupido e non-sense .. XD

    • Você certamente não ganharia nenhum prêmio.

      .

      Aliás. Você não ganharia nada numa competição de inteligência.

  • Engraçado isso. Num Estado, cujos colégios não possuem carteiras suficientes, lousas imundas, salas sem ventilação (algumas nem janela tem, apenas basculantes), outras que duas salas são separadas por uma "parede" de 1,5m de altura (É SÉRIO!!!!!!!!!) etc.
    .
    Nome disso? Licitações fraudulentas! Cada note desse deverá sair o preço de um macbook pro, com a qualidade de uma calculadora xing ling.
    .
    Eu já fui professor estadual e meu dia mais feliz foi quando pedi exoneração. Trabalhar com milhares de problemas por 600 reais é estupidez. Podem ficar com a estabilidade. Eu prefiro não ser mais ameaçado todos os dias, não ter aluno armado dentro de sala, não presenciar tráfico de drogas DENTRO do colégio entre outras mazelas.
    .
    Notebook pros alunos? Lindo isso. Vou encontrar muitos desses sendo vendidos na rua Uruguaiana por 200 reais.

  • Varejao

    Melhor Toshiba do que os Positivos e CCE´s que deram aos professores.

  • É lógico que incentivos funcionam. Toda a economia se fundamenta na movimentação social através de estímulos e desestímulos, principalmente no bolso. Se o governo quer que a população faça algo, baixa impostos naquela direção. Se não quer que a população faça, aumenta alíquotas e cobra multas. Essa hipocrisia vingente no ensino é a pior das piores por que nega o que é natural e usual.

    Uma vez ganhei uma medalinha vagabunda em nome do prefeito por ter a melhor média da escola, no ensino fundamental. Eu que sempre fui o patinho feio me senti cheio de grau, imagina se por tal mérito viesse um note…

  • Há uma questão importante: Um aluno até a oitava série não pode ser totalmente responsável por si mesmo. Não sou favorável da aprovação automática, mas a simples reprovação também não resolve o problema dos alunos em dificuldade.

    Uma coisa, claro, não tem nada a ver com a outra. Os alunos bons e esforçados devem ser premiados, isso é óbvio.

    Mas os alunos com problemas – que, é bom lembrar, é fácil de se notar já no segundo dos quatro bimestres letivos do ano – precisa ser acompanhado – e a família alertada.

    Os atrasados não devem ficar para trás – e não é freiando os da frente que se iguala, mas pondo os de trás pra correr. Quanto antes se diagnosticar um aluno problemático, antes será possível dar a ele instrumentos que o permitam correr atrás da diferença.

    Há um certo comodismo dos professores também em usar da reprovação sem instrução – novamente, aos pais e responsáveis – de que o aluno deve ser melhor orientado e acompanhado.

    Deixar um garoto de 12 anos irresponsável como único culpado pelas mazelas de seu destino é tão crueldade quanto limitar o potencial de um garoto de 12 anos que seja esforçado.

    • Rafa

      É o mesmo discurso que os governos usam… os alunos "atrasados" são reflexos de suas familias que não dão a mínima para ele, existe um provérbio chinês que diz mais ou menos o seguinte: "Antes de educar as crianças, eduque primeiro seus avós". Muitas vezes tais pais ainda defendem seus filhinhos como se fossem santos.

      Quem conhece uma escola publica sabe que esses "alunos atrasados" não dão a mínima para a qualidade do ensino e para o "aprender". Olha que beleza:
      http://oglobo.globo.com/sp/mat/2008/11/14/gangues

      O pior é saber que isso existe com menor ou maior intensidade na maioria das escolas publicas, a maior diferença das escolas técnicas é essa, pelo menos nas que conheço, os professores estão muitas vezes no mesmo nível (com professores bons e ruins, como em qualquer lugar…) e a infra-estrutura só é melhor que a das escolas comuns pelo fato de existir uma APM (Associação de Pais e Mestres) forte, isso se da pelo fato de os alunos não serem qualquer um.

      • Clap! Clap! Clap!

    • Garotos de 12 anos usam arma, assaltam e podem te matar. Coitadinhos, são vítimas…

    • "Um aluno até a oitava série não pode ser totalmente responsável por si mesmo."

      Realmente, adoslescentes de 12, 13 ou 14 anos não são responsáveis pelo seus atos. Eles não têm consciência do que fazem. Eles são quase débeis mentais.

      Pedabobo detectado.

      • Há uma diferença em não ser TOTALMENTE responsável POR SI MESMO e não ser responsável pelo que faz AOS OUTROS – no caso dos citados garotos bandidos armados por aí.

        Mas eu, como garoto de 12 anos que já fui, nunca teria tido a dedicação aos estudos que me garantiu uma boa formação – inclusive numa excelente escola técnica que só pude entrar por "incentivo" dos meus pais (e quando digo incentivo, quero dizer um "na marra" que hoje sou grato).

        A solução de aprovação automática é péssima, mas a "reprovação automática" também o é, ainda mais quando não há algum tipo de acompanhamento ao aluno que pode simplesmente não entender a importância do que ele estuda hoje e que pode servir pra alguma coisa amanhã.

        O que acontece é que, na tentatia de se reavaliar um método com equívocos, substitui-se por um ainda mais equivocado mas curiosamente mais fácil de se manusear – e que ainda geram "números bonitinhos", como índices de reprovação zero…

        Mas simplesmente ignorar o outro lado é muito cômodo pra quem vive longe desse tipo de problema.

  • Maria Irene

    Adorei o artigo. Em matéria de estudo, quem se esforça, estuda e tira nota boa é chamado de "caxias", "cdf". E ainda tem que aguentar o zé mané falando "escreveno", "pagano", "andano".

    Eu sou aluna de graduação de uma grande universidade, de renome inclusive. E comentei que meu ouvido doía quando escutava alguém canibalizando o gerúndio. E uma colega, boa aluna, me disse: "nossa, que mal tem?".

  • sinceramente, se ele vai aprender por causa de um notebook, não vejo mal algum… ele não está aprendendo, afinal de contas? queiram ou não, esse aprendizado vai fazer diferença no futuro!

  • Por acaso esse seu professor que distribuia fitas e medalhas se chamava Lourenço? Porque também sou do Rio e tive um professor que fazia isso também.

  • Ao meu ver, a grande questão está na finalidade desses notebooks. Há quem pense que não existe escola pública boa no Brasil, o que não é verdade. São poucas, sim, mas elas existem. Posso citar os CEFETs como colégios exemplo para nosso país. Por várias vezes, esses colégios obtiveram notas no ENEM próximas as de escolas com altos índices de aprovação nas melhores universidades do país. É possível ter escolas nesse nível? Com certeza. Não acho totalmente correto premiar alguns alunos do ensino público se muitos outros não tem condições de competir. Conheço gente com condições financeiras de comprar um bom notebook, porém estuda em uma escola pública boa. Nesse sentido, acho totalmente incorreto. Se premiassem alunos com bons resultados e baixa renda, aí sim concordaria. Ainda assim, acho que livros são melhores para nossa educação.

    • Os CEFETs e escolas técnicas são as melhores, pois não aceitam qualquer aluno. E não é de aluno qualquer que precisamos.

      • Não conte muito com isso, Kazuya, de acordo com o que está acontecendo atualmente no ensino público de São Paulo, nosso governador está querendo dar mais atenção ao ensino técnico em detrimento ao regular, logo, se prepare porque haverá uma certa facilitação na entrada de alunos nas cefets… Ou seja, o nível vai cair.
        Ontem na sala de professores do colégio que trabalho essa discussão veio a tona, por parte de um professor que leciona na Paula Souza. Portanto, tenha medo, mas muito medo!!!

        • Ainda bem que vou estudar na Fundação Nokia. E migração para as escolas militares.

        • Rafa

          De fato… As Escolas Técnicas no estado de São Paulo, pelo menos até a eleição passada eram produtos eleitorais, escolas que nem tinham sido equipadas ainda, nem com professores eram "inauguradas" (na verdade os alunos iam para as escolas técs. mais próximas ), só para constar nos números… As escolas que já existem, recebem um orçamento pífio e muitas só conseguem uma infra-estrutura razoável por possuírem uma APM forte.

      • Exatamente esses "alunos privilegiados" que acabam recebendo os grandes benefícios. Entretanto, boa parte desses alunos tem condições financeiras de comprar um notebook, por exemplo. Se não, está acima da média salarial do país.

  • Ze Coxinha

    Sexy! Uhu! Quero um notebook tambem!

  • É que o país não se importa com os alunos, e sim com números. Se o aluno passou de ano estudando, gabaritando as provas, ameaçando ou subornando o professor eles estão cagando, desde que tenha o mínimo de aprovação (50%, creio eu). Conheço professores que dão ótimas aulas em cursinhos, por exemplo, mais têm que dar aula qualquer numa escola pública.

    E como vai funcionar esse aprendizado via notebook? O professor manda um documento do word e aluno estuda em casa? Até parece. Não acho que a qualidade do ensino depende somente do professor, mas uma maneira de aumentá-la seria mudar a forma como a informação é passada ao aluno. Onde estudo, os professores só fazem copiar conteúdo no quadro. Nem isso fazem, ficam mandando mensagens SMS enquanto mandam um aluno idiota que, obviamente, está precisando de nota copiar no quadro. A melhor maneira de ensinar é oralmente, usando o quadro apenas como complementação.

    E vão dar o notebooks para qualquer aluno? A coisa mais fácil é tirar uma boa nota numa provas de sistemas de avaliação de ensino. Criam questões para a pessoa acertar e criar uma falsa ilusão de que as boas notas que tiram é devido à qualidade do ensino, que non ecziste.

    • Com os notebooks vai ficar muito mais fácil. Os professores de física por exemplo, vão poder ensinar velocidade apresentando para seus alunos videos da dança do créu no youtube.

      • Rafa

        Convenhamos, tais vídeos serão mais uteis nas aulas de biologia ou quimica.

  • Raphael

    Tenho que concordar, ôh raça essa das pedagogas, não servem pra nada, vivem inventando moda. Eu acho 10!!! Pena q não gosto de matemática, mas gostava muito de matérias humanas(acho q esses prêmios poderiam vir por área específica). Outra coisa q acho legal são as escolas técnicas públicas, tem gente inteligente lá e às vezes

    sai algo legal dessas feiras de ciências como uma escada rolante em espiral(comprado por um shooping americano). Essa gente inteligente que condena isso talvez nunca tenha estudado psicologia(o behaviorismo por ex.) mesmo, talvez nunca tenham ouido falar de "estímulos". Mas no país da aprovação automática, até na educação tudo acaba em pizza. Por isso q gosto das instituições de ensino militar (Escola Naval, IME, ITA, etc) os primeiros colocados no último ano e ao término do curso tem oportunidade de fazerem intercâmbios, viagens, prêmios escolares. Os tem condições de brigar por isso brigam, mas mesmo assim continuam amigos( ninguem fica puxando o tapete do outro), eu sei disso por que eu vim de um lugar assim. E acho q as escolas públicas deveriam aprender a receita de lá.

  • Vivian Martins

    Acho excelente esse tipo de incentivo.Apesar de não gostar muito desses presentes para bons alunos(acho que é muito melhor algum tipo de reconhecimento,só para que haja incentivo,para mostrar ao aluno que vale a pena mesmo estudar),na situação que o ensino está(com as pedagogas querendo nivelar por baixo a qualquer custo),qualquer tipo de incentivo é válido.
    Estudo numa escola em que,além de incentivo pra alunos com boas notas não há medo de punir maus alunos.Resultado:grande quantidade de alunos repetentes e que são expulsos,mas também a melhor escola da cidade,de acordo com o ENEM,e respeitada como tal.Claro que qualquer pedagoga que vir isso vai vir dizendo que a escola está formando aluninhos com problemas,que os aluninhos "com defasagem de aprendizado" vão se sentir inferiores e mimimi,mas a verdade é que não há nada mais gratificante pra alguém que estuda muito e tira nota boas do que um estímulo,e que a competição é sim saudável,e dá resultado.

    • É verdade. O que mais me estimulou no cursinho foi o prêmio de R$ 150 para o primeiro lugar no simulado. Já na escola a única coisa que dão são aqueles videogamezinhos dos anos 80 com 99 jogos que só têm tetris e uma corrida muito tosca.

  • Pingback: Cabresto sem Nó » Blog Archive » Rapidinhas de fim de semana de alguns blogs()

  • Rafa

    "Quero ver agora, quando algum chato chamar esses estudantes de CDF, eles podem responder 'FODA-SE, com isso ganhei um notebook, e você?'"

    E o chato responde: "Perrrdeu Preiboy! Passa o note!", ou quem sabe o que tá com o notebook responde "Ki nada merrrmão, dei um [nº do artigo penal] no otário ali!"

  • Viva a meritocracia. Até que enfim, pelo menos uns poucos alunos irão crescer sabendo que estudando eles podem conquistar o mundo, nem que seja o mundo em sua volta.
    Parabéns Cardoso, seu site é muito bom. Já te acompanhava no MeioBit, agora tenha certeza, continuarei na sua cola aqui também.
    Um abraço.

  • Zé Man&eacute

    Aluno que se esforça não merece apenas um notebook, merece bolsa de estudos integral.

  • Cardoso, sou seu leitor a pouco mais de um ano. Embora eu não escreva tão bem quando você, só tenho a agradecer por você não ter medo de expôr sua opinião, que por coincidência (ou não), sempre são iguais as minhas.

    Seus textos tem ficado cada vez melhor. Agradeço sinceramente.

    OBRIGADO.

  • goblessamerica

    dinheiro de impostos comprando notebook pra aluno pobre é comunismo. no bom e capitalista Estados Unidos da América os moleques tem q cortar grama nas férias se quiserem um note.

    • Não é pra aluno pobre, é pra aluno bom.

    • Pelo visto na "América" não ensinam os alunos a interpretar textos.

  • Vou imprimir, colocar no mural das escolas em que leciono e, depois, agüentar umas pedradas (e vou agüentá-las muito feliz).

  • Igor Harã

    ééé

    a coisa ta preta mesmo!

    Vejo que logo logo terei que abandonar esse país! Criar meu filho, quando tiver um, em outro país melhor! Aqui nada presta mais!

  • Eu acho que estimular a competição poderia ser considerado errado se vivêssemos, de fato, em um país comunista. Mas essa não é nossa realidade e acho que, mais cedo ou mais tarde, a competição vai chegar.

    A questão com a qual me preocupo é se os garotos não vão sofrer alguma consequência ruim por entrar mais cedo em contato com ela, seja do lado dos vencedores ou do lado dos perdedores. Sim, pois eu acredito que para algumas coisas na vida existe um tempo certo para as coisas acontecerem…

    Um exemplo claro disso, na minha opinião, é o contato com as drogas, sexo e, até mesmo, a internet. Vai dizer que quando você pensa no futuro não se preocupa com o seu filho escrevendo miguxês e acessando sites pornográficos quando você ainda nem se deu ao trabalho de explicar pra ele a palavra "pa-pai" ou a historinha da cegonha…

    Não sei…muito a se discutir sobre o assunto.
    Belo post.

  • Cardoso

    Acho muito bom esse negócio todo de estímulo e tal, mas que seja o ano todo, em todos os anos escolares, como as estrelinhas e medalhas do seu tempo.

    Dar um notebook de premio para quem for melhor vai fazer todos estudarem para esta prova, subindo assim a média da avaliação do ensino que o estado aplica. Mascarando a falta de ensino e vontade da maioria durante o ano todo, ou melhor, durante a vida escolar toda e pior ainda, mascarando o péssimo ensino que é oferecido.

    Quem sempre estudou vai ganhar, claro e óbvio, mas a galera que passou "nas coxas" vai ter um incentivo para fazer o que o estado quer, subir na avaliação anual, o que torna as coisas um pouco diferentes…

    Como eu disse, incentivo é muito bom, mas que sejade bom coração e sem interesses por trás, cmo bom samaritanos que somos, acreditamos nisso não é? Hein? Hein? (notou o sarcasmo nesta ultima frase? Hein? Hein?)

  • eduardo luiz

    É verdade! Falha na matrix!

    Principalmente no cérebro de pessoas com pensamentos como o do nosso digníssimo autor do texto abaixo.

    Não sou contra privilegiar alunos super-dotados (aliás, alunos ‘dotados’ já não seriam ’super’ diante dos que não são dotados?), mas sou contra privilegiar alunos que são ditos ou aclamados ‘dotados’.

    Diante da pérola do texto abaixo, posso então deduzir que alunos esforçados que possuem dificuldade motora ou dislexia ou qqr tipo de anomalia que faz com que demorem no seu sentido de compreensão, nunca receberão os tais notebooks por demorarem talvez um pouco mais para compreender ou fazer as matérias e trabalhos?????

    Que desculpa mais esfarrapada!!!!!

    O autor que me perdoe. Não quero ofender e acredito que cada um tem sempre seu ponto de vista e temos que respeitar isso. Afinal, somos humanos, não é mesmo?

    Mas a única frase correta do texto abaixo é: “Bom Trabalho traz recompensa”. Sempre!

    Foi assim que um dia já distante mas sempre inesquecível em minha vida fez com que eu tirasse o único ‘10’ em Matemática de todo meu ginásio.

    Esforço, suor, dor-de-cabeça, timidez, e muitas e muitas falhas na matriz depois – consegui!

    O ‘incentivo’ foi o olhar do professor e dos colegas da sala me dizendo que se eu me esforçasse eu conseguiria.

    A recompensa?

    A mais simples e a mais profunda possível – o olhar de aprovação do professor e dos colegas da sala.

    “Bom Trabalho traz recompensa”. Sempre!

    Que tal se esforçar para ter a satisfação de passar de ano? Que tal se esforçar para conhecer o que os livros têm a ensinar – e aqui abro um parênteses enorme para incluir TAMBEM a Internet.

    Mas se esforçar para ganhar um notebook? E depois? A próxima etapa será para ganhar um carro? Um apartamento?

    Que bom – espero que o autor da pérola abaixo esteja vivo para ver que nossas queridissimas ONG’s, Estados e Governo não possuem nem 1/10 desses incentivos.

    É como ter 10 crianças, dar um doce para uma e falar para as outras: “Olha, daqui a pouco a gente volta”

    O que nossos jovens precisam aprender é que o estudo SEMPRE traz resultado positivo.

    Não sou contra dar notebook, mas usar notebook para localizar textos prontos, decorar e entragar como se fosse de uso próprio só para dar mais um ‘salto’ na escala ‘super-dotativa’ é de uma ignorância de dar dó.

    Conheço alguns rapazes ‘identificados’ como ‘super-dotados’. Alguns realmente o são e merecem o rótulo com honras.

    Do lado de lá, existem aqueles que nem sabem o porque de terem sido rotulados – e assim vão vivendo.

    O que vai (e já está acontecendo) é que vão mensurar algum tipo de quociente cerebral com uma escala de notas que vai de tanto a tanto e que vai fazer parte de um Relatório-com-nome-pomposo.

    Infelizmente algumas pessoas – como o autor do texto – só entendem o sentido de ‘esforço’ quando é para ‘ganhar’ alguma coisa material e não para absorver ou aprender por si e para si próprio .

    • "Para si próprio" -?!?

  • Se todo o dinheiro que os políticos roubam dos brasileiros todos os anos fossem gastos apenas comprando notebooks (pensa bem: é notebook PRA CARALHO!); se todo esses notebooks chegassem nas mãos dos melhores alunos de cada escola do Brasil; e se apenas 1% (UM POR CENTO) desses alunos aplicassem a ferramenta (notebook) para adquirir mais conhecimento… aposto qualquer coisa, o Brasil seria umas 300 vezes melhor!

  • Concordo, esse lance de amenizar a competição é uma trela que deram para `pedabobas`de coração mole. Resultado: uma grande massa de idiotas ou mão de obra barata na melhor das hipóteses. Aviso: o mundo é competitivo, pois o humano, por incrivel que pareça (oh!), funciona como tudo na natureza, não está dissociado dela. Aos vencedores as batatas. E que esses ajudem a criar um país decente.

  • Até que o toshiba não é tão ruim assim, né?

  • Pingback: Vários assuntos para um dia de domingo | 30 & Alguns()

  • Legal pra caralho! E foda-se que é MSN e Orkut, que seja! O note é dele, ele fez por merecer! Que veja pornografia o dia inteiro e morra de desidratação de tanto bater punheta.
    Nivelar por baixo é um negócio que eu nunca entendi!

  • O conhecimento deve ser buscado, não apenas absorvido através do que os professores repassam…com certeza os alunos com melhores notas buscam algo mais e tem interesse em aprender, então, por quê não beneficiá-los e incentivá-los?

  • Pingback: Entremundos » Blog Archive » Gabriel Meissner Recomenda #3 – O que andei lendo na blogos()

  • Joseph

    Adorei a parte em que os "CDFs" tem a razão de mandar logo um FODA-SE aos que zombaum de sua capacidade intelecta. Chega dessa de acharem bonito alunos ficarem de recuparação e zoaar até num kerer mais.. !!!

    Já era hora DE algum governante recompensar os mais esforçados !!

    Apóio e parabenizo o governador Ségio Cabral pela iniciativa !!!

    Os notbooks, além de ser um prêmio pra lá de estimulante e´sem duvida tmbm uma porta para o mundo aos estudantes limitados ás bibliotecas escaças e com lvros ultrapasados sem exemplos reais!!

  • carina

    Eu acho que foi uma boa iniciativa para incentivar os jovens a estudarem, porém, os alunos não devem estudar só para receberem algo, mas sim porque é o nosso dever.

    Deus se agrada de quem se esforça, ele diz que temos de adquirir conhecimento.

    Eu dou os meus sinceros parabéns para quem ganhou os laptops.

    E você que não se esforça para estudar, a partir de hoje mude seu jeito de ser porque há uma recompensa para os esforçados.

  • Luiz

    Só queria saber se alguem já sabe que tipo de notebook que estão dando?

  • maria eduarda

    QUERO SABER OS NOMES DOS ALUNOS.

  • carina

    oi eu queria saber como faço para saber se eu ganhei notebook

    pois sai da escola onde eu fiz a prova e como faço para saber .

    Obrigada pela atenção

  • JuliaAmaro

    Mais vale comprar um netbook barato no site http://www.chinabuye.com/computer-accessories/net… do que os notebooks que dão aos estudantes segundo o que ouvi.

  • Maicky

    Conheço uma pessoa que ganhou o notebook, e ela me disse, que o notebook incentivou os alunos da sala dela a estudarem mais, porque os mesmos viram que ela ganhou, com isso a escola saí ganhado, com as melhoras das notas escolares, etc. Acho que essa ideia de "dá" notebook para os ganhadores é um tão chamado "mérito" ; por sabermos que somos capazes… Isso esta fazendo com que os alunos se esforcem (Briguem mentamente para atingirem os objetivos; a tal conquista) para consegui-lo. Abraços, esse é meu ponto de vista e de outras pessoas!

  • raquel

    o notbook do estado é windows7 ,xp ou windows vista ?