A História de um Gato Guerreiro

simon

Em 2010 o Doutor Zahi Hawass, o arqueólogo mais famoso depois de Indiana Jones achou uma tumba de 2600 anos com 22 múmias no Egito. Entre elas algumas crianças, e junto, um cão, também mumificado.  Não foi a primeira vez, animais de estimação eram comuns em inscrições nas paredes das sepulturas egípcias.

Durante a XVIII Dinastia um sujeito de nome Hapymen ficou tão abalado com a morte de seu gato que mandou mumifica-lo e construiu um sarcófago de pedra, com encantamentos para que reencontrasse seu dono no pós-vida.

No Iraque e no Afeganistão cachorros não são bem-vistos, muçulmanos radicais os consideram animais impuros, então a vida de cão deles é pior que a média. Atraídos por comida muitos foram parar nas bases americanas. Outros foram levados por soldados, que achavam filhotes perdidos durante combates. Preocupado com doenças e higiene, o Pentágono mandou exterminar os animais de estimação em posse dos soldados.

Quando a ordem chegou quase todos os comandantes se recusaram a cumpri-la, foi o mais próximo de um motim que as forças armadas chegaram em muitos anos, com mais de um soldado dizendo que quem encostasse no cachorro do pelotão levaria chumbo.

Na Inglaterra há um memorial para animais que serviram em guerras. Um dos homenageados é Simon, um gato que em 1948 foi achado no porto de Hong Kong, faminto e esquelético. Levado a bordo da fragata inglesa HMS Amethyst pelo marinheiro de 17 anos George Hickinbottom, Simon logo fez amizade com a tripulação, pois além de brincar com todo mundo ele caçava ratos, algo bem útil em um navio. Subindo na hierarquia, Simon acabou dormindo na cabine do Capitão.

Perto do final do ano um novo capitão, Tenente-Comandante Bernard Skinner assumiu o comando da Amethyst, mas Simon continuou dormindo em seus aposentos.

O navio partiu para uma missão importante: Em 1949 a China estava em meio a uma guerra civil, que viraria a revolução comunista de Mao Tze-Tung. Com medo de que civis ingleses estivessem em perigo, um navio foi posicionado no porto de Nanking. Deveria supervisionar a remoção de civis ingleses. Apesar de terem salvo-conduto dos chineses, enquanto subia o rio Yangtzé, a Amethyst foi alvo de fogo pesado. Um tiro de canhão atingiu em cheio a cabine do capitão, ferindo gravemente o oficial e Simon, o gato.

Able_Seacat_Simon_(fair_use)

No final o navio foi feito prisioneiro. 17  marinheiros haviam morrido, outros tantos machucados, o capitão não resistiu aos ferimentos e Simon, que havia sido levado para a enfermaria e tratado dificilmente passaria daquela noite.

A moral estava péssima. Ancorados em um porto inimigo, proibidos de receber suprimentos, só não invadidos por questões diplomáticas, nada poderia dar esperança aos marinheiros.

Exceto a visão no dia seguinte de Simon, sem bigodes e sobrancelhas (queimados na explosão) mancando pelo convés. Se um gato conseguiu sobreviver a um tiro certeiro de canhão, eles também poderiam.

Por cem dias a Amethyst ficou presa na China. Durante esse tempo os suprimentos escasseavam, e os ratos se multiplicaram, mas assim que Simon se recuperou começou a caçá-los mais que nunca. Logo os únicos roedores que apareciam nos alojamentos dos tripulantes estavam mortos. Presentes que ele  deixava, afinal gatos são gatos.

Entre suas caçadas Simon visitava os jovens marinheiros feridos na enfermaria, dando carinho e atenção a quase crianças, doentes e longe de casa.

Quando viram que as negociações não dariam certo, a Amethyst fugiu, zarpando no meio da noite enquanto seguia um cargueiro chinês pelos 167Km de rio, até o mar e a liberdade. Foram alvejados repetidas vezes, mas Simon estava bem seguro dessa vez.

O Capitão, ainda no mar enviou um telegrama para a PDSA, uma instituição de caridade criada por Maria Dickin no Século XIX para tratar e medicar de forma digna animais cujos donos fossem pobres demais para pagar um veterinário. O PDSA havia instituído a Medalha Dickin, para animais militares que se destacassem em mérito e coragem. Vários pombos-correio e cães a haviam recebido durante a 2ª Guerra mundial, mas nunca um gato.

Simon foi aceito por unanimidade, sua história chegou aos jornais e ele se tornou celebridade. Logo passou a receber cartas, tantas que um marinheiro foi designado apenas para responder o correio do gato.

Chegando na Inglaterra Simon teve que ir para a quarentena, por seis meses. Uma cerimônia foi planejada para a entrega da medalha, mas faltando uma semana ele contraiu uma virose. Sequelas do ataque chinês deixaram seu coração fraco. Apesar do tratamento Simon morreu no dia 28 de Novembro de 1949. Nas palavras de um de seus biógrafos, “o espírito de Simon deslizou silenciosamente para o Oceano”.

Centenas de pessoas compareceram ao funeral de Simon, a revista Time publicou um obituário e até hoje sua sepultura no cemitério de animais de Ilford recebe visitas.

Simon-the-cat-640

Animais de estimação, ao contrário de humanos recompensam lealdade com lealdade, sem interesses, sem chantagens. São nossos companheiros mais fiéis, não nos julgam, não nos criticam. Eles sabem quando estamos tristes, sabem quando precisamos de atenção.

De todos os filmes de ficção científica os mais improváveis são os que mostram um futuro sem animais de estimação, pois todo mundo que convive com bichos sabe que, assim que colonizarmos outros planetas, assim que tivermos espaço e acomodações suficientes traremos nossos companheiros peludos, dando continuidade a uma amizade de milhares de anos.


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional SKO4

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • kenji

    E pensar que estamos falando de um gato, unânimes em sua indiferença!
    Só brincando, animais são muito bons, e geralmente em momentos de necessidade a empatia deles é absoluta.

  • maccrow

    Texto muito bom. Estava sentindo falta dessas histórias de caserna. ótimo mesmo!

    [ ]s

  • Brilhante Cardoso, talento e qualidade em seu texto, gosto muito deste teu estilo de escrever, quando crescer quero ter esta qualidade e discernimento!

    Abraço

  • Post emocionante!

  • Gabriel Nunes

    Excelente texto, como sempre. Mas uma pergunta: o que o Tom Hiddleston está fazendo em uma foto de 1949? :P

  • douglasab

    Olá Cardoso. Ótimo texto, como muitos que você escreve por aqui. Este eu gostei mais ainda, particularmente pelo tema e pelo título, que remeteu a um dos gatos que tive, cuja história contei um dia também:
    http://douglasab.wordpress.com/2011/08/03/e-o-gue

  • Tiago C Oliveira

    Excelente, como sempre! Sua habilidade de pesquisa e conhecimento histórico são invejáveis, meu caro.

  • Reconfortante.

  • Maria v.Lustig

    Oi Alex adorei está do gato guerreiro bjs tu suegra que gosta muito de você

  • Roberto Romano

    Excelente Texto !!!!!!

  • Fernando

    Me lembro de um conto de Arthur C. Clarke em que um astronauta leva um canário pra uma estação espacial só pra ter um bichinho de estimação e por curiosidade de saber como um pássaro se comporta sem gravidade. Spoiler. O canário salva todos ao desmaiar por falta de ar.

  • Não conhecia a história de Simon. Sabia das grandes proezas de animais no campo de batalha.

  • maldito cisco no olho!!!!

  • Said

    Lindo texto

  • De todos os filmes de ficção científica os mais improváveis são os que mostram um futuro sem animais de estimação, pois todo mundo que convive com bichos sabe que, assim que colonizarmos outros planetas, assim que tivermos espaço e acomodações suficientes traremos nossos companheiros peludos, dando continuidade a uma amizade de milhares de anos.

    Capitão Archer aprova essa afirmação :)

    • George

      De fato, de fato…ele só tem cuidado para não adular muito o Porthos dando-lhe queijo, pois o Dr. Phlox disse que em excesso faria mal para a saúde do bichinho.

      PS: depois de ter acompanhado o seriado Enterprise no início dos anos 2000, voltei a assistir agora, um por um, e na sequência usando o Amazon Prime e um bom proxy. Excelente seriado, com excelentes personagens.

  • Enrico De Picciotto

    ótimo!!!

  • Tiago

    Tem uma moldura desse gato no Imperial War Museum em Londres, tirei até uma foto.

  • allansique17 .

    Muito bom o site, vou recomenda-lo no meu blog: kicamisetasblog.blogspot.com.b…
    http://www.kicamisetas.com.br

  • Web Carros Online

    Suor de macho saindo dos meus olhos!
    Manda Nudes?

  • Arthur Santos

    Por causa dessa história, já tenho mais um site pra seguir.