Da irrelevância de ofender que não me lê

É comum receber comentários irados de gente que caiu de paraquedas, leu algo que considerou ofensivo e por sua vez promete nunca mais voltar.

Entre as várias posturas possíveis, a mais prejudicial ao blog é se preocupar.

É um fato: Não importa o quê você escreva, para quem, de que forma, alguém vai ficar ofendido. Exemplo: Hoje comentei no Twitter sobre um comercial antigo da Telecom Italia, “Ghandi”, que acho absolutamente lindo. Assista:

O conceito é lindo: Sociedade de informação, todos unidos assistindo das mais variadas formas um discurso de Mahatma Ghandi. “Imagine como seria o mundo se ele pudesse se comunicar assim”

O resultado? Um sujeito apareceu pra comentar:

“É muito escroto ficar cooptando símbolos de valores universais como esses para se vender stuff.”

Eu perguntei se a família dele tinha costume de trocar presentes no Natal, como não respondeu, era só mais um hipócrita, apertei o foda-se (também conhecido com ban, no twitter) e esqueci.

O ponto é: Não importa o quão legal algo seja, sempre alguém vai se ofender. Seja um comunistazinho de butique reclamando quando o Augusto usa uma imagem do Che Stallman no BR-Linux, seja um conservador quando você diz que não acha que os gays deveriam ser exterminados imediatamente ao chegarem nos campos de “reeducação”, seja por uma feminista em ECP (Elevada Carência Peniana) ao perceber que mulheres mais bonitas recebem mais atenção e o mundo as trata melhor.

“você muito menos, minha tia”

O segredo para a ofensa não se virar contra o ofensor, é que ela nunca deve ser direta. Os melhores casos de “ofendidos” são de gente que caiu de paraquedas, não tem nada a ver com a conversa, e nem deveria estar ali.

Vejam por exemplo o excelente comercial “Catfight”, da péssima cerveja Miller:

São duas donas boas discutindo sobre a cerveja. Acabam brigando, arrancando as roupas num chafariz, terminam se agarrando. Aí vemos que são dois caras num bar discutindo como seria o comercial de cerveja ideal.

O filme rendeu 400 cartas para a cervejaria. 50% apoiando, 50% reclamando. A mídia, que adora um bafafá, “denunciou” a exploração das mulheres, a objetificação do corpo feminino, bla bla bla, aquele tipo de coisa que vira até Lei, em países que resolveram todos os seus problemas e podem gastar tempo legislando sobre comercial de cerveja.

Agora onde o buraco é mais embaixo: Das cartas de protesto, a maioria absoluta era de mulheres, de mais de 40 anos, com filhos.

O comercial passava em intervalo de jogos de futebol e esportes em geral. Onde a demografia é basicamente… masculina. Pouquíssimos homens reclamaram, mesmo assim imagino que por causa da mulher chata exigindo que o fizessem.

O que temos: Um comercial que fez sucesso entre seu target, e desagradou quem não consome cerveja, não tem decisão de compra e não tem uma imagem positiva do produto, pra começo de conversa.

Se a Miller deixasse de produzir o comercial por medo de ofender as matronas, perderíamos um excelente filme, a troco de quê? Comerciais politicamente corretos que não despertam sequer um bocejo?

Um blog pode e deve se preocupar em não ser ofensivo. A seus leitores, a seu público-alvo. Se eu começar a publica horóscopos ou propaganda política do Bispo Macedo estarei ofendendo 100% de quem me lê, já se publicar textos mostrando falcatruas de igrejas, ofenderei quem nunca foi meu leitor.

EU acho que o mais lógico é não me preocupar com quem não me lê. A alternativa, ser bonzinho, legal, “isento”, meramente informativo, quem acompanhou o experimento que fiz no MeioBit por um tempo sabe o quanto isso é chato. E se for assim, melhor nem ter blog.

Quanto aos incomodados, a porta do blog é serventia da casa.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • É por essas e outras que a coisa que mais gosto no WordPress é o botãozinho de "rejeitar". Sequer me preocupo mais com esses leitores paraquedistas malucos que fazem de tudo para ganhar um post dedicado a eles. Abstrai completamente disso quando vi que cada vez que escrevo as palavras "gay", "Bahia" e "Deus" aparecem ao menos 5 me condenando ao limbo.

    • Mais as vezes usar palavras que atraem paraquedistas não seria uma boa forma de ganhar dinheiro já que os paraquedistas são os que mais clicam em adsense?

      <abbr>Abelardo – último post do blog… Projeto de Vida</abbr>

  • Cardoso você já pensou em ser publicitário/marketeiro ou algo do tipo, ou até mesmo já pensou em transformar esses seus posts em palestras?! A minha opinião é que você deveria começar a dar palestras para o pessoal do marketing em geral e também para quem se interessa pelo assunto e tal. Eu não duvido que neste momento tenha funcionários de agencias de publicidade visitando seu blog com um caderninho na mão e anotando todas as "dicas" que você passa em seus posts, acho que se muito do que você escreve aqui fosse transformado em palestra você poderia fazer mais sucesso do que já faz.

    []'s

    @AbelardoDanger

    • Até onde eu sei, o Cardoso já foi publicitário, tem até uma historinha dele de que a primeira peça publicitária em que participou, como estagiário, foi um anúncio de página inteira em um jornal de grande tiragem.

      <abbr>Vinny – último post do blog… Nova rodada de revisões</abbr>

    • Eu não sou bom em falar em público ;)

  • Cardoso, o blog é seu e você comenta ou posta o que quiser. Pronto! Eu mesmo já estou cansado daquilo que chamamos de politicamente correto. Se vivemos numa democracia, temos portanto liberdade de expressão para falar sobre qualquer assunto doa a quem doer. Autenticidade é tudo. Você tem seu público que gosta do que escreve, e enfim, foda-se os outros. Ponto final.

    <abbr>Cidão – último post do blog… 10 fatos ruins sobre ser homem</abbr>

  • "aquele tipo de coisa que vira até Lei, em países que resolveram todos os seus problemas e podem gastar tempo legislando sobre comercial de cerveja."

    Clap clap clap pela sutileza.

    <abbr>Guilherme Atencio – último post do blog… A ignorância é uma benção</abbr>

  • Bruno Gama

    A verdade nua e crua é a retratada pelo nerdson neste link (http://nerdson.com/blog/egolinks/), ninguém estará satisfeito nunca e a partir do momento que colocamos um blog, seja ele pessoal ou de notícias ou ambos, existirão trolls dispostos a estorvar.

  • Catfight!
    O mais interessante é que no próprio filme da briga (linda briga) com os 2 caras as 2 moças estão olhando feio pra eles, perfeito, 50/50 :)

  • Pelo menos agora confirmou-se que a fase sem mojo do Cardoso no MeioBit foi um experimento.

    <abbr>Vinny – último post do blog… Nova rodada de revisões</abbr>

    • Rick Van Dehrer

      É mesmo. Sem contar os tópicos que ecoavam "Volta, Cardoso!", "Cardoso deve perder a insígnia de Sith", "Cadê o Cardoso que nós conhecemos e odiamos adorar" (OK, essa eu inventei, mas o espírito era esse), entre outros. Está na cara que ninguém muda daquele jeito.

  • O que mais gosto no blog do Cardoso é como ele trata tão bem os assuntos. Tem uma afinidade incrível com as palavras e consegue, com uma ironia intocável, fazer críticas arrebatadoras como essa:

    "… aquele tipo de coisa que vira até Lei, em países que resolveram todos os seus problemas e podem gastar tempo legislando sobre comercial de cerveja…."

    clap, clap, clap.

    Abraços,
    @Monthiel

    <abbr>Monthiel – último post do blog… Como receber mais comentários em seus posts</abbr>

  • Bigode

    “É muito escroto ficar cooptando símbolos de valores universais como esses para se vender stuff.”

    Lol. Vender stuff é um símbolo muito mais universal e aceito, e mais genuíno do que qualquer coisa que Ghandhi fez. Ghandhi nem um radical decente foi. Só idolatram o cara porque o peido dele não cheirava tão mal.

  • Cardoso, essa eu vou ter que discordar de você. A Miller é uma boa cerveja! :)

    <abbr>Fabio Seixas – último post do blog… Para Entender a Internet</abbr>

  • bom, o pessoal do ato ou efeito escreve o que quer e agora tá tomando processo de uma ong de vegetarianos…

    você não vai sair em defesa deles, cardoso?

    <abbr>Felipe Barros – último post do blog… Falta de interesse de uns e de planejamento de outros</abbr>

  • OK.

    Engraçado, que as pessoas sempre se contradizem. Elas querem que sejamos políticamente corretos no ponto de vista deles, mas ao mesmo tempo exigem que sejamos sinceros.

    Vejo que você, os demais blogs que costumo ler, e eu, prefirimos dizer o que pensamos.
    Na maioria das vezes, tenho pensamentos cruéis, assim como os seus textos, mas não deixam de ser pensamentos realistas.

    E na maioria das vezes, quem nos julga, não tem embasamento. Pelo contrário, sempre partem para alguma ofensa pessoal ou vaga.

    []'s

  • Tai, 100% certo.

    <abbr>cilene – último post do blog… Foto e vídeo do menino Paulo que o Brasil entregou para um pedófilo norueguês</abbr>

  • Rodrigo[NightSpy]

    Existe um belo "contra" em levar um blog ou até uma vida na base do "foda-se", mas entendo que uma hora cansa e se torna necessário.

  • DP

    Sabia que voce tava fazendo algo no Meio Bit. Até suspeitei que voce tava de ferias e botou alguem pra postar em seu nome, mas nao podia acreditar que tinha feito isso. Voce postou algo sobre o experimento? Perdi ou é confidencial?

  • Fabiano Martins

    "alternativa, ser bonzinho, legal, “isento”, meramente informativo, quem acompanhou o experimento que fiz no MeioBit por um tempo sabe o quanto isso é chato"

    Imagino o esforço que você fez para realizar este experimento, pelo menos você aguentou mais tempo que o House.

  • Leitor

    "Toda unanimidade é burra", inclusive a dos blogueiros do sexo feminino, de classe media, filhos da sociedade de consumo e abaixo de 35 anos. Mas te incomoda quem discorda da sua opinião né sr. Cardoso, preferes a burrice à uma boa discussão. Prefere ficar afirmando o que te convém, estereotipando mulheres acima dos 40, enaltecendo o sexismo… Triste ler isso aqui de uma pessoa que ao meu ver pode muito mais.

  • Ah! Então foi um experimento esse que você fez no MeioBit. Realmente, o lugar ficou chato sem os seus comentários e citações maldosos.

    Esse negócio de "isentismo" em blogs é um saco. Quem tem que ter isento (ou teria que ser) é a imprensa. Blogs, para mim, tem que ter a opinião de quem o escreve. Não me lembro quem escreveu isso, se for para ler blog que tentam se manter "isentos" e ficam dando CTRL+C e CTRL+V de notícias, é melhor ler o Estadão.

    <abbr>Lucho – último post do blog… Big Brother é uma praga. E não importa o país.</abbr>

  • Enio Luiz Vedovello

    São duas pragas no mundo: os paraquedistas chatos e o politicamente correto. Respeito, sim. Mas sem chegarmos aos extremos.

  • Thiago

    Tá, agora alguém me explica pra tentar entender o argumento do Cardoso:

    O que seria, exatamente, uma "troca de presentes"?

    (Provavelmente mais um capítulo da novela "Infância – Uma coisa que você não teve")

    (Como resultado, se eu fosse perguntado pelo Cardoso provavelmente não responderia e receberia um lindo foda_se_pressed = 1)

    O mundo adora perder tempo com o politicamente correto.

    Fuçando o Digg ontem só por falta do que fazer, vejo que nos EUA já era aquela máxima bíblica do "Se não está fazendo algo errado, não há o que temer". Leis politicamente corretas que transformam o cidadão comum em ou criminoso passivo ou possível terrorista (ex. Fazer algo abominável como ser contra o aborto e a posse de armas, ou estocar comida, te põe na lista)

    Cada dia mais o mundo tá virando [cardoso]aquele lugar chato[/cardoso].

  • Bia Mosca

    Não só a porta do blog, mas de todo o mundo é serventia.
    Vc não conhece esse peso de ser mulher com mais de 40 e com 3 filhos, que tem um marido q não te come pq vc não é mais gostosa, e bate punheta por um comercial de cerveja. Enfim, have fun!

  • quando um indivíduo não gosta de alguma propaganda normalmente é porque ela não foi feita para ele. Na hora de decidir em qual veículo ou horário o anúncio deve sair a empresa corre o risco de: 1. Errar, e com isso ter gasto uma grana sem ter resultados. 2. Acertar, atingindo os objetivos propostos pela propaganda.

    O fato é que, mesmo que você acerte e faça tudo direitinho, não tem como evitar os "metidos" que nem sabem porque estão assistindo aquele programa ou visitando determinado site…

  • Eu adoro a cerveja Miller. Me sinto MUITO ofendido de te-la chamado de péssima! Hehehe, brincadeira…

  • O memso aconteceu quando escrevi sobre achar os covers de Metallica mil vezes melhor do que o próprio Metallica.
    Mais dos comentários eram ofendendo, teve um até desejando a minha morte. Mas azar, estou agradando quem me lê, quem me lê me conhece e sabe como eu sou o que gosto. Não vou virar uma hipócrita falando o que não acho só para fazer bonito com quem não me conhece.

  • Maria Silva

    "O que temos: Um comercial que fez sucesso entre seu target, e desagradou quem não consome cerveja, não tem decisão de compra e não tem uma imagem positiva do produto, pra começo de conversa." Voce etá falando das mulheres maiores de idade e com filhos? Oxente, eu sou mulher, bem maior de idade, adoro cerveja, nao tenho carencia de penis (graças a deus, risos) e também nao gostei do comercial. Nao tenho pesadelos por isso, muito menos é minha preocupaçao maior na vida. Só acho que voce tá vivendo no mundo de antigamente. Muitas mulheres também gostam de uma cervejinha. Acorda pra Jesus, risos! Mas o texto tá muito bem escrito.