Trump banindo muçulmanos? Já vi esse filme e não dei a mínima (e você também)

Nossos cérebros adoram comparações, analogias, é a forma mais simples de entender o mundo, por isso tudo que não tem gosto definido a gente diz que parece com frango e nos damos por satisfeitos. Comparações não precisam nem ser razoáveis, você pode até ser (não seja!) aquela moça no Twitter que comparou a São Paulo de João Dória, dando banho em mendigo,  com… Auschwitz. 

Como é natural as comparações com elementos de cultura pop são as mais comuns, mesmo as obscuras. Eu chutaria que 99% de quem replica o meme José Serra/Nosferatu nunca viu o filme, embora reconheça a imagem. Com a censura dos perfis de órgãos científicos em redes sociais impostas pelo Governo Trump, um monte de contas alternativas surgiram, e naturalmente convergiram para se identificar com a Aliança Rebelde.

Alguns até diretamente, como o RogueNOAA (thanks André)

Sejam os Cientistas Rebeldes, seja o Batman do Leblon, seja Chaves, a cultura pop permeia nossas vidas. Gerações inteiras estão sorrindo ao ver este vídeo:

A parte interessante é que não há relação direta entre a precisão da analogia e sua popularidade. E Um acontecimento no mundo real pode trazer à tona uma analogia obscura, uma referência pop esquecida mas há um limite, percebi isso com a história do Governo Trump barrando imigrantes de países muçulmanos associados ao terrorismo desde que não sejam os sauditas.

Há uma referência que se encaixa perfeitamente, é quase profética, é este filme, Nova York Sitiada:

É de 1998, o filme é tão antigo que é da época em que terrorismo árabe estava tão fora de moda que era seguro fazer um filme sobre o tema. Na história vários ataques fazem com que as autoridades de NY comecem a cercar os bairros muçulmanos, e até campos de prisioneiros são criados.

É exagerado, panfletário, maniqueísta, tem Denzel, Annette Benning e até Bruce Willis. E é uma bosta.

Por tudo que sei esse filme deveria estar bombando (sorry), deveria render dezenas de memes, mas rigorosamente ninguém menciona, não vi um “a”. Sequer os canais que passam Sharknado cada vez que alguém se espeta com uma sardinha estão reprisando.

Antigamente eu diria que sou mais esperto que todo mundo e só eu peguei a referência, mas hoje não tenho a mesma percepção (embora a sensação seja ótima). O que posso concluir é que para algo virar uma referência pop é preciso ser mais que adequado. Há um caráter emocional envolvido. Se o filme, livro, quadrinho não gerou emoção, se não faz parte da memória afetiva das pessoas é apenas uma informação factual, e fatos hoje em dia não estão mais na moda.

Não consigo deixar de ficar um pouco triste pelos envolvidos com o Nova York Sitiada. O filme tinha tudo para ser loucamente falado, mas está passando em branco. Os hippies se perguntavam como seria uma guerra se ninguém fosse lutar. Agora sabemos como é um filme quando ninguém foi assistir.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever. Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.

Leia Também:

  • Dandalo Gabrielli

    Quem me lembre nos EUA ele teve algum problema sim. Várias associações arábes protestaram e o estúdio o atrasou em 2 semanas. Mas nada se comparado com o que houve em “a Entrevista” com a melhor Coréia como pano de fundo.

    Agora como este filme é “profético”, duvida que seu diretor pensasse isso.

    Você devia ser mais bonzinho com ele, é dele o coragem sob fogo, onde a Meg Ryan faz uma oficial que parece ter saido de seus textos… :)

  • Vinicius Zucareli

    Cardoso, de novo você com a história da censura do Trump. Bata nele pelo que ele merece, e não em noticias falaciosas.

    Deixei um comentário bem elaborado no post anterior, mas acho que voce não leu

    • Eu li. Um belo amontoado de bosta.

      • Vinicius Zucareli

        Excelente argumento!

        • Que ainda sim continua sendo melhor que aquele teu comentário.

          • Vinicius Zucareli

            Meu Deus! Como você é um bom argumentador! Apresenta fatos e argumentos de maneira coesa e coerente.

            Sua mãe deve estar orgulhosa!

            Lacrador!

          • Garanto que minha mãe está bem orgulhosa de eu não ser um favelado asqueroso politizado de facebosta que nem você.

          • Vinicius Zucareli

            Claro, você é lacrador! Nada mais importante nesse mundo, né?

          • Não tão importante quanto ser um favelado asqueroso politizado de facebosta, admito.

          • Vinicius Zucareli

            Mas você conseguiu ser os dois, parabéns!

    • Bom, ele tentou proibir completamente a entrada de pessoas com vistos válidos vindos do Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen. Andaram fazendo a Laranja Mecânica voltar atrás, mas que ele tentou, tentou.

      Não dá para chamar fatos de falaciosos quando, enfim, são verdade, certo?

      • Vinicius Zucareli

        E eu falo y, você argumenta z.

        Eu falei sobre a censura, que é 100% fake News.

        Já barrar imigrantes com visto, não está escrito na ordem executiva, porém de fato foi feito. Mas, de novo, não fazia parte do meu argumento.

        Argumentar fatos é importante, disse pra brigarmos quando ele cagar, não precisa mentir e fazer fale News.

        • O post falava de Y e você veio reclamar de Z, então minha confusão foi natural.

          Mas de qual censura fake news você estava falando? A de que o Trump mandou um cala a boca para agências de meteriológicas que falavam do problema real aquecimento global? A de que o Trump irá cortar investimentos nas pesquisas dessa área, enquanto apoia a indústria petroleira? O famoso muro? Qual?

          • Vinicius Zucareli

            Minha intenção era avisar o Cardoso de que ele estava espalhando fake News, talvez sem saber. E talvez ter discussões saudáveis, mas se você não vai nem se importar em ler o que eu tinha escrito, então obrigado pelo seu tempo, não vou tomar mais dele

          • Calma, cara. Sua briga foi com o “V” de bigodinho.

            Minha pergunta foi real: a qual “censura fake news” você estava se referindo?

          • Não sei se você percebeu, mas se falam mal do Donaldinho, o vini fica todo choroso.

            Ele diz que o que órgãos como CNN, Globo, Folha e outros notíciam não é verdade. Pelo visto ele acha que a verdade só sai nas páginas do facebosta que ele segue.

          • Não sei se esse é o caso, mas tenho visto bastante disso no MeioBit. Tem uns cabrones lá que se condoem com informações contrárias a suas crenças.

          • Mas eles defendem a liberdade de expressão.

          • E, alguns, intervenção militar…

  • Rogério Rizzato

    Conheço bem o sentimento da coisa perdida da cultura pop que ninguém se importa. Me orgulho dos textos que escrevo por serem as vezes os únicos em português sobre uma série ou filme, as vezes nem na Wikipedia tem, mas no fundo o motivo pra ninguém mais lembrar é que ninguém mais se importa. (as vezes com razão, cada coisa horrível que tem por ai, como aquele seriado em CG da Playboy, que nem no IMDB ele consta)