Podem me chamar de petralha mas dessa vez vou bater palma pra bandido

A televisão ensina pra gente que se você passar a menos de 500Km de uma cidade pequena do Sul dos EUA, você já era. Ou vai ser devorado por canibais, ou será morto por fantasmas ou cairá nas mãos de um xerife corrupto e um juiz do mal, sendo mandado para a cadeia e abusado e espancado por guardas cruéis. Ah sim, que você não seja negro, isso não ajuda.

Na prática, como sempre o mundo não é tão preto e branco, nem todo policial é um monstro sádico e nem todo bandido é um psicopata assassino cruel e desumano. Essa realidade permite que coisas legais aconteçam, como aconteceu no Condado de Polk, na Geórgia.

Um grupo de presidiários estava trabalhando limpando um cemitério local. Estava quente, muito quente. O guarda que os vigiava começou a sentir sinais de insolação, agravada por ele sofrer de Síndrome de Arnold-Chiari, uma má-formação da base do crânio que reduz o fluxo sanguíneo para o cérebro, e acabou desmaiando. Os cinco seis prisioneiros se depararam com uma situação ideal: O porco inconsciente no chão, a van com chave na ignição, a arma do guarda no coldre aguardando ser roubada.

Fosse um filme do Spike Lee o sujeito seria torturado e morto ali mesmo. Só que a realidade costuma ser melhor que Spike Lee. Os prisioneiros socorreram o guarda, tiraram o colete pra que ele respirasse melhor, afrouxaram o cinto sem tocar na arma. Pegaram o telefone do guarda, chamaram 911, seguiram as instruções e esperaram o socorro chegar.

No final o guarda se recuperou, e sua família agradeceu aos prisioneiros preparando para eles um almoço no parque, mas não ficou só nisso a história. O Xerife do Condado classificou o ato como “heróico”. O guarda também elogiou a turma. “Nenhum dos meus caras fugiu, nenhum deles fez nada que não deveriam ter feito.”

O Juiz do Condado de Polk, outro que segundo tudo que a gente aprendeu na TV deveria ser o diabo em pessoa, ignorou o estereótipo e acatou a recomendação do Xerife. Os cinco seis prisioneiros receberam uma redução de 25% na pena.

Fonte: NBC


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Eu vi. Eu estava lá… Eu era uma lápide…

    Brincadeiras a parte. Ótimo texto que mostra o porquê dos Vorlons não ter desviado um meteoro para a Terra ainda.

  • Aguardando comentários começando em “Se fosse no Brasil…”

    =P

    • Diogo Nóbrega

      Se fosse no Brasil, os caras não estariam sequer trabalhando… HUE

      • Estariam é usando o guarda de refém, o mesmo estaria esperando sua parte do resgate enquanto jogam truco e tomam cachaça, ouvindo samba e vendo um jogo do Pelé.

      • Alvaro Carneiro

        CARALHO melhor resposta de 2017. PQP… obrigado.

        Cardoso, favor fechar os comentários.

    • Wagner Felix

      Se fosse no Brasil não iriamos ter a chance de falar “se fosse no Brasil” :v

  • Henrik Chaves

    Que história linda, cara… Tipo da coisa que melhora o dia da gente. =)

    Vou até compartilhar no face… Não. Deixa para lá. Duvido muito que alguma interação por lá faça algo para melhorar.

    • Compartilhar o que quer que seja do proveitoso no facebosta é, realmente, jogar pérolas aos porcos.

  • Como eu aprendi ontem no Twitter, nos EUA até os terroristas cumprem a lei.

    • Michael Loeps™

      “Me desxul

  • Jeferson Dias

    Olhando essa história daqui do Brasil na atual circunstância, dá pra dizer que é inacreditável. Mas às vezes somos surpreendidos.

  • Bruno Ligiéro

    Petralha!

    Ué… Você disse que podia!

  • Flávio Simões

    Na versão que vai sair da Cynarão, o guarda teve o mau estar enquanto chicoteava os presidiários. O condenado transexual negro, aos prantos impediu que os brancos (detentos por não pagar pensão alimentícia) abandonassem aquele velho guarda a própria sorte. O outro presidiário que era cisnegro e transfluid, perguntou para o outro presidiário “Mãe, porque os outros condenados querem oprimir como os nossos opressores, e manter o ciclo de agressividade imposta pelos eurobrancos?”. Gertrudes (o terceiro detento negro da foto), emocionado falou “Apesar dos seus seis meses de idade, és muito sabia Nina”.

    • Rodrigo

      Eita, porra, quanto recalque!

  • E essa história não é fanfic.

  • Rodrigo Silvério

    Só percebi os “cinco” corrigidos por “seis” depois que olhei atentamente pea foto! Kkkkkk

  • Saul Goodman

    Só eu fui politicamente incorreto o suficiente para deduzir que o Cardoso só havia contado 5 prisioneiros por não ter notado o segundo elemento?

    • Guilherme

      Caramba, é mesmo!!! Eu mesmo só estava contando cinco….

  • Pedro Lira

    País onde o sistema prisional funciona minimamente (pois é garotos, Oz é menos ruim do que Pedrinhas) é mais fácil. No Brasil presídio é pior que o inferno dantesco