Barack Trollbama? Não, senso de humor

Os EUA estão passando pelo tradicional apocalipse anual quando o Orçamento da União estoura as provisões, e o Governo ameaça parar. Os lados se invertem, quem está no Governo fica a favor de ampliar o Orçamento, quem está na Oposição fica contra.

Desta vez o debate se tornou público E participativo, Obama foi na TV e convocou o público a ligar para os congressistas, exigindo posições e decisões. Claro que o sistema telefônico do Capitólio capitulou. Era o que ele queria.

Também estão sendo realizadas entrevistas e debates nas redes sociais. A Casa Branca patrocina vários desses eventos, e está de olho inclusive na repercussão, coisa que muita gente que acha que tem a empresa nas mídias sociais não faz.

Melhor ainda: Eles sabem que a melhor forma de acalmar os ânimos é humanizar a situação, e que forma melhor de mostrar que é gente, não um bot ou um autômato do serviço público por trás do perfil? Humor, claro.

Foi o que descobriu David Wiggs, que postou o twit abaixo reclamando que o evento estava chato:

 

Snap166

 

Na hora a Casa Branca respondeu:

 

Snap165

 

“Desculpe ouvir isso, Política fiscal é importante, mas pode ser árida algumas vezes. Aqui está algo mais divertido:  http://TinyURL.com/y8ufsnp

O link, se você ainda não clicou, leva para o Clássico Rickroll.

Tirando um ou outro chato inevitável todo mundo adorou, inclusive o próprio Rickrollado, que respondeu com um “Loved it”

Com isso atraíram atenção para um debate CHATÍSSIMO (embora importante), mostraram que há gente como a gente por trás do perfil e deram atenção a um cidadão com 300 seguidores no Twitter, fugindo da idéia infelizmente comum de só interagir com “formador de opinião”.

A lição é clara como a neve: Você pode até ser a Casa Branca, mas não precisa ser Chapa Branca.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Realmente, seria interessante se todas as empresas tivessem um perfil no twitter um pouco mais humano.

    • Conto nos dedos da palma da uma mão os perfis de empresas no Twitter que efetivamente interagem com os seus clientes: Ponto Frio, Wallmart e Blockbuster (o primeiro muito mais que os outros). O resto? Agem só como divulgadores de promoções, basicamente :P

    • Verdade. E os "marketeiros digitais" ficam se descabelando que ninguém segue / dá RT / liga a mínima para os perfis de seus clientes, e inventam mil e uma acrobacias para chamar a atenção…

  • Cauê Madeira

    Se um twitter oficial do governo brasileiro fizesse isso no dia seguinte teríamos uma capa de alguma revista semanal de grande tiragem: ELES NÃO NOS LEVAM A SÉRIO com a Dilma fazendo uma careta.

    Por outro lado, se for a imprensa que fizer algo do gênero, no dia seguinte o governo ameaça regular os órgãos de comunicação.

    Claro que repercussão mala de tirar o seu da reta e tentar pôr no do outro sempre vai existir. Seja aqui, seja nos EUA. Mas aqui ela é levada a sério demais.

  • O USA estão passando por este pesadelo e muito pais contrário a política e ideais norte-americanos estão achando que é bom, mas na verdade como o USA é o maior pais consumidor, todos os que o atacam deverão também sofrer com a economia em queda dos norte-americanos.

  • HAHA muito bom!

  • Adorei. Não é qualquer um que pode dizer que foi rickrolled pela casa branca!
    Ainda bem que ainda há quem tenha sentido de humor, que tanta falta nos faz

  • Legal…A pior coisa é se levar muito a sério (mesmo que se trate da Casa Branca).

  • A instituição tem que ter muita, mas muita credibilidade off e on line antes de publicar algo menos sério e, ser interpretada corretamente, por público que sabe diferencial os fatos.
    Cardoso, parabéns pelas postagens.