Brasil, onde logística significa “melhor comprar na loja”

Compras de catálogo não são nenhuma novidade, o primeiro desses serviços foi criado para vender livros, em uma época onde isso ainda era um negócio viável, em 1498 em Veneza, pra ser mais preciso. Com o tempo o conceito foi se aprimorando e com as ferrovias integrando o país, o mercado de catálogos estourou nos EUA do final do Século XIX.

Era uma mina de ouro, empresas como Tiffany, Sears e a JC Penny vendiam para o país todo, sem precisar manter uma rede de lojas. Onde o Correio chegasse, eles chegavam e como não tem Curitiba nos EUA, não sumia nada. A publicidade na época era muito mais descritiva, o consumidor precisava ser convencido com argumentos factuais, não havia compra de impulso. O processo de escolher produto, recortar cupom, ir no correio  dava tempo demais pro sujeito pensar duas vezes. Por isso os anúncios eram basicamente assim:

Só que mesmo naquele tempo ninguém mais tinha tempo de ficar lendo laudas e laudas de texto, os catálogos passaram a usar de cores e ilustrações, confiando que as pessoas já sabiam do que se tratava o produto. Foi a época de ouro da arte na publicidade, ilustradores ficaram ricos e eram tratados como estrelas dentro das agências.

Para ter uma visão bem legal de como era a publicidade nesses primórdios recomendo MUITO o livro A Ciência da Propaganda, de Claude Hopkins, um pioneiro redator vendedor e entusiasta. Ele chegou a ganhar um salário anual de US$185 mil, e se isso parece bom pra hoje, imagine em 1907. Muito do que ele fala aparentemente está desatualizado, mas a essência da propaganda, da venda continua a mesma.

No Brasil a venda por catálogo nunca pegou. Talvez nosso temperamento latino tenha colaborado, mas boa parte da culpa é nossa falta de infraestrutura. Tamanho, como os EUA demonstraram, nunca foi problema. Problema é você ter que andar 100Km até uma agência do correio e não ter ninguém lá.

Nós acabamos adotando um modelo híbrido, as famosas vendedoras da Avon se tornaram consultoras. Em outros lugares elas passavam para recolher os pedidos, no Brasil elas recomendam, sugerem, avaliam e negociam. Um modelo que deveria facilitar a vida do consumidor se tornou… um compromisso.

Depois de gerações assim aprendemos a gostar de gente nos servindo. Pode ser na birosca mais xexelenta da Pedra da Buceta, em Jacarepaguá (existe, juro). Se o dono da birosca botar tudo self-service vai ter gente reclamando. Quando tentaram implantar postos de gasolina self-service no Brasil dois grupos reclamaram: Frentistas, que perderiam emprego, e motoristas, que acharam um ABSURDO se rebaixar a esse ponto.

O mais engraçado é que nos EUA abastecer o carro em posto self-service é a norma, todo mundo faz isso, sem distinção ou preconceito.

A noção de “famoso demais” pra isso não existe. Chegaram a criticar duramente a Hillary Clinton depois que alguém denunciou que ela não abastecia o próprio carro, mesmo com gente explicando que era uma questão de segurança, o Serviço Secreto não deixa.

Quanto ao Brasil, conseguimos criar o pior de dois mundos, compramos por catálogo mas dependemos da disponibilidade do vendedor, que tem que vir até nossa casa pra “tirar o pedido”.

Nós somos campeões mundiais errados em Logística. Lembre-se, somente no Brasil usa-se a frase “tem mas acabou”. Um exemplo fantástico dessa mentalidade aconteceu quando eu trabalhada como Enganador High-Tech em um sindicato. Eu editorava o jornal no Pagemaker e imprimia numa laser, o pessoal da arte montava as páginas em formato tablóide e imprimíamos no Jornal dos Sports. Um belo dia acabou o toner.

Fui atrás da Márcia, que cuidava do almoxarifado.

“Preciso de toner, tem?”

“Tem sim”

“Ótimo, me vê um”

“Não posso, se der esse vou ficar sem e minha ordem é não deixar acabar nada no estoque”

“Mas então por quê você não pediu mais?”

“Estamos em contenção de despesa e me avisaram pra não comprar nada que ainda tem no estoque”

Programadores reconhecerão um clássico loop. Eu pensei em entrar em modo full Bruce Banner mas primeiro não adiantaria nada e segundo eu estava cercando a guria tinha meses. (Spoiler: não peguei)

Voltei pra sala da Comunicação, expliquei pro diretor presente o que tinha acontecido. Voltamos na almoxarifado, ela havia ido embora pra casa e levado a chave. Tive que pular a divisória com uma escada e roubar um toner, no dia seguinte a guria ainda veio tirar satisfação.

Aqui você abre sua loja com 50 sabores de sorvete mas só estoca uns 5. Uma vez eu vi um tênis lindo e futurista com uma espécie de Nike incorporado. Fui no shopping. NINGUÉM conhecia. Voltei pro trabalho, pesquisei na Internet o produto era vendido em UMA cadeia de produtos esportivos. Fui na loja, nenhum vendedor tinha sequer ouvido falar. Pesquisaram no sistema, veio a resposta “tem mas acabou”.

Na FNAC fui atrás de um microsystem com USB, quando isso era novidade. O tal modelo era exclusivo da FNAC, foi anunciado assim em tudo que é revista. Cheguei na loja da Barra, claro que nenhum vendedor sabia do produto. De novo sistema… “Tem mas só de São Paulo, o prazo pra entregarem aqui pra gente é de 30 dias”

Toda compra no Brasil tem prazos absurdos. Eu comprei um barbeador vagabundo dia 27/4, a entrega prevista era até 26/5. Chegou ontem, 8/5 mas não importa. 30 dias é prazo para compras vindas de navio, e dos lentos paradores.

Nossa economia online sofre muito com a ineficiência de nossa logística, e pra piorar a terra do Tem mas Acabou inventou outro conceito logístico interessante: O Tem mas só de mentirinha.

Pode ver: Operadoras adoram anunciar lindos serviços futuristas de internet a laser, WIFI por telepatia, o escambau. Aí você vai ver área de cobertura: Um raio de 500m em volta da casa do presidente da empresa. O Ponto Frio inventou um conceito engraçadíssimo: Compre no site e retire na loja. Ótimo para quem não sabe que dá para negociar desconto na loja, ao vivo.

Só que é nem isso funciona. Comprei um Kindle, fui na opção de retirar na loja. Moro no bairro do Aeroporto Internacional, não é exatamente mato. Não, nenhuma loja disponível. OK, coloquei CEP do Centro da Cidade. Também nenhuma. Como os estoques não são unificados dependem do malote interno e ele não é tão versátil, aparentemente.

A experiência de ecommerce no Brasil conseguiu trazer para a Internet todos os vícios da venda física, e se você acha que estou brincando, lembre-se dos sites onde você começa a ver os produtos, espoca uma janela com um bot “Oi eu sou a CiberVendedora, posso ajudar?”

Se for assim eu prefiro a loja física onde ainda dá pra responder “não obrigado só estou olhando”, virar os calcanhares e ir embora.

 


O Contraditorium vive de doações. Não veiculo anúncios no blog. Somente sua colaboração me incentiva a escrever artigos cada vez melhores, sem rabo preso com anunciantes, partidos ou militâncias. Prestigie essa liberdade, faça uma doação. Use o PagSeguro no botão abaixo ou via PayPal com o email cardoso@pobox.com. Caso você tenha uma carteira PicPay,meu usuário é @carloscardoso. Caso não tenha e queira uma forma de transferir pequenas (ou grandes, de preferência grandes) quantias sem taxas, é só se inscrever.  Eles te darão R$10,00 para experimentar, basta utilizar meu código promocional CARDOSO

Toda moeda é bem-vinda, desde que seja de país com luz elétrica e água encanada.




Leia Também:

  • Carlos Alves

    Essa do prazo de entrega é outra invenção genuinamente nacional. As lojas começaram a ter problemas com entregas atrasadas e consumidores entrando na justiça, chegou ao ponto de serem impedidas de vender online, então resolveram da forma mais facil: não estabeleceram meta e ainda dobraram a meta. Então se a previsão de entrega é 5 dias uteis, basta colocar no site que são 45 dias e garantir que nenhuma entrega vai ser feita depois do prazo.

    • Claudio Roberto Cussuol

      Exatamente isso.
      Se não dá pra cumprir com 5, promete pra 50 e não aceita reclamação antes disso.

      Já tive alguns desprazeres assim:
      O rastreamento indica que saiu no dia X
      No dia X + 25 já teria dado tempo do produto ter sido entregue lá na Indonésia.
      Aí você liga pra reclamar
      A atendente diz: O seu produto ainda está dentro do prazo, não posso abrir a reclamação, você tem que esperar o prazo acabar.
      Mas é ÓBVIO que alguma coisa saiu errada. Não faz o menor sentido esperar um prazo absurdo acabar para só então poder protocolar uma reclamação.
      Aí quando finalmente você espera a porra do prazo, começa tudo de novo.

    • Rafael Rodrigues

      Pois é. Nossa logística é uma bosta, mas justiça é pior. Processa-se por tudo, o serviço é uma bosta e ninguém se entende.

  • Gilson Lorenti Fotografia

    Já passei por isso. O Magazine Luiza tem produtos que só podem ser comprados na loja física. é um saco.

  • Luis K

    Comprei um celular na B2W semana passada com frete “a jato” de 1 dia, prazo que só contava a partir da “aprovação do pagamento”. Ficou 40h nesta etapa, mesmo adquirindo com cartão de crédito e com SMS de aprovação da compra pelo banco.

    • ElGloriosoRangerRojo™

      A compra já bateu na fatura, tá quase no dia de pagar, mas pra loja o pagamento ainda não foi autorizado. HAHAHAHAH

  • Jhonatas

    Demora tanto q a gente esquece. Tenho 2 encomendas por aí 1 nacional com 47 dias corridos (!) e outra da China com 30 dias q aparentemente saiu de CTB para o limbo. Triste fim do e-commerce brasileiro, taxado até se equiparar as lojas sem falar na praga do “Marketplace” mambembe.

    Uma vez comprei um chaveiro q havia sido anunciado no kickstarter, o KeySmart. Conheci num post seu no MB inclusive. Na 1a tentativa, 40 dias e nada, extraviado. Um carteiro feliz por não precisar mais andar com um molho de chaves.

    Comuniquei a fornecedora q gentilmente enviou outro chaveiro no mesmo dia. Mais uns 40 dias depois, reclamei novamente e a fornecedora notificou os Correios. Dessa vez não deu pro carteiro ficar feliz. O objeto, que estava “extraviado”, milagrosamente reapareceu no rastreio, dessa vez enviado de volta ao remetente (3 tentativas de entregar só se for na casa do carteiro, pombas).

    Envergonhado, comuniquei novamente a fornecedora, dessa vez me desculpando pelo pacote dela ter q viajar no tempo e espaço rumo ao início do Século XIX e não ter condições de receber um produto que paguei. Ela novamente enviou outro pacote, que chegou após 48 dias e 3 tentativas na casa do carteiro. Ainda tive que ir buscar na agência pagando todos os tributos e a recém criada na época tarifa de 12 reais. Ao todo uns 4 meses…

    • Bruno L.

      Nesse tempo todo o gasto que tu teve deve ter sido igual a ter pago um torneiro para fazer um keysmart para ti. Serio cara, poderias ter cortado com uma serrinha de mão uma plaquinha de aço, furado, gasto 5 reais para um torneiro fazer a rosca nos furos e pronto. Keysmart.

  • Willguevara

    Os prazos de entrega de grandes varejistas está tão absurdo que está compensando mais comprar pelo mercado livre, onde o vendedor consegue um prazo bem menor e o preço hoje está basicamente equivalente do grande varejista.

    Esse caso de comprar online e retirar na loja meu primo conseguiu com um jogo de ps4 na casas Bahia. Ele indo comprar direto na loja ficava mais caro do que comprar online e retirar na loja, sim esse nível de non-sense.

    • Léo

      O caso do teu primo não é nenhuma surpresa. Moro no interior do RS e já me habituei a comprar no site e retirar na loja, principalmente móveis e eletrônicos da Colombo.

      Não pago frete e o site é muuuuito mais barato do que na loja física. Na verdade, na loja os vendedores não estão autorizados a dar o mesmo desconto do site e normalmente não tem quase nada em estoque.

      … e ainda ficam bravos porque não ganham comissão!

  • 3Deivid

    Eu quero muito um compilado com “As aventuras de Cardoso na terra do sindicato”.

    • Bruno Santos

      Toda vez que ele cita essas aventuras em algum texto (tem acontecido mais vezes ultimamente) eu começo a rir em imaginar a situação. É tão surreal e cômico ao mesmo tempo, pô cara, é o Cardoso. NUM SINDICATO hahahahaha
      Aguardando o próximo capitulo.

      • Trabalhando em jornalzinho da CUT, diga-se de passagem. A sorte é que como ele tinha mais de 15 anos não virou comuna. XD

      • O dinheiro que vem de lá vale o mesmo que o dinheiro que vem de qualquer outro lugar.

    • Nome do livro: CUdeTrabalho.

  • Gamer BR que compra mídia física em pré-venda sofre muito disso: o jogo geralmente chega até DUAS SEMANAS DEPOIS de já estar nas lojas (era melhor nem ter comprado, e ido numa loja pegar uma cópia).

    Mas uma que se pode elogiar é a Saraiva: nos últimos anos quase todo filme lançamento que encomendo em pré-venda chega lá em casa de 2 a 5 dias antes de começar a aparecer nas lojas da mesma :D

    • Humberto Jorge

      Submarino também, até hoje, nenhum problema e compras sempre no prazo, até entregam antes se você vacilar.

      • Rodrigo Cavalcante da Silva

        No prazo que eles colocam nas minhas compras teriam de ser muito mais incompetentes que a média pra atrasar… Geralmente os produtos chegam sempre em uma semana, mas com prazo de 25 dias úteis…

    • Eu parei de assinar a Playboy séculos atrás por causa disso, Saía na banca e a minha chegava 3, 4 às vezes 5 dias depois.

      • Eu só assino revista pelo desconto, quando tem, porque se for pelo prazo. Quando eu ainda assinava a Superinteressante e Mundo Estranho perdi a conta de quantas vezes tive que pedir reposição de entrega ou extensão de assinatura por conta de revista que não era entregue :P

        • caio.

          Revistas em geral aqui sempre atrasam… maior encheção de saco de conseguir falar com atendente pra reclamar… eventualmente 2 revistas iguais chegam aqui…. aparentemente, enviam a original e a 2a via no mesmo malote ¬¬

        • Henrik Chaves

          Abandonei a Superinteressante pelo mesmíssimo motivo. E com direito a um extra: uma das vezes que reclamei (a última) a revista foi entregue por um motoboy, que me deu um puta esporro por que liguei no SAC e não na distribuidora local (cujo telefone, obviamente, eu não tinha. Nem sabia qual era na verdade). Agradeci a orientação, subi para o apartamento e pedi para a mãe cancelar a assinatura (eu tinha algo como 12 anos na época).

          Isso tudo foi antes de a revista se tornar irrelevante.

  • Daniel Almeida

    Eu muitas vezes prefiro comprar na loja por causa disso tudo, fora o medo de extravio, roubo, etc.

    Off topic: achei curioso no começo do texto você falar sobre vender livros “ainda ser um negócio viável em 1498” sendo que seu último texto parecia dizer o contrário.
    Ok, você mora no bairro do aeroporto internacional, não é o meio do mato, é o meio do mangue :)

  • Eduardo Scharf

    “Tem mas acabou” me lembrou aquela esquete da loja de queijos do monty python.

    • NestorBendo

      – Por que as pessoas ainda compram nessa loja?
      – Não sei, talvez a achem cheirosa, né?
      – Certamente não tem cheiro de queijo…

    • Joao Paulo Cursino

      “It’s a bit runny, Sir.”

  • Humberto Jorge

    Ainda tem gente no Brasil que defende o monopólio dos Correios pelo Governo. Esse cara não pode estar bem, pelo amor de Odin. Serviço porco que dá prejuízo e nós pagamos essa bucha.

    P.S.: Outro site muito bom de ecommerce é o Submarino. Nunca me deu dor de cabeça.

    • Claudio Roberto Cussuol

      O duro é quando você compra numa loja acreditando que vem de transportadora e no dia seguinte eles te mandam um código de rastreamento dos Correios. Dá vontade de chorar.

      • Humberto Jorge

        Huahua, sempre. Acho que só a Cultura manda em Transportadora. Todas as outras que eu vi, mandam pelos correios.

        • Claudio Roberto Cussuol

          A Kabum tem uma opção de mandar pela UPS, é mais caro (óbvio) mas vale a pena.

      • O Datilógrafo da AEB

        Porque os correios tem obrigação de atender o Brasil inteiro, já que é estatal. Pra empresa acaba saindo mais barato terceirizar, do que mandar um entregador.

    • O Datilógrafo da AEB

      O monopólio só existe pra serviços postais. Encomendas tem mercado aberto, tem centenas de empresas de logística espalhadas pelo Brasil. Se informe mais.

    • Gustavo Ventura

      Acredito que a raiz do problema não está nos Correios. A infraestrutura de transporte (e as outras também) do nosso país é muito precária. Fico vendo notícias sobre trens super rápidos na China, Japão… e me sinto na idade média aqui.

      Como exemplo da nossa deficiência em transporte, a tela abaixo do Flight Radar 24, que mostra o tráfego aéreo em tempo real no mundo. O Brasil está pouco melhor que a África.

      https://uploads.disquscdn.com/images/f112660ae69659bd18a738dbfc6d53a3637a0d0c275bf80393267c20d946f1a2.png

  • Eric

    E o que mais gosto de compras online é não ter de falar com ninguém.
    Mas devo reconhecer que lojas físicas são importantes. Fui comprar uma geladeira nova. Fui em uma loja, conheci todos os produtos que tinha interesse, olhei de perto, conheci detalhes… comprei na internet por um valor 30% menor.

    • Fazer o vendedor perder tempo explicando, só pra depois ir comprar na Internet, é uma baita babaquice.

      Faço o mesmo. =D

      • SiouxBR

        O problema é que no site da própria loja não tem detalhes do produto, te obrigando a ir na loja física. Fora que os “atendentes” do site não conhecem nada dos produtos…

        • Joao Paulo Cursino

          Nem os da loja.
          NUNCA.
          O produto está DEBAIXO DO NARIZ do infeliz (literalmente a 50 cm do nariz, no balcão) e ele diz que não tem. Já me aconteceu.

    • Daniel

      Somos 2, aliás lá virou uma vitrine da on-line, vou pesquiso, se o vendedor pentelhar muito digo na cara dura, vou comprar essa aqui, custa x online quer fazer o mesmo preço e tem A PRONTA ENTREGA?

  • Qndt

    Engraçado, já teve 2 casos onde a situação se inverteu pra mim. Vi o produto no site, fui na loja física do mesmo site, comprar o mesmo produto, estava mais caro, e não teve jeito deles me fazerem o mesmo preço do site.

    Alegaram que o site não tem custo com aluguel, vendedor, luz, segurança, etc, mas que na loja eu poderia sair com o produto na hora em mãos.

    Agradeci mas voltei pra casa e comprei mais barato pelo site.

    • Acontece direto comigo. A própria Samsung (loja) vendendo mais caro que a loja online. Quando expliquei para o “vendedor” ele (emputecido que não ganharia comissão) disse que não conseguia chegar ao valor.

      Voltei para casa e pesquisei mais e acabei encontrando mais barato ainda em outra loja fora da rede Samsung.

      Loja física para mim é test drive para ver o produto. Acabo comprando online.

  • Luis

    Outra praga de hoje em dia é a tal “loja parceira”, vc entra numa Loja grande e conhecida com preço bom vai ver e quem esta te vendendo é a XexeleuBR. E geralmente com esses prazos loucos.

    Procurando um ventilador tempos atrás, era só isso que achava. Acabei comprando na Fnac do Shopping Morumbi, tinha o melhor preço e disponibilidade imediata. E claro tive que ir pessoalmente.

  • Em Angola se usa “Têm, mas não há”.

  • Eu comprei um boneco de pelúcia no Submarino e a entrega prevista era para daqui dois meses (comprei em janeiro e entregariam no final de março). Aí faltando dois dias para entrega fui olha no site e tava como prevista para abril.

    Dei aquela surtada básica na ouvidoria e magicamente o boneco chegou no outro dia.

    Até hoje o meu questionamento não foi respondido: “como que um negócio que era para ser entregue em dois meses, o prazo aumento mais um mês e foi entregue no outro dia?”

    E eu que trabalho com vendas de bonecos pela internet, sofro com essa logística doida. Aliás vale a pena contar outro causo:

    Uma vez vendi dois bonecos, um para o Acre e outro para Holanda (sim, tô chique). Mandei do Acre duas semanas antes do da Holanda e este chegou duas semanas ANTES que o do Brasil.

    Foi nesse episódio que descobri que é mais rápido mandar alguma coisa para o outro lado do atlântico do que no meu próprio país…

    • Essa é bem simples de entender, é mais fácil mandar encomendas pra locais que existem.

      • O atraso é compreensível. Leva tempo até procurar as coordenadas na internet, calcular as cartas estelares, avaliar as condições de clima (deve ter uma tempestade eterna ao redor do estado como na Ilha da Caveira) e repassar a gigante lista de de cidades do Estado (Rio Branco, Cruzeiro do Sul ou Feijó).

    • Fernando Tauscheck

      Em janeiro desse ano também comprei um produto do Acre e no mesmo dia uma bugiganga no AliExpress.
      O produto da China chegou 5 dias antes que o pedido do Acre.

      • SiouxBR

        Teve sorte: normalmente os Correios deixam os produtos chineses mofando pelo menos 90 dias em Curitiba .

    • Leonam Ramos Folí

      você acham mesmo que eles abririam o portal interdimensional pro Acre só pra sua encomenda? esperaram um lote grande pra enviar tudo de uma vez, ta explicado!

  • Bruno L.

    Ainda vou descobrir onde eles leiloam todos esses produtos que somem em curitiba.

    • PugOfWar

      tá tudo lá em casa

    • ElGloriosoRangerRojo™

      Eu não ficaria nada surpreso se descobrissem que os produtos vão direto pra “boca”. Ou vendidos baratinho pra financiar atividades excusas que alimentam “bocas”…

      • Bruno L.

        Vou dar uma olhada no camelo de curitiba para ver se acho que arco e flecha que sumiu misteriosamente assim que entro no escuso deposito dos correiros.

  • Donavan Sampaio

    esses dias comprei um livro no site da livraria cultura, depois de uma semana (serio) eles me mandam um e-mail dizendo que não estava mais disponível no estoque. Resolvo abrir a pagina do livro, e vejam só, ele ainda consta como disponivel para compra (ainda por cima recebi um email depois sugerindo que eu comprasse o livro pq eu visitei a pagian dele.)

  • Rafael Rodrigues

    Já rolei de rir ao chegar em uma “casa do pão de queijo” e ver a gerente pagando um esporro MONSTRO na equipe.

    Motivo? Deixaram acabar o pão de queijo.

    A mulher tinha chegado lá, não tinha pão de queijo e ela entrou em “modo full angry” e fez um por um sair da loja, ir até a calçada e ler o que estava escrito no letreiro. Faz uns muitos anos, mas foi inesquecível.

    • Faz uns 2 meses que fui no Croasonho (uma birosca de croissant gourmet que tem aqui em Floripa – não sei se é nacional) e tinha acabado o croissant – os caras estavam servindo prato executivo pra ninguém…

      • azardo

        É do RS, mais precisamente de Caxias do Sul. Acho que estão expandindo.
        Os: prefiro o Mini Kalzone.

      • Mateus Azevedo

        Tinha em Lajeado – RS também, mas creio que fechou. Era uma bosta o atendimento.

  • Rafael Rodrigues

    Existe lá fora uma invenção dos Deuses chamada Amazon Locker. É a coisa mais fodástica. Um armário cheio de portas em que vc digita o código, a porta abre, vc pega o pacote e fim de papo. Em Manhattan deve ter uns 30 desses. Comprei toda a sorte de quinquilharias em 2 semanas e o que demorou mais demorou 3 dias. Dois deles chegaram ao cúmulo de chegar NO MESMO DIA.

    Em uma das oportunidades gravei um vídeo, me sentindo como um neanderthal acostumado à clava sendo apresentado a um Drone.

    • O Datilógrafo da AEB

      Posso estar enganado, mas parece que a C&A, implantou algo parecido, compra no site e busca na loja. Mas com esse esquema de armários.

      • SiouxBR

        Minha esposa comprou mês passado uma mochila no site da FNAC com a opção de retirar na loja física aqui em Brasília.

        Mesmo com a mochila no estoque da loja física, a “autorização de retirada” levou 5 dias úteis para chegar no e-mail dela.

        Mas pelo menos economizou no frete e custou 15% mais barato…

    • Carlos Alves

      Já vi esse sistema em um Posto Ipiranga.

    • Joao Paulo Cursino

      Fui num desses em NY. Fiquei maravilhado (sim, sou um neandertal). Apertei o código, sproing, abriu uma portinha por MILAGRE, a encomenda lá dentro!

  • caio.

    “Tem mas tá em falta” é o famoso ebook fora de estoque…
    Também curto bastante nossa logística quando o rastreamento não é atualizado antes do produto chegar…aí, misteriosamente, todos os passos do rastreio do produto na entrega que levou 20 dias pipocam no sistema

  • Henrik Chaves

    Historinha interessante: certa feita encomendei dois livros no mesmo dia. Um na Amazon (americana, para deixar claro) e um no Submarino. Era uma segunda-feira.

    O da Amazon chegou na quinta. O do Submarino na sexta.

    Não faz um único pingo de sentido, mas aconteceu.

  • Cleverson Biora

    O André do Ceticismo relatou outro desses casos surreais, ele tinha feito uma compra online para retirada na loja física, e quando chegou na loja, havia o produto para venda, mas ele não podia levar porque aquele era do estoque da loja, ele teria que esperar chegar o dele até a loja.

    • Eu relatei aqui. É bizarro. A loja atua como uma caixa postal. Eu também pensei que saía do estoque (afinal, né?, é tudo pro mesmo bolso), mas só fiquei sendo observado como se fosse o maior retardado do universo.

      • Cleverson Biora

        Recentemente fiz isso de retirar na loja , mas ja ciente pela sua historia, mas no caso o produto nao tinha na loja e frete era caro, alem disso passo na frente sempre, mas éexatamente como voce falou é literalmente uma caixa postal quando cheguei na area de retirada tinha prateleiras com as caixas dos pedidos do site.

  • Gaius Baltar

    O online no Brasil é coisa do tempo da pedra lascada. Já que todo mundo conta seus “causos” vou contar o meu (aliás da minha família):
    Meus pais resolveram presentear meu irmão com um televisão LED “xicante” à escolha dele, dentro de um certo orçamento obviamente. Depois de pesquisar muito o moleque achou uma ótima tv LG de 50″ por um preço camarada no Carrefour Online. Mandou vir, com o bônus de ser dividida em 3 x sem juros (sem juros mesmo, não aquela enganação habitual). Ele pediu em Junho, o prazo de entrega era de um mês, então chegaria tranquilo no aniversário dele em Setembro. Só que não chegou em Setembro, nem em Outubro, nem em Novembro… Com isso a televisão já estava paga e nada de aparecer. Meu irmão estagiava num tribunal e perguntou ao chefe (um desembargador) o que fazer. Foi aconselhado a pedir a devolução do dinheiro em dobro e cancelar a venda. Mas após essa ameaça, e citar o desembargador, magicamente a televisão apareceu na semana seguinte.
    Mas esperem, não terminou! Passadas duas semanas, e com a minha presença na casa familiar, chega uma televisão idêntica para entrega! Meu irmão fala que era engano, pois o aparelho já tinha sido entregue, mas os da transportadora não quiseram saber e deixaram lá o trambolho. Meu irmão ligou para o Carrefour Online para relatar o mal entendido, mas lá disseram que as atividades online tinham sido encerradas e que ele procurasse uma loja física do Carrefour. Na loja disseram que as atividades online eram separadas da atividade física da empresa e que eles não tinham nada ver com a história! Que todo o suporte pós-venda era responsabilidade agora das marcas (no caso a LG). Meu irmão na sua tentativa infrutífera de ser santo ainda ligou para a marca coreana, mas essa disse que não se tratava de um problema de garantia, logo não poderia fazer nada. Para desencargo de conscieência meu irmaõa ainda perguntou ao supracitado desembargador o que fazer. O velhote sorriu e disse: “Rapaz, fique com a televisão como indenização pela sua espera”. E até hoje na casa dos meus pais existem duas tvs idênticas como um monumento à louca logística brasileira.

    • Artur Ferreira

      Comigo aconteceu algo parecido. Comprei 3 cabos USB pro celular no ML. O prazo era de 6 dias, e no sétimo dia abri a reclamação. O ML pediu mais 3 dias pra resolver o problema, mas no dia seguinte apareceu o famigerado “NÃO LOCALIZADO NO FLUXO POSTAL” no rastreamento dos Correios. Com isso, como a entrega era responsabilidade do próprio ML (MercadoEnvios), eles me reembolsaram, pagaram o vendedor e tudo resolvido. Cerca de uma semana depois comprei novamente, de um outro vendedor, só que dessa vez 4 ao invés de 3. Depois de 6 dias o porteiro liga avisando que tinha dois pacotes pra mim. Eram os cabos da nova compra, que foram entregues junto com os da antiga. Avisei ao vendedor, que disse que o problema era do ML. Avisei ao ML, que disse que o vendedor já tinha recebido o dinheiro. Resultado que estou com um cabo pra cada lugar que visito com alguma regularidade, o que achei ótimo.

    • Arthur Santos

      Seu irmão é foda, não tenho essa paciência toda.

  • André K

    A briga: loja física x loja virtual, é boa. Coisa de gente grande. No fundo decorre do princípio fundamental da organização no Brasil que é o rabo correr atrás do cachorro.
    Respeito ao cliente?! O que é isso… Nem no Walmart – onde normalmente tem expressamente escrito o lema do Sam Walton (algo como): 1) O cliente sempre tem razão. 2) Em caso de dúvidas, volte ao 1 – os “colaboradores” respeitam.
    Algumas considerações:
    1) Nunca tive problemas para receber encomendas de Submarino e Americanas na Grande São Paulo e no noroeste de MG (~100.000 habitantes), e do Walmart e Shoptime, na Grande São Paulo. Na maioria dos casos, chegou antes do prazo. Já li relatos divergentes e acredito neles, mas felizmente faço parte da estatística positiva.
    2) Já tive problemas em receber do Ponto Frio – na verdade, eles revenderam e a entrega foi feita por outra empresa, conforme já comentaram aqui. Agora sempre verifico se o produto é de quem está vendendo ou terceirização.
    3) Na loja física tem toda a questão do atendimento ruim, mesmo em concessionários de veículos onde em tese a compra renderia uma boa comissão. As lojas em que o “colaborador” não é comissionado parecem ser piores em termos de atendimento – LeroyMerlin, por exemplo. Já tive inúmeros casos de ficar esperando atendimento por 5 minutos e ir embora em seguida. Não tenho o hábito de procurar o atendimento ou reclamar, entendo que é obrigação da empresa prestar um excelente serviço para que eu não procure a concorrência.
    Me lembro de uma vez, por volta de 1991, querer comprar uma camiseta branca numa loja e a vendedora me dizer: “Lamento, não poderemos vender… estamos sem sistema…” Na época eu pensei comigo mesmo, puxa vida, a informática está aí para ajudar não para impedir a venda. Nem discuti, comprei em outro lugar.
    4) Por questão de oportunidade profissional estou morando numa cidade de ~400.000 habitantes no Pará. Infraestrutura ruim, apesar do porte razoável da cidade. Um SEDEX (carta, papel mesmo, nenhuma encomenda) postado para São Paulo/SP levou 10 dias. 10 DIAS – estamos no século XXI…
    5) Num sábado, comprei duas cafeteiras Dolce Gusto e 1 TV de 32″ na Havan daqui da região, uma compra bem razoável, no meu entender. Na noite da segunda feira, uma das cafeteiras não estava com funcionamento perfeito e fui na loja trocar. Depois de 30 minutos explicando para o “SAC” o problema, e os super prestativos “colaboradores” do “SAC” desembalarem e tentarem testar o produto, alegaram que não fariam a troca pois havia decorrido mais de 48 horas – sim, era verdade, decorreram umas 54 horas. Emitiram a Nota Fiscal em lugar do cupom, e me orientaram a procurar a assistência técnica. Essa “regra” da 48 horas não está escrita em local algum da loja, nem no cupom fiscal. No cupom fiscal consta apenas “Não trocamos eletrodomésticos (!) e roupa íntima.”. Enquanto aguardava o gerente… procurei no código do consumidor a questão e verifiquei que o revendedor só é obrigado a prestar esse tipo de assistência quando importa um produto que não tem fábrica ou representação no Brasil, o que não era o caso da cafeteira. Fui embora – depois de uma hora, o gerente não voltou – e ficarei observando o funcionamento da cafeteira dentro do prazo de garantia, se piorar, enviarei para eles. Depois disso, procuro testar todos os produtos antes de sair da loja e não pretendo mais comprar da Havan, perderam um cliente – eu sei, sou só mais um.

    Meio relacionado – lembrei também da proatividade dos consultores e ERPs em geral quando você pede algo que não é padrão do sistema. A resposta pronta é quase sempre: “Ah, isso não dá para fazer…” Quase nunca tentam desenvolver, até mesmo para adquirir mais experiência e conhecimento e quase nunca te dizem, vou verificar mas pode ser que seja uma solução um pouco mais custosa, fora do orçamento. Quando me respondem o: “Ah, não dá…” eu argumento: Olha, nos anos 60 os humanos conseguiram enviar homens para a Lua com computadores muito piores do que o seu celular. Será que hoje em dia, não dá para fazer um relatório ou cruzar as informações de mais de uma tabela no ERP?! O_o

    Há prós e contras nas duas modalidades de compra, a experiência de cada um vai nos moldando a escolher melhor conforme o caso.

  • Isso de retirar na loja é insano. Eu comprei meu celular nesse esquema. Recebi o email “assim que a operadora do cartão confirmar a compra, vc pode ir retirar”.

    Operadora confirmou. Fui na loja. O cara da expedição me olhou como se eu tivesse dito a maior insânia do mundo. “Tem nada aqui não, sinhô”. Chegando em casa, recebi outro email. “Mercadoria disponível na loja para ser retirada”. Fui no dia seguinte, de manhã. NADA! liguei putérrimo da vida. o SAC disse que PARA ME DAR RETORNO eu teria que esperar CINCO FUCKING DIAS!

    Mandei email pro onbudsman e descasquei. Em 2h recebi um telefonema de uma dona muito solícita dizendo que eu podia ir na loja e que se não tivesse chegado lá, que eles teriam que tirar do estoque dessa loja e me entregar (pois é. A loja não dá do estoque dela. Ela funciona como uma caixa postal. É louco isso!). Fui lá e me deram a droga do meu celular. Nunca mais caio nessa

  • Eder Brizolla

    Ai voce ve a TV no site e ela custa 1000 reais em 10x (apenas exemplificando), voce vai passear e resolver ir na loja fisica perguntar, la na loja fisica ela custa 1200 reais e so parecelam em 5x, dai voce resolve comprar no site e eles te dao a opcao de retirar na loja que queria te cobrar 1200…. tudo muito esquisito

    • Rodrigo Cavalcante da Silva

      Já pensou como funciona a questão de impostos?

      • Eder Brizolla

        Mais burocratica ainda, mas como moro em sao paulo aqui os impostos tendem ser os mais altos, uma vez trabalhava em uma empresa que vendia equipamentos de informatica (se eu falar lojinha fica feio neh!), e fomos comprar um lote de modems (de telefone mesmo, ja viu) vindos da zona franca, a burocracia e papelada que gerou deu ate do da floresta que foi transformada em papel para aqueles malditos 100 ou 200 modens 56k

  • Daí você compra no Submarino/Americanas num domingo às 23h e o produto, com prazo para 8 dias úteis, chega na terça da mesma semana, pela manhã.

    Não é pra menos que esses caras cresceram tanto.

    • Eder Brizolla

      O prazo tem ja um chutometro de “VDM” (pergunta no google ele explica oque é VDM), contando que a carga nao foi roubada, sua agencia do correio nao esta entupida de mercadoria, que o correio nao extravie seu pacote ele chega antecipado, em caso de acionamento de VDM a empresa tem uma “gordurinha” para queimar e resolver seu problema antes de vc “armar barraco” com o suporte.

  • azardo

    “Na FNAC fui atrás de um microsystem com USB, quando isso era novidade”
    Philips?

  • Mario Neis

    quando vai lançar o “as aventuras no sindicato. Um Dilbert à brasileira” ?

  • Just Marcelo

    cardoso tira meu block do twitter @jstmarcelo te amo kkkkk

  • Quando li o título, pensei que o texto ia ficar focado única e exclusivamente nos serviços de entrega maravilhosos, primorosos e de excelência da qual a Empresa de Correios e Telégrafos (Correios para os íntimos) não possui.

  • Alvaro Carneiro

    – “Ponto Frio inventou um conceito engraçadíssimo: Compre no site e retire na loja. Ótimo para quem não sabe que dá para negociar desconto na loja, ao vivo.”

    Não compro nada na Ponto Frio fazem 10 anos (fugi do brasil). Mas lembro que os caras não negociavam nada, você podia colocar sacos de dinheiro na frente do vendedor mas nao davam desconto nem de 1 centavo. Diziam na época que a Ponto Frio era uma financeira disfarçada, tudo era caro e a idéia era forçar o financiamento (“sem juros”) e portanto recusavam dar desconto a vista.

    Nao sei se mudaram a estratégia.